A Influência do Desenvolvimento Profissional e da Identificação Organizacional na Satisfação no Trabalho

Luciana Mourão, Ana Cláudia Fernandes Monteiro, Viviane Ribeiro Viana

Resumo


Buscar atrair e manter trabalhadores qualificados tem sido um desafio para as organizações atuais. O objetivo deste estudo foi verificar o impacto do desenvolvimento profissional e da identificação organizacional sobre a satisfação no trabalho. Participaram da pesquisa 1.302 trabalhadores das cinco regiões do País. O questionário continha três escalas, uma para cada construto, todas com bons indicadores de validade psicométrica. Para a testagem da hipótese da pesquisa, foram realizadas análises de correlação de Pearson e regressão hierárquica. Os resultados mostraram que quanto maior o desenvolvimento profissional maior será a percepção de satisfação no trabalho (β=0,39) e que apenas a identificação organizacional por imitação prediz a satisfação (β=0,56), tendo sido a identificação por afinidade excluída do modelo. Os resultados apontam para a importância de aumentar o investimento no desenvolvimento profissional e na identificação organizacional para ampliar a satisfação no trabalho. Foram apontadas limitações, contribuições e implicações práticas do estudo.

Palavras-chave


Comportamento organizacional; desenvolvimento profissional; identificação; satisfação no trabalho.

Texto completo:

PDF

Referências


Abbad, G., Loiola, E., Zerbini, T, & Borges-Andrade, J.E. (2013): Aprender em organizações e no trabalho. In L.O. Borges & L. Mourão. O trabalho e as organizações: atuações a partir da Psicologia (497-527). Porto Alegre: Artmed.

Albert, S., & Whetten, D. A. (1985). Organizational identity. In L. L. Cummings, & B.M. Staw. (Eds.). Research in organizational behavior (pp. 263-295). Greenwich: Jay.

Bernstorff, V. H. (2008). Relações entre satisfação, competência, saúde e absenteísmo no trabalho em uma grande instituição bancária pública. Sociedade e Estado, 23(1), 189-190.

Borges-Andrade J. E., Abbad, G., Zerbini, T., & Mourão, L. (2013). Treinamento, Desenvolvimento e Educação: um modelo para sua gestão. In L. O. Borges & L. Mourão. O trabalho e as organizações: atuações a partir da Psicologia (465-495). Porto Alegre: Artmed.

Brief, A. P., & Weiss, H. M. (2002). Organizational Behavior: Affect in the Workplace. Annual Review of Psychology, 53, 279-307.

Campos, C. V. A., & Malik, A. M. (2008). Satisfação no Trabalho e Rotatividade dos Médicos do PSF. Revista de Administração Pública, 42(2), 347-368.

Cesário, F. S., Guillén Gestoso, C., & Peregrín, F. M. M. (2012). Contrato de trabajo, compromisso y satisfacción: moderación de la empleabilidad. Revista de Administração de Empresas, 52(3), 345-359.

Chaves, L. D., Ramos, L. H., & Figueiredo, E. N. (2011). Job satisfaction of nurses working in Brazil. Acta Paul. Enferm., 24(4), 507-513.

Coelho-Junior, F. A., & Mourão, L. (2011). Suporte à aprendizagem informal no trabalho: uma proposta de articulação conceitual. Revista de Administração Mackenzie, 12(6), 224-253.

Fernandes, M. E. R., Marques, A. L., & Carrieri, A. P. (2009). Identidade organizacional e os componentes do processo de identificação: uma proposta de integração. Cadernos EBAPE.BR, 7(4), 687-703.

Gondim, S. M. G., Souza, J. J., & Peixoto, A. L. A. (2013). Gestão de pessoas. In L.O. Borges & L. Mourão (Org.). O trabalho e as organizações: atuações a partir da Psicologia (pp. 343-374). Porto Alegre: Artmed.

Hackman, J. R., & Oldham, G. R. (1976). Motivation through the design of work: Test of a theory. SOM: Yale University.

Hair J. R., Black, W. C., Babin, B. J., Anderson, R. E., & Tatham, R. L. (2009). Análise multivariada de dados (6ª ed.). Porto Alegre: Bookman.

Jiménez Figueroa, A. E., Jara Gutiérrez, M. J., Celis, E. R. M., & Miranda, E. R. (2012). Burnout, apoyo social y satisfacción laboral en docentes. Psicologia Escolar e Educacional, 16(1),125-134.

Judge, T. A., & Kammeyer-Mueller, J. D. (2012). Job Attitudes. Annual Review of Psychology, 63, 341-367.

Kinicki, A. J., McKee-Ryan, F. M., Schriesheim, C. A., & Carson, K. P. (2002). Assessing the construct validity of the Job Descriptive Index: A review and meta-analysis. Journal of Applied Psychology, 87, 14-32.

Locke, E. A. (1976). The nature and causes of job satisfaction. In M. P. Dunnette (Org.). Handbook of Industrial and Organizational Psychology (pp. 1294-1349). Chicago: Rand-McNally.

Maciel, C. O., & Camargo, C. (2011). Comprometimento, satisfação e cooperação no trabalho: evidências da primazia dos aspectos morais e das normas de reciprocidade sobre o comportamento. Revista de Administração Contemporânea, 15(3), 433-453.

Marqueze, E. C., & Moreno, C. R. C. (2009). Satisfação no trabalho e capacidade para o trabalho entre docentes universitários. Psicologia em Estudo, 14(1), 75-82.

Martins, M. C. F., & Santos, G. E. (2006). Adaptação e validação de construto da Escala de Satisfação no Trabalho. Psico-USF, 11(2), 195-205.

Miles, J., & Shevlin, M. (2001). Applying Regression and Correlation: a guide for students and researchers. London: Sage Publications.

Mourão, L., Puente-Palacios, K. P., Porto, J., Monteiro, A.C.F., Araújo, G., & Ribeiro, J. (2012, maio). Validação de Escala para Mensuração do Desenvolvimento Profissional. Cpomunicação oral apresentada no V Congresso Brasileiro de Psicologia Organizacional e do Trabalho – CBPOT, Rio de Janeiro.

Oliveira, A. F. (2008). Identificação organizacional. In M. M. M. Siqueira (2008). (Org.) Medidas do Comportamento Organizacional: ferramentas de diagnóstico e de gestão (pp. 179-188). Porto Alegre: Artmed.

Paquay, L.,Wouters, P., & van Nieuwenhoven, C. (2012). A avaliação, freio ou alavanca do desenvolvimento professional?. In L. Paquay, P.Wouters, & C. van Nieuwenhoven, C. (Org.). A avaliação como ferramenta do desenvolvimento profissional de educadores. (pp.13-39). Porto Alegre: Penso.

Pratt, M. G. (1998). To be or not to be: Central questions in organizational identification. In D. A. Whetten & P. C. Godfrey (Eds.). Identity in organizations (pp. 171–207). Thousand Oaks, CA: Sage.

Ravasi, D., & Van Rekom, J. (2003). Key issues in organizational identity and identification theory. Corporate Reputation Review, 6(2), 118-132.

Rebouças, D., Abelha, L., Legay, L. F., & Lovisi, G. M. (2008). O trabalho em saúde mental: um estudo de satisfação e impacto. Caderno Saúde Pública, 24(3), 624-632.

Santana, L. L. S., Cunha, N. R.S., Ferreira, M. A. M., Moura, L. R., & Oliveira, A. R. (2012). Gestores escolares da rede pública em Minas Gerais: fatores de satisfação no trabalho. Educação em Revista, 28(1), 491-520.

Sant’anna, A. S., Moraes, L. F. R., & Kilimnik, Z. M. (2005). Competências individuais, modernidade organizacional e satisfação no trabalho: um estudo de diagnóstico comparativo. RAE Eletrônica, 4(1), 1-23.

Santos, J. R. V., & Mourão, L. (2011). Impacto do Treinamento como Variável Preditora da Satisfação com o Trabalho. Revista de Administração da Universidade de São Paulo – RAUSP, 46(3), 305-318.

Silva, A.P.C. (2008). Estressores ambientais, natureza do contrato de trabalho e reações psicológicas ao estresse. (Dissertação de Mestrado em Psicologia não publicada). Universidade Salgado de Oliveira, Niterói.

Silva-Junior, N. A. (2001). Satisfação no trabalho: um estudo entre os funcionários dos hotéis de João Pessoa. Psico-USF, 6(1), 47-57.

Siqueira, M. M. M. (2008). Satisfação no Trabalho. In M. M. M. Siqueira, (2008). (Org.) Medidas do Comportamento Organizacional: ferramentas de diagnóstico e de gestão (pp. 265-274). Porto Alegre: Artmed.

Siqueira, V. T. A., & Kurcgant, P. (2012). Satisfação no trabalho: indicador de qualidade no gerenciamento de recursos humanos em enfermagem. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 46(1), 151-157.

Sangwan, A. (2013). Determinants of job satisfaction: a study of insurance sector employees. International Journal of Marketing and Technology, 3(5), 1-19.

Tabachnick, B. G., & Fidell, L. S. (2007). Using multivariate statistics. (5th ed.) New York: HarperCollins.

Tajfel, H. (1978). Social categorization, social identity and social comparison. In: H. Tajfel. (Ed.). Differentiation between groups (61-76). London: Academic Press.

VandenBos, G. R. (2010). Dicionário de Psicologia da American Psychological Association – APA. Porto Alegre: Artmed.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2014.2.13470

e-ISSN: 1980-8623 | ISSN-L: 0103-5371


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.