Com os pés um pouco fora do chão: uma leitura de Andarilho, de Cao Guimarães

Rafael de Almeida

Resumo


Andarilho (Cao Guimarães, 2007) configura-se como objeto de análise desse ensaio, no qual ponderamos, em especial, acerca da relação documentária e o tempo necessário para que esta seja construída. A temporalidade dilatada revela existências ordinárias que se ficcionalizam e nos impulsionam a reconhecer as potências do falso como passagem obrigatória no mundo em que vivemos.


Palavras-chave


Documentário; Cao Guimarães; Andarilho

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. The face. In: Means without end: notes on politics. Minneapolis: Universityof Minnesota Press, 2000. p. 91-100.

AUMONT, Jacques. O olho interminável: cinema e pintura. São Paulo: Cosac & Naify, 2004.

BARROS, Manoel de. Livro de pré-coisas: roteiro para uma excursão poética no Pantanal. Rio de Janeiro: Record, 1997.

______. Livro sobre nada. Rio de Janeiro: Record, 2004.

BRASIL, André. Quando as palavras cantam, as imagens deliram. Revista Cinética: cinema e crítica, Rio de

Janeiro, jan. 2008. Disponível em: http://www.revistacinetica.com.br/aboioandarilho.htm. Acesso em: 16

mar. 2009.

COMOLLI, Jean-Louis. Os homens ordinários, a ficção documentária. In: SEDLMAYER, Sabrina; GUIMARÃES, César; OTTE, Georg (Org.). O comum e a experiência da linguagem. Belo Horizonte: UFMG, 2007.

______. Ver e poder: a inocência perdida – cinema, televisão, ficção, documentário. Belo Horizonte: UFMG, 2008.

DELEUZE, Gilles. A imagem-tempo. São Paulo: Brasiliense, 2007a.

______. Michel Tournier e o mundo sem outrem. In: Lógica do sentido. São Paulo: Perspectiva, 2007b.

______; GUATTARI, Félix. Ano zero: rostidade. In: Mil platôs – capitalismo e esquizofrenia. v. 3. Rio de Janeiro: 34, 1996.

GUIMARÃES, Cao. 27ª Bienal de São Paulo: Como viver junto. São Paulo, out. 2006. Disponível em: http://

www.caoguimaraes.com/page2/artigos/ent_04.pdf. Acesso em: 16 mar. 2009. Entrevista concedida à Bienal de São Paulo.

______. Documentário e subjetividade: uma rua de mão dupla. In: Sobre fazer documentários. São Paulo, Itaú Cultural, 2007.

______. O documentário e a trilogia da solidão. Terra Magazine, set. 2008. Disponível em: http://repique.blog.terra.com.br/2008/09/16/o-documentario-e-a-trilogia-da-solidao/. Acesso em: 30 nov. 2010. Entrevista concedida à Ana d‘Angelo.

GUIMARÃES, César. A singularidade como figura lógica e estética no documentário. Alceu (PUC-RJ), Rio de Janeiro, v. 7, n. 13, p. 38-48, 2006.

______. Comum, ordinário, popular: figuras da alteridade no documentário brasileiro contemporâneo. In: MIGLIORIN, Cezar (Org.). Ensaios no real. Rio de Janeiro: Beco do Azougue, 2010.

______. O devir todo mundo do documentário. In: SEDLMAYER, Sabrina; GUIMARÃES, César; OTTE, Georg (Org.). O comum e a experiência da linguagem. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2007.

MIGLIORIN, Cezar. Mundo desgarrado. Revista Cinética: cinema e crítica, Rio de Janeiro, jul. 2007. Disponível em: http://www.revistacinetica.com.br/andarilhocezar.htm. Acesso em: 16 mar. 2009.

PASOLINI, Píer Paolo. O cinema de poesia. In: Empirismo herege. Lisboa: Assírio & Alvim, 1982.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível: estética e política. São Paulo: 34, 2005.

TEIXEIRA, Francisco Elinaldo. Eu é outro: documentário e narrativa indireta livre. In: Documentário no Brasil: tradição e transformação. São Paulo: Summus, 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-3729.2014.3.19278

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Métricas por PLOS ALM. Dados disponíveis somente após 12/2014.


ISSN-L: 1415-0549 | e-ISSN: 1980-3729


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.