Laço Social e Adolescência: O Pai e a Infração

Andréa Máris Campos Guerra, Oswaldo França Neto

Resumo


Em pesquisa financiada pela FAPEMIG e pela PROPPG/UFMG, analisamos excertos do discurso de jovens traficantes, colhidos em conversações psicanalíticas em Belo Horizonte-Brasil. Neles a figura do pai destaca-se pela posição de violência, descaso e abandono. Como efeito, os jovens respondem constituindo relação de suspeita e impostura face à lei. Subvertem a ordem vigente, acreditando no semblante oferecido pela criminalidade. Contrariamente ao estabelecido, porém, verificamos uma reinvenção do pai e um novo uso da normatização daí advinda, que fazem funcionar outro regime dos corpos, vetorializado pela morte. Os jovens passam a operar numa relação lógica entre quatro termos, que engendra novo sentido para leitura do fenômeno da violência e da criminalidade entre jovens. Ao desaparecimento do pai (político), responde a “Guerra”, assim como ao abandono do pai (edípico), responde a “guerrinha”. Termos diacríticos que traduzem, em lógica quaternária, nova forma de regulação cujo resultado são índices nacionais alarmantes de mortalidade juvenil.

Palavras-chave


Laço social; adolescência; criminalidade; violência; psicanálise.

Texto completo:

PDF




e-ISSN: 1980-8623 | ISSN-L: 0103-5371


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.