As Implicações da Psicoterapia Pessoal na Formação em Psicologia

Giselda Faes Kichler, Fernanda Barcellos Serralta

Resumo


Este estudo investigou as percepções de universitários sobre a psicoterapia pessoal e sua influência na formação em Psicologia. A investigação teve duas etapas: 1) levantamento quantitativo sobre a prática e importância da psicoterapia pessoal entre os estudantes (n = 59) de estágio profissional em Psicologia; 2) depoimentos sobre a psicoterapia pessoal e sua relação com a formação do psicólogo, com quatro alunos que realizavam psicoterapia pessoal. Os dados quantitativos foram analisados através de estatística descritiva e os qualitativos através de análise de conteúdo. Verificou-se
que 84,7% dos estudantes tinham feito ou estava fazendo psicoterapia pessoal, sendo que 98,3% consideraram a psicoterapia pessoal extrema ou muito importante para a formação do psicólogo. Os resultados indicam que a busca da psicoterapia pessoal está vinculada às práticas de estágio e complementa a formação acadêmica, ao promover autoconhecimento, auxiliar no desenvolvimento da escuta e a compreensão de processos intersubjetivos, e favorece a integração entre teoria e prática.


Palavras-chave


Psicoterapia pessoal. Formação em psicologia. Estágio em psicologia.

Texto completo:

PDF

Referências


Aguirre, A.M.B, Herzberg, E., Pinto, E.B., Becker, E., Carmo, H. M. e S., & Santiago, M. D. (2000). A formação da atitude clínica no estagiário de psicologia. Psicologia USP, 11(1), 49-62.

Amatuzzi, M. (2007). Experiência: um termo chave para a Psicologia. Memorandum, 13, 08-15. Recuperado em 2 de maio 2007, de http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/a13/amatuzzi05.pdf

Bettoi, W., & Simão, L. M. (2000) Profissionais para si ou para outros?: Algumas reflexões sobre a formação dos psicólogos. [Online] Psicologia Ciência e Profissão, 20(2), 20-31. Recuperado em 3 de abril 2000, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?pid=S1414-98932000000200005&script=sci_arttext

Bondia, J. L. (2002). Notas sobra a experiência e o saber da experiência. [Online] Revista Brasileira de Educação, 19, 20-28. Recuperado em 2 de maio 2002, de http://www.anped.org.br/rbe/rbedigital/RBDE19/RBDE19_04_JORGE_LARROSA_BONDIA.pdf

Boris, G. D. (2008). Versões de sentido: um instrumento fenomenológico-existencial para a supervisão de psicoterapeutas iniciantes. Psicologia Clínica, 20(1), 165-189.

Calligaris, C. (2008). Cartas a um jovem terapeuta: reflexões para psicoterapeutas, aspirantes e curiosos (3ª ed.). Rio de Janeiro: Elsevier.

Campos, C. J. (2004). Método de análise de conteúdo: ferramenta para análise de dados qualitativos no campo da saúde. Rev. Bras. Enferm., 57(5), 611-614.

Drawin, C. R. (2004). Entrevista concedida à Revista Psicologia, Ciência e Profissão – Diálogos, Conselho Federal de Psicologia, 1(1). Recuperado em 2 de maio 2004, de http://site.cfp.org.br/publicacao/psicologia-cincia-e-profisso-dilogos

Eizirik, C. L., & Lewkowicz, S.(2005). Contratransferência. In C. L. Eizirik, R. W. Aguiar, Schestatsky, S. S. e cols. Psicoterapia de orientação analítica. Fundamentos teóricos e clínicos

(2ª ed.) (pp. 300-309). Porto Alegre: Artmed.

Eizirik, C. L., Libermann, Z., & Costa, F. (2008) A relação terapêutica: transferência, contratransferência e aliança terapêutica. In A.V. Cordioli. (Org). Psicoterapias: abordagens atuais (3ª ed.) (pp. 74-84 ). Porto Alegre: Artes Médicas.

Faleiros, E. A. (2004). Aprendendo a ser psicoterapeuta. Psicologia Ciência e Profissão, 24(1), 14-27.

Ferreira Neto, J., & Pena, L. (2006). Ética, clínica e diretrizes: a formação do psicólogo em época de avaliação de cursos. Psicologia em Estudo, 11(2), 381-390.

Freitas, F. A. (2008). Diferentes perspectivas diante da conduta do estagiário em Psicologia no contexto clínico. Psicologia: Teoria e Prática, 10(2), 31-43.

Freitas, F. A., & Noronha, A. P. (2007). Habilidades do psicoterapeuta segundo supervisores: diferentes perspectivas. Psic., 8(2), 159-166. Recuperado em 3 de maio 2007, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1676-73142007000200006

Gil, A.C. (2010). Como elaborar projetos de pesquisa (5ª ed.). São Paulo: Atlas.

Gomes, W. B., Teixeira, M., Keller, M., Crescente, D.B., Fachel, J., Sehn, L., & Klarmann, P. (1996). Atitudes e crenças de estudantes universitários sobre psicoterapia e psicólogos. Psicologia Teoria e Pesquisa (Brasília, DF), 12(2), 121-127.

Magalhães, M., Straliotto, M., Keller, M., & Gomes, W.. (2001). Eu quero ajudar as pessoas: a escolha vocacional da Psicologia. Psicologia, Ciência e Profissão (Brasília, DF), 21(2), 10-27.

Meira, C. H. M. G., & Nunes, M. L. T. (2005) Psicologia clínica, psicoterapia e o estudante de Psicologia. Paideia, 15(32), 339-343.

Peres, R.S., Santos, M. A. dos, & Coelho, H. M. (2003). Atendimento psicológico a estudantes universitários: considerações acerca de uma experiência em clínica-escola. Estudos de Psicologia (Campinas), 20(3), 47-57.

Praça, K. B. D., & Novaes, H. G. V. (2004) A representação social do trabalho do psicólogo. Psicologia Ciência e Profissão (Brasília, DF), 24(2), 32-47.

Sandler, J., Dare, C., & Holder, A. (1986) O paciente e o analista: fundamentos do processo psicanalítico (2ª ed.). Rio de Janeiro: Imago.

Tavora, M. T. (2002). Um modelo de supervisão clínica na formação do estudante de Psicologia: a experiência da UFC. Psicologia em Estudo (Maringá), 7(1), 121-130.

Tyson, R., & Eizirik, C. L. (2005). Transferência. In C. L. Eizirik, R. W. Aguiar, Schestatsky, S. S. e cols. Psicoterapia de Orientação Analítica. Fundamentos teóricos e clínicos (2ª ed.) (pp. 287-299). Porto Alegre: Artmed.

Yamaguchi, L. S. (1996). A psicoterapia no tornar-se psicoterapeuta. Revista Psicologia Argumento, XIV(XVIII), 102-104.

Zaslavsky, J., Nunes, M. L. T., & Eizirik, C. L. (2003). A supervisão psicanalítica: revisão e uma proposta de sistematização. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, 25(2), 297-309.

Zaslavsky, J., & Santos, M. J. P. dos (2005). Contratransferência em psicoterapia e psiquiatria hoje. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, 27(3), 293-301.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2014.1.12531



e-ISSN: 1980-8623

ISSN-L: 0103-5371

*********************************

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons

Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS