Uso de Álcool, Drogas, Níveis de Impulsividade e Agressividade em Adolescentes do Rio Grande do Sul

Rosa Maria Martins de Almeida, Laís Broch Trentini, Lidiane Andreza Klein, Greici Rössler Macuglia, Cristiane Hammer, Martin Tesmmer

Resumo


O uso de drogas na adolescência pode causar prejuízos ao desenvolvimento, podendo se estender ao longo da vida. A impulsividade é fator de risco para o consumo de álcool e outras drogas, podendo, assim, ser responsável tanto pelo início quanto pelo aumento da drogadição. O objetivo deste estudo foi verificar como e quando ocorre o início do uso de substâncias entre adolescentes do Rio Grande do Sul, investigando, também, os níveis de impulsividade e agressividade entre estes jovens, e se existem diferenças entre os sexos. Foram utilizados três instrumentos:
(1) questionário sociodemográfico sobre uso de drogas; (2) escala de impulsividade de Barrat e (3) Inventário de Expressão de Raiva como Estado e Traço- STAXI. Conclui-se que o início do uso de substâncias tem ocorrido mais precocemente no Rio Grande do Sul do que em outros estados, e que as médias de impulsividade e agressividade destes adolescentes foram consideradas elevadas.


Palavras-chave


Adolescência. Álcool e drogas. Impulsividade. Agressividade.

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida Filho, A. J., Ferreira, M. A., Gomes, M. L. B, Silva, R. C., & Santos, T. C. F. (2007). O adolescente e as drogas: consequências para a saúde. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, 11(4), 605-610.

Babor, T., Caetano, R., Casswell, S., Edwads, G., & Giesbrecht, N. (2003). Alcohol, no ordinary commodity: research and public policy. New York: Oxford University Press; Regulating alcohol promotion, 173-188.

Barnow, S., Lucht, M., & Freyberger, H. (2005). Correlates of aggressive and delinquent aonduct problems in adolescence. Aggressive/Behavior, 31(1), 24-39.

Cohen, P., Cohen, J., Kasen, S., Velez, C. N., Hartmark, C., & Johnson, J. (1993). An epidemiologic study of disorders in late childhood and adolescence, I: age and gender-specific prevalence. Journal Child Psychology Psychiatry, 34, 851-867.

Dallo, L., & Martins, R. A. (2011). Uso de álcool entre adolescentes escolares: um estudo-piloto. Paidéia (Ribeirão Preto), 21(50), 329-334.

Chiapetti, N. (2001). Comportamento de risco em pré-adolescentes institucionalizados. Tese de Doutorado não-publicada. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Clínica do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, São Paulo.

Diemen, L. von (2006). Associação entre impulsividade, idade do primeiro consumo de álcool e abuso de substâncias psicoativas em adolescentes de uma região do Sul do Brasil. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre. Acesso em 20 mar. 2009, de http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/10073/000594494.pdf?sequence=1

Dupont, R. L. (1987). Prevention of adolescent chemical dependency. Pediatric Clinics of North America, 34(2), 495- 505.

Edwards, G., Marshall, E. J., & Cook, C. C. H. (2005). O tratamento do alcoolismo: um guia para profissionais da saúde (4ª ed.). Porto Alegre: Artmed.

Faria, R., Vendrame, A., Silva, R., Pincy, I. (2011). A propaganda de álcool e associação ao consumo de cervejas por adolescentes. Revista de Saúde Pública, 45(3), 441-447.

Ferigolo, M., Barbosa, F. S., Arbo, E., Malysz, A. S., Stein, A. T. & Barros, H. M. T. (2004). Drug prevalence at Febem. Revista Brasileira de Psiquiatria, 26(1), 9-15.

Fleming, K., Thorson, E., & Atkin, C. K. (2004). Alcohol advertising exposure and perceptions: links with alcohol expectancies and intentions to drink or drinking in underaged youth and young adults. J Health Commun, 9(1), 3-29.

Fraga, S., Ramos, E., & Barros, H. (2006). Uso de tabaco por estudantes adolescentes portugueses e fatores associados. Revista de Saúde Püblica, 40(4), 620-626.

Galduróz, J. C. F., Noto, A. R., Fonseca, A. M., & Carlini, E. A. (2004). V Levantamento Nacional sobre o Consumo de Drogas Psicotrópicas entre Estudantes do Ensino Fundamental e Médio da Rede Pública de Ensino nas 27 Capitais Brasileiras. In CEBRID, São Paulo, Brasil. Acesso em 16 de maio de 2012, de http://200.144.91.102/cebridweb/download.aspx?cd=106

Galduroz, J. C., Noto, A. R., Nappo, S. A., Carlini, E.A. (2004). Trends in drug use among students in Brazil: analysis of four surveys in 1987, 1989, 1993 and 1997. Brazilian Journal of Medical and Biological Research, 37(4), 523-531.

Grant, B. R. (1998). The impact of a family history of alcoholism on the relationship between age at onset of alcohol use and DSM-IV alcohol dependence: Results of the National Longitudinal Alcohol Epidemiologic Survey. Alcohol Health & Reserach World, 22(2), 144-147.

Grunbaum, J. A., Kann, L., Kinchen, S., Ross, J., Hawkins, J., Lowry, R., et al. (2004). Youth risk behavior surveillance-United States, 2003. MMWR Surveill Summ, 53(2), 1-96.

Guimarães, N. M., Pasian, S. R. (2006). Agressividade na adolescência: Experiência e Expressão de Raiva. Psicologia em Estudo (Maringá), 11(1), 89-97.

Hogarth, L. (2011). The role of impulsivity in the etiology of drug dependence reward sensitivity versus automaticity. Psychopharmacology, 215(3), 567-580.

Heim, J., Andrade, A. G. (2012). Efeitos do uso do álcool e das drogas ilícitas no comportamento de adolescentes de risco: uma revisão das publicações científicas entre 1997 e 2007. Revista de Psiquiatria Clínica, 35(1), 61-64.

Henriksen, L., Feighery, E. C., Schleicher, N. C., Fortmann, S. P. (2008). Receptivity to alcohol marketing predicts initiation of alcohol use. J Adolesc Health, 42(1), 28-35.

Kaplan, H. I., Sadock, B. J., & Grebb, J. A. (1997). Contribuições das ciências sociais para o comportamento humano. In H. I. Kaplan, B. J. Sadock, & J. A. Grebb (Eds.). Compêndio de psiquiatria: ciências do comportamento e psiquiatria clínica

(7ª ed) (pp. 170-178). Porto Alegre: Artes Médicas.

Knobel, M. (1992). A síndrome da adolescência normal. In A. Aberastury, & M. Knobel (Eds.). Adolescência normal: um enfoque psicanalítico. Porto Alegre: Artes Médicas.

Kuntsche, E., Rehm. J., Gmel. G. (2004). Characteristics of binge drinkers in Europe. Social Science & Medicine, 59(1), 113-127.

Laranjeira, R., & Pinsky, I. (2000). Alcoolismo (6a ed.). São Paulo: Contexto

Laranjeira R., & Romano M. (2004). Consenso brasileiro sobre políticas públicas do álcool. Revista Brasileira de Psiquiatria, 26(1), 68-77.

Martins, R. A. (2006). Uso de álcool, intervenção breve e julgamento sócio-moral em adolescentes que bebem excessivamente. Tese de Livre Docência não publicada, Universidade Estadual Paulista, São José do Rio Preto, SP.

McKinnon, S. A., O’rourke, K. M., Thompson, S. E., & Berumen, J. H. (2004). Alcohol use and abuse by adolescents: the impact of living in a border community. J Adolesc Health, 34(1), 88-93.

Melo, J. M. (2001). O alcoolismo no universo TEEN: Mídia e saúde. São Paulo: Universidade Metodista, 747-766.

Meloni, J. N., & Laranjeira, R. (2004). Custo social e de saúde do uso do álcool. Revista Brasileira de Psiquiatria, 26(1), 7-10.

De Micheli D., & Formigoni M. L. (2002). Are reasons for the first use of drugs and family circumstances predictors of future use patterns? Addictive Behaviors, 27(1), 87-100.

National highway traffic safety administration (NHTSA). Traffic Safety Facts 2000: Young drivers DOT HS-809-336. Washington, DC: NHTSA; 2001.

Paim, M. (2009). Alcoolismo: um alerta aos jovens. Missão jovem: Renova-se a esperança. Atualidades, ano XXVII(241).

Pechansky, F., Szobot, C. M., Scivoletto, S., (2004). Uso de álcool entre adolescentes: conceitos, características epidemiológicas e fatores etiopatogênicos. Revista Brasileira de Psiquiatria, 26(1), 14-17.

Petry, N. M., Kirby, K. N., & Kranzler, H. R. (2002). Effects of gender and family history of alcohol dependence on a behavioral task of impulsivity in healthy subjects. Journal of Studies on Alcohol, 63(1), 83-90.

Reboussin, B. A., Song, E. Y., Shrestha, A., Lohman, K. K., Wolfson, M. (2006). A latent class analysis of underage problem drinking: evidence from a community sample of 16-20 year olds. Drug Alcohol Dependence, 83(3), 199-209.

Rodrigues, M.C., Viegas, C. A. A., Gomes, E. L., Morais, J. P. M. G., & Zakir, J. C. O. (2009). Prevalência do tabagismo e associação com o uso de outras drogas entre escolares do Distrito Federal. J Bras Pneumol, 35(10), 986-991.

Sanchez Z. M., & Nappo S. A. (2002). A seqüência de drogas consumidas por usuários de crack e fatores interferentes. Revista de Saúde Pública, 36(4), 420-430.

Scheffer, M., & Almeida, R.M.M. de. (2010). Consumo de álcool e diferenças entre homens e mulheres: comportamento impulsivo, aspectos cognitivos e neuroquímicos. Revista de Neuropsicologia Latinoamericana, 2(3), 1-11.

Schenker, M., & Minayo, M.C.S. (2005). Fatores de risco e de proteção para o uso de drogas na adolescência. Ciência & Saúde Coletiva, 10(3), 707-717.

Silva, V. A., & Mattos, H. F. (2004). Os jovens são mais vulneráveis às drogas? In I. Pinsky, & M. A. Bessa (Eds.). Adolescência e drogas. São Paulo: Contexto.

Spielberger, C. D., & Biaggio, A. (1992/2003). Manual do STAXI. São Paulo: Vetor.

Silva, E. F, Pavani, R. A. B., Moraes, M. S., & Neto, F. C. (2006). Prevalência do uso de drogas entre escolares do ensino médio do município de São Jose do Rio Preto, São Paulo, Brasil. Cad Saude Publica, 22(6), 1151-1158.

Soares, R. (2006). Inimigo íntimo: o álcool e o cérebro dos jovens. Revista Veja (São Paulo), abril, 96-104.

Stacy, A. W., Zogg, J. B., Unger, J. B., & Dent, C. W. (2004). Exposure to televised alcohol ads and subsequent adolescent alcohol use. Am J Health Behav, 28(6), 498-509.

Stoltenberg, S. F., Batiena, B. D., & Birgenheir, D. G. (2008). Does Gender Moderate Associations Among Impulsivity and Health-Risk Behaviors? Addict Behavior, 33(2), 252-265.

Strauch, E. S. Pinheiro, R. T., Silva, R. A., & Horta, B. L. (2009). Uso de álcool por adolescentes: estudo de base populacional. Revista de Saúde Pública, 43(4), 647-655.

Swadi, H. (2000). Individual risk factors for adolescent substance use. Drug and Alcohol Dependence, 55(3), 209-224.

Tavares, B. F., Béria, J. U., & Lima, M. S. (2001). Prevalência do uso de drogas e desempenho escolar entre adolescentes. Rev Saude Publica, 35(2), 150-158.

Trindade, I., & Correia, R. (1999). Adolescentes e álcool: estudo do comportamento de consumo de álcool na adolescência. Análise Psicológica, 17(3).

Vasters, G. P., & Pillon, S. C. (2011). Drugs use by adolescents and their perceptions about specialized treatment adherence and dropout. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 19(2), 317-324.

Vieira, P. C. (2008). Uso de álcool, tabaco e outras drogas por adolescentes escolares em município do sul do Brasil. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 24(11), 2487-2498.

Vieira, D. L., Ribeiro, M., Romano, M., & Laranjeira, R. R. (2007). Alcohol and adolescents: study to implement municipal policies. Revista Saúde Pública, 41(3), 396-403.

Wagner, A., Falcke, D., Silveira, L. M. B. O., & Mosmann, C. P. (2002). A comunicação em famílias com adolescentes. Psicologia em Estudo, 7(1), 75-80.

Wit, H. (2008). Impulsivity as a determinant and consequence of drug use: A review of underlying processes. Addiction Biology, 14(1), 22-31.

Werner, N. E., & Nixon, C. L. (2005). Normative beliefs and relational aggression: An investigation of the cognitive bases of adolescent aggressive behavior. Journal of Youth and Adolescence, 34(3), 229-243.

World Health Organization [homepage on the Internet]. Geneva: World Health Organization [cited 2009 Feb 10]. International Consultation on Tobacco and Youth – What in the World Works? Available from: http://www.who.int/tobacco/dy_speeches7/en/




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2014.1.12727



e-ISSN: 1980-8623

ISSN-L: 0103-5371

*********************************

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons

Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS