Escrituras Fílmicas Problematizadoras do Mundo Histórico: a "Questão Indígena" no Brasil

Marcos Aurélio Felipe

Resumo


O objetivo é analisar como, em Serras da Desordem (2006) e em Martírio (2016), registro e artifício constituem escrituras fílmicas que problematizam o mundo histórico e, ao mesmo tempo, a imagem. Partimos do pressuposto que a “questão indígena” ensejou operações sensoriais, histórico-culturais e de significação (Rancière, 2012) que transfiguraram as formas documentárias e ficcionais. Como os filmes constituem-se enquanto linguagem; na dialética com o real tematizado; e são constitutivos do mundo histórico? Intercalamos à análise fílmica (Vanoye; Goliot-Lété, 1994), a abordagem cultural (Vargas, 1987; Quijano, 2005; Mignolo, 2017) e conceitos como opressão, resistência e a invenção do “outro”. Entre a arte e a política, ao recusarmos uma análise puramente imanente (Barthes, 1990), constatamos que o ato fílmico, em simbiose, coabita o ato político, que as escrituras de Tonacci e Carelli oscilam entre a reprodução e a produção do real e criam contranarrativas que colocam em crise a imagem e a realidade. 

 


Palavras-chave


Documentário; Artifício e Registro; (Re)produção da Realidade

Texto completo:

PDF

Referências


ALVARENGA, Clarisse. História(s) do contato: Trilogia das Terras Altas (1983-1992) e Pirinop: meu primeiro contato (2007). Devires – cinema e humanidades, Belo Horizonte, v. 9, n. 2, p. 106-113, jul./dez. 2012. Fotograma comentado.

ALVARENGA, Clarisse. A câmera e a flecha em Corumbiara. Devires – cinema e humanidades, Belo Horizonte, v. 9, n. 1, p. 118-127, jan./jun. 2012. Fotograma comentado.

A IMAGEM que falta. Direção de Rithy Panh. Boulogne: Catherine Dussart Productions (CDP), 2013.

AUMONT, Jacques. Meu caríssimo objeto. Imagens, São Paulo: Editora da Unicamp, n. 5, p. 18-27, ago./dez. 1995. Cinema 100 anos.

______. O olho interminável: cinema e pintura. São Paulo: Cosac Naify, 2004.

______. O cinema e a encenação. Lisboa: Edições Texto e Grafia, 2008.

ARAÚJO, Inácio. ‘Martírio’ tenta salvar índios com honestidade, mas esquece da arte. Folha, 13 abr. 2017. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2017/04/1875042-martirio-tenta-salvar-indios-com-honestidademas-esquece-da-arte.shtml. Acesso em: 5 nov. 2017.

BADIOU, Alain. O cinema como experimentação filosófica. In: YOEL, Gerardo (Org.). Pensar o cinema: imagem, ética e filosofia. São Paulo: Cosac Naify, 2015. p. 31-82.

BALLESTRIN, Luciana. América Latina e o giro decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n. 11, p. 89-117, maio/ago. 2013.

BARTHES, Roland. O óbvio e o obtuso: ensaios sobre fotografia, cinema, pintura, teatro e música. Tradução de Léa Novaes. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1990.

BOI Neon. Direção de: Gabriel Mascaro. Recife: Desvia Filmes, 2015.

BRASIL, André. Formas do antecampo: performatividade no documentário brasileiro contemporâneo. Famecos: mídia, cultura e tecnologia, Porto Alegre, v. 20, n. 3, p. 578-602, set./dez. 2013.

BRASIL, André. Retomada: teses sobre conceitos de história. In: VALE, Glaura Cardoso; TORRES, Júnia; ITALIANO, Carla. (Org.). Catálogo fórumdoc.bh 20 anos: festival do filme documentário e etnográfico / fórum de antropologia e cinema. Belo Horizonte: Filmes de Quintal Editora, 2016. p. 145-162.

CÃO Branco. Direção de Samuel Fuller. Los Angeles: Paramount Pictures, 1982.

CARROLL, Noel. Ficção, não-ficção e o cinema da asserção pressuposta: uma análise conceitual. In: RAMOS, Fernão Pessoa (Org.). Teoria contemporânea do cinema: documentário e narratividade ficcional. São Paulo: Senac São Paulo, 2005. p. 69-104.

CASTRO-GOMÉZ, Santiago. Ciências sociais, violência epistêmica e o problema da “invenção do outro”. In: LANDER, Eduardo (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais - perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: Clacso, 2005. p. 80-87.

CAIXETA DE QUEIROZ, Ruben. Martírio: o genocídio lento e angustiante de um povo indígena nas lentes de Vincent Carelli. In: VALE, Glaura Cardoso; TORRES, Júnia; ITALIANO, Carla. (Org.). Catálogo fórumdoc.bh 20 anos: festival do filme documentário e etnográfico / fórum de antropologia e cinema. Belo Horizonte: Filmes de Quinta Editora, 2016. p. 123-140.

CESAR, Amaranta. Sobreviver com as imagens: o documentário, a vida e os modos de vida em risco. Devires – cinema e humanidades, Belo Horizonte, v. 10, n. 2, p. 12-23, jul./dez. 2013.

COMOLLI, Jean-Louis. O espelho de duas faces. In: YOEL, Gerardo (Org.). Pensar o cinema. Imagem, ética e filosofia. São Paulo: Cosac Naify, 2015. p. 165-203.

COMOLLI, Jean-Louis. Ver e poder. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO – CIMI. Nota sobre o suposto suicídio coletivo dos Kaiowá de Pyelito Kue. 2012. Disponível em: http://cimi.org.br/site/pt-br/?system=news&conteudo_id=6578&action=read. Acesso em: 5 nov. 2017.

CONVERSAS no Maranhão. Direção de Andrea Tonacci. Brasil: [s. n.], 1983.

CORUMBIARA. Direção de Vincent Carelli. Brasil: [s. n.], 2009.

COUTO, José Geraldo. Serras da Desordem. In: SILVA, Paulo Henrique (Org.). Documentário Brasileiro: 100 filmes essenciais. Belo Horizonte: Editora Letramento, 2017. p. 32-33.

DOC.BR. Disponível em: http://documentariobrasileiro.org. Acesso em: 5 nov. 2017.

DRAGÕES da violência. Direção de Samuel Fuller. Los Angeles: Twentieth Century Fox, 1957.

FREYRE, Gilberto. Casa grande e senzala. São Paulo: Global, 2006.

FUJIWARA, Chris. Crítica e estudos de cinema: uma resposta a David Bordwell. Traduzido por Calac Nogueira. Contracampo: revista de cinema, abr. 2013. Disponível em: http://www.contracampo.com.br/100/artcriticafujiwara.htm. Acesso em: 15 set. 2017.

GORENDER, Jacob. Combate nas trevas: a esquerda brasileira – das ilusões perdidas à luta armada. São Paulo: Editora Ática, 1987.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

INTERNET MOVIE DATA BASE. Disponível em: http://www.imdb.com. Acesso em: 5 nov. 2017.

JÁ VISTO Jamais Visto. Direção de Andrea Tonacci. Brasil: [s. n.], 2014.

LEUTRAT, Jean-Louis. Cinema & história: uma relação de diversos andares. Imagens, São Paulo: Editora da Unicamp, n. 5, p. 28-33, ago./dez. 1995. Cinema 100 anos.

MARTIN, Adrian. Último dia todos os dias: e outros escritos sobre cinema e filosofia. Brooklyn, NY: Punctum books, 2015.

MARTÍRIO. Direção de Vincent Carelli. Brasil: [s. n.], 2016.

MIGNOLO, Walter D. Colonialidade: o lado mais escuro da modernidade. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 32, n. 94, p. 1-18, jun. 2017.

MINISTÉRIO DA CULTURA. Fundação Biblioteca Nacional. Departamento do Livro. A carta de Pero Vaz de Caminha. Disponível em: http://objdigital.bn.br/Acervo_Digital/livros_eletronicos/carta.pdf. Acesso em: 5 nov. 2017.

MIGLIEVICH-RIBEIRO, Adélia. Por uma razão decolonial. Civitas, Porto Alegre/RS, v. 14, n. 1, p. 66-80, jan./abr. 2014.

MORAES, Fabiana. A Luta do Cinema Indígena... Zum: revista de fotografia, n. 12, p. 76-95, 2017.

NANOOK, o esquimó. Direção de Robert Flaherty. Paris: Les Frères Revillon, 1922.

NICHOLS, Bill. Introdução ao documentário. Campinas, SP: Papirus, 2005.

O BOTÃO de pérola. Direção de Patricio Guzmán. França, Espanha, Chile, Suíça: Atacama Productions, Valdivia Filmes, Mediapro, France 3, 2015.

O DEMÔNIO das Onzes Horas. Direção de Jean-Luc Godard. Paris: Films Georges de Beauregard, 1965.

OLIVEIRA JR., Luiz. A mise en scène no cinema: do clássico ao cinema de fluxo. Campinas, SP: Papirus, 2013.

PAIXÕES que alucinam. Direção de Samuel Fuller. Nova York: Allied Artists Pictures, 1963.

POVOS INDÍGENAS NO BRASIL. Disponível em: https://pib.socioambiental.org/pt/povo/guarani-kaiowa. Acesso em: 5 nov. 2017.

PRIMÁRIAS. Direção de Robert Drew. Sharon, CT: Drew Associates, 1960.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Eduardo (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais –perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005. p. 107-130.

RAMOS, Fernão Pessoa. A cicatriz da tomada: documentário, ética e imagem intensa. In: RAMOS, Fernão Pessoa (Org.). Teoria contemporânea do cinema: documentário e narratividade ficcional. São Paulo: Senac São Paulo, 2005. p. 159-226.

RAMOS, Fernão Pessoa. Apresentação à edição brasileira. In: JULLIER, Laurent; MARIE, Michel. Lendo as imagens do cinema. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2009. p. 9-13.

RANCIÈRE, Jacques. O destino das imagens. Tradução: Mônica Costa Netto. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

RENEGANDO o meu sangue. Direção de Samuel Fuller. Ruislip: Globe Enterprises, 1957.

RIBEIRO, Darcy. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

SERRAS da Desordem. Direção de: Andrea Tonacci. Brasil: [s. n.], 2006.

SIMEON, Sandrine. Efeitos de presença: estratégias do filme-teatro? Revista Brasileira de Estudos da Presença, Porto Alegre, RS, v. 7, n. 3, p. 573-600, set./dez. 2017.

SPOTO, Donald. Fascinado pela beleza: Alfred Hitchcock e suas atrizes. São Paulo: Larousse, 2009.

STAM, Robert. Multiculturalismo tropical. São Paulo/SP: Edusp, 2008.

TERRAS dos Índios. Direção de Zelito Viana. Brasil: [s. n.], 1979.

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE – UFF. Univetê: [canal no youtube]. Encontro Necine: Serras da Desordem. 2014. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=FJtlJZXqP2w. Acesso em: 5 nov. 2017.

VANOYE, Francis; GOLIOT-LÉTÉ, Anne. Ensaio sobre análise fílmica. Campinas, SP: Papirus, 1994.

VARGAS, Nazira Abib Oliveira. História que o povo conta. Recife: Editora Massangana, 1987a.

VARGAS, Nazira Abib Oliveira. Beiradeiros do Baixo-Açu. Rio de Janeiro: Funarte, 1987b.

VEIGA, Roberta. Já visto jamais visto: um filme de filmes ou o devir memória. Crítica Cultural – Critic, Palhoça, SC, v. 10, n. 1, p. 87-96, jan./jun. 2015.

CASTRO, Eduardo Viveiros De; BRANCO, Miguel Rio. Os trabalhos e os dias. Zum: revista de fotografia, n. 9, p. 108-123, 2015.

XAVIER, Ismail. Parábolas cristãs no século da imagem. Imagens, São Paulo: Editora da Unicamp, n. 5, p. 8-17, ago./dez. 1995. Cinema 100 anos.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-3729.2018.2.29351

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Métricas por PLOS ALM. Dados disponíveis somente após 12/2014.






 


 This journal is a member of, and subscribes to the principles of, the Committee on Publication Ethics (COPE) http://www.publicationethics.org

 


Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.


ISSN-L: 1415-0549 | e-ISSN: 1980-3729 | Copyright: © 2017 EDIPUCRS

Avaliação do Qualis CAPES | ÁREA CAPES - Comunicação e Informação | CLASSIFICAÇÃO - A2

REVISTA FAMECOS: publicação do Programa de Pós-Graduação da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PPGCOM/PUCRS
Av. Ipiranga, 6681, Prédio 7 | Bairro Partenon - CEP: 90619-900 | Porto Alegre, RS, Brasil
tel/fax: 55 51 3320.3658
e-mail: revistadafamecos@pucrs.br

Copyright: © 2006-2018 EDIPUCRS