Análise Comparativa do Perfil de Crianças em Acolhimento Institucional nos Anos de 2004 e 2009

Lília Iêda Chaves Cavalcante, Celina Maria Colino Magalhães, Daniela Castro dos Reis

Resumo


O estudo apresenta uma análise comparativa dos aspectos que caracterizaram a população infantil atendida em uma instituição de acolhimento na Região Metropolitana de Belém-Pará, nos anos de 2004 (n = 287) e 2009 (n = 249). Foram comparadas variáveis referentes às características sociodemográficas das crianças, ao motivo do acolhimento, a idade à entrada na instituição e o tempo de permanência. Os resultados mostram que o perfil da população atendida sofreu alterações importantes: em cinco anos, aumentou a idade em que as crianças ingressaram na instituição, o que pode evitar ou atenuar as sequelas geradas pela privação do cuidado parental, porém também estendeu o tempo que elas se mantiveram atendidas pelo serviço, sendo este um aspecto que agrava a sua condição de vulnerabilidade. Estes dados corroboram o argumento de que é necessário acompanhar ao longo do tempo estas e outras características dessa população infantil, para adequar a gestão dos serviços de acolhimento às suas demandas desenvolvimentais.

Palavras-chave


Abrigo. Acolhimento institucional. Crianças abrigadas. Desenvolvimento infantil. Vulnerabilidade. Características da população.

Texto completo:

PDF

Referências


Andrade, S. A., Santos, D. N., Bastos, A. C., Pedromônico, M. R. M., Almeida-Filho, N., & Barreto, M. L. (2005). Ambiente familiar e desenvolvimento cognitivo infantil: Uma abordagem epidemiológica. Revista de Saúde pública, 39, 606-611.

Barros, R. P., Carvalho, M., & Franco, S. (2006). Pobreza multidimensional no Brasil. Rio de Janeiro: IPEA.

Beckett, C., Maughan, B., Rutter, M., Castle, J., Colvert, E., Groothues, C., Kreppner, J., Stevens, S., O´Connor, T.G., & Sonuga-Barke, E. J. S. (2006). Do the effects of early severe deprivation on cognition persist into early adolescence? From the English and Romanian Adoptees Study. Child Development, 77, 696-711.

Bernal, E. M. B. (2004). Arquivos do abandono. Experiências de crianças e adolescentes internados em instituições de Serviço Social de Menores de São Paulo (1938-1960). São Paulo: Cortez.

Brancalhone, P. G., Fogo, J. C., & Williams, L. C. A. (2004). Crianças Expostas à Violência Conjugal: avaliação do desempenho acadêmico. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 20, 113-117.

Bronfenbrenner, U. (2011). Bioecologia do desenvolvimento humano: tornando os seres humanos mais humanos. Porto Alegre: Artmed.

Calamante, A. J. (2007). Saneamiento básico, agua potable y salud pública. In Colombo, J. A. (Org.). Pobreza e desenvolvimento infantil. Uma contribuição multidisciplinar (pp. 327-353). Buenos: EDUFPA.

Cavalcante, L. I. C. (2008). Ecologia do cuidado: interações entre a criança, o ambiente, os adultos e seus pares em instituição de Abrigo. Tese de doutorado não publicada. Universidade Federal do Pará, Programa de Pós-Graduação em Teoria e Pesquisa do Comportamento. Universidade Federal do Pará, Belém.

Cavalcante, L. I. C., Magalhães, C. M. C., & Costa, L. N. (2012). Caretaking behavior among siblings in children’s shelters. Psicologia: Reflexão e Crítica (UFRGS. Impresso), 25, 165-173.

Cavalcante, L. I. C., Magalhães, C. M. C., & Pontes, F. A. R. (2007). Institucionalização precoce e prolongada de crianças: discutindo aspectos decisivos para o desenvolvimento. Aletheia, 25, 20-34.

Dozier, M., Zeanah, C., Wallin, A. R., & Shauffer, C. (2012). Institutional care for young children: rewiew of literature and policy implications. Social Issues and Policy Review, 6(1), 1-25.

Habigzang, L. F., Koller, S. H., Azevedo, G. A., & Machado, P. X. (2005). Abuso sexual infantil e dinâmica familiar: aspectos observados em processos jurídicos. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 21(3), 341-348.

Halpern, R., & Figueiras, A. C. M. (2004). Influências ambientais na saúde mental da criança. Jornal de Pediatria, 80, 104-110.

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – IPEA. (2004). Levantamento nacional de abrigos para crianças e adolescentes da rede SAC. Retirado de http://.www.ipea.gov.br.

Lewandowski, D. C., De Antoni, C., Koller, S. H., & Piccinini, C. A. (2002). Paternidade na adolescência e os fatores de risco e de proteção para a violência na interação pai-criança. Interações, 13(7), 11-100.

McCall, R. B., Groark, C. J., Fish, L., Harkins, D., Serrano, G., & Gordon, K. (2010). A socioemotional intervention in a latin american orphanage. Infant Mental Health Journal, 31(5), 521-542.

Morais, N. A., Leitão, H. S., Koller, S. H., & Campos, H. R. (2004). Notas sobre a experiência de vida num internato: aspectos positivos e negativos para o desenvolvimento dos internos. Psicologia em Estudo, 3, 379-387.

Nelson, C. A. (2007). A neurobiological perspective on early human deprivation. Child Development Perspective, 1(1), 13-18.

Paiva, G. S., Lima, A. C. V. M. S., Lima, M. C., & Eickmann, S. H. (2010). The effect of poverty on developmental screening scores among infants. São Paulo Medicinal Journal, 128, 276-283.

Rede Nacional Primeira Infância. (2010). Plano Nacional pela Primeira Infância. Brasília, DF: Autores.

Rizzini, I., & Rizzini, I. (2004). A Institucionalização de crianças no Brasil: percurso histórico e desafios presentes. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio/UNICEF/CIESPI.

Roy, P., & Rutter, M. (2006). Institutional care: associations between inattention and early reading performance. Journal of Child Psychology and Psychiatry, 41, 480-487.

Scaramella, L. V., Neppl, T. K., Ontai, L. L., & Conger, R. D. (2008). Consequences of Socioeconomic Disadvantage across Three Generations: Parenting Behavior and Child Externalizing Problems. Journal of Family Psychology, 22(5), 725-733.

Serrano, S.A. (2008). O abrigamento de crianças de zero a seis anos de idade em Ribeirão Preto: Caracterizando esse contexto. Tese de doutorado não publicada. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.

Sigal, J., Perry, J. C., Rossignol, M. I., & Ouimet, M. C. (2003). Unwanted infants: psychological and physical consequences of inadeuate orphanage care 50 years later. American Journal of Orthopsychiatry, 73, 3-12.

Siqueira, A. C., & Dell’Aglio, D. D. (2006). O impacto da institucionalização na infância e na adolescência: uma revisão da literatura. Psicologia e Sociedade, 18, 71-80.

Tarullo, A. R., & Gunnar, M. R. (2007). False belief and emotion understanding in post-institutionalized children. Social Development, 16(1), 57-78.

Vegas, E., & Santibáñez, L. (2010). América Lati La promesa Del desarrollo en La primera infância en América Latina y El Caribe. Washingto-DC, Bogotá, Colômbia: Banco Mundial en coedición con Mayol Ediciones S.A.

Weber, L. N. D., & Kossobudzki, L. H. M. (1996). Filhos da solidão. institucionalização, abandono e adoção. Curitiba: Governo do Estado do Paraná.

Wiik, K. L., Loman, M. M., Ryzin, M. J. V., Armstrong, J. M., Essex, M. J., Pollak, S. D., & Gunnar, M. R. (2010). Behavioral and emotional symptoms on post-institutionalized children in middle childhood. Journal of Child Psychology and Psychiatry, 52(1), 56-63.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2014.1.13180



e-ISSN: 1980-8623

ISSN-L: 0103-5371

*********************************

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons

Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS