Indicadores de Depressão Materna e a Interação Mãe-Criança aos 18 Meses de Vida

Patrícia Alvarenga, Emanuel Missias Silva Palma

Resumo


A depressão materna tem sido considerada uma condição pouco favorável ao desenvolvimento infantil, especialmente quando apresenta caráter crônico. Este estudo comparou a interação mãe-criança aos 18 meses de vida, em díades com mães que apresentavam indicadores de depressão (grupo clínico) e díades com mães que não apresentavam indicadores de depressão (grupo não clínico) de acordo com duas avaliações, realizadas no primeiro e no décimo oitavo mês de vida da criança. Participaram 16 díades divididas nos dois grupos. Foram utilizados o Inventário Beck de Depressão (BDI) e uma sessão de observação da interação mãe-criança. Os resultados revelaram uma única diferença entre os grupos, indicando que as mães do grupo clínico foram mais intrusivas ao interagir com seus filhos do que as mães do grupo não clínico. Discutem-se as implicações da intrusividade materna para a interação mãe-criança e a importância da inclusão de amostras clínicas em futuras investigações.

Palavras-chave


Depressão materna; Interação mãe-criança; Intrusividade; Desenvolvimento infantil.

Texto completo:

PDF




e-ISSN: 1980-8623 | ISSN-L: 0103-5371


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.