A Inserção de Mulheres no Segmento de Vigilância Patrimonial Privada: Entre Conquistas e Manutenções

Maria Fernanda Diogo, Maria Chalfin Coutinho

Resumo


Essa pesquisa objetivou compreender os movimentos de inserção de mulheres na área de vigilância patrimonial privada na Região Metropolitana de Florianópolis. Empregando metodologia qualitativa, sua principal fonte de informação foram entrevistas realizadas com gestores/as de empresas prestadoras de serviços e mulheres que almejavam atuar no segmento. Observou-se que o imaginário social da vigilância ainda está atrelado à figura masculina e a inserção de mulheres dá-se de forma parcial, segmentada, coadjuvante e eivada de estereótipos de gênero e naturalizações. As mulheres que buscaram profissionalização na vigilância investiram numa mudança laboral e de vida, na maioria das vezes evadindo de trabalhos subalternos, mal remunerados, fisicamente desgastantes e socialmente relacionados ao feminino. Elas ansiavam romper padrões culturais estandardizados e conquistar status social auferido à identidade profissional da categoria. Apesar dos percalços, percebeu-se que mudanças tecnológicas e organizacionais efetivamente têm aberto espaço para a entrada de mulheres na vigilância privada

.

Palavras-chave


Trabalho; Gênero; Vigilância Patrimonial Privada.

Texto completo:

PDF




e-ISSN: 1980-8623 | ISSN-L: 0103-5371


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.