Hibridismo tecnológico no cotidiano da sala de aula: analisando potencialidades e limites das tecnologias

Fabrícia Py Tortelli Noronha, Luciana Backes, Cledes Antonio Casagrande

Resumo


O presente artigo explora o conceito de hibridismo tecnológico no cotidiano da sala de aula mediante potencialidades e limites das tecnologias analógicas (caneta e papel) e digitais (VisuAlg, Scratch e Kit Lego), no âmbito da dissertação intitulada A construção do conhecimento de algoritmos no contexto do hibridismo tecnológico: análise da prática pedagógica aplicada no IFRS, realizada no programa de Pós-Graduação em Educação, na linha de pesquisa “Culturas, Linguagens e Tecnologias na Educação”. O estudo caracterizou-se como sendo do tipo estudo de caso e tem como fundamentação teórica os pressupostos da epistemologia genética de Jean Piaget. Os dados coletados foram submetidos à Técnica de Análise de Conteúdo de Bardin (2006). Para a coleta dos dados empíricos, foram apresentadas tecnologias analógicas e digitais, as quais serviram de base tecnológica para o desenvolvimento dos processos de ensino e de aprendizagem de algoritmos na disciplina de “Lógica de Programação”. O contexto do hibridismo tecnológico potencializou a construção do conhecimento de algoritmos, sobretudo pela pluralidade de representação do conhecimento, contemplando variadas estratégias e linguagens para a aprendizagem, oportunizando o protagonismo no sujeito e atribuindo significado ao conhecimento.


Palavras-chave


Hibridismo tecnológico; Construção do conhecimento; Algoritmos; Tecnologias.

Texto completo:

PDF

Referências


BACKES, Luciana; RATTO, Cleber G. The tribes in the context of the digital technological hybridism: the constitution of the virtual digital acquaintanceship. ETD: Educação Temática Digital, v. 18, p. 564-579, 2016.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2006.

CANCLINI, Néstor García. Culturas híbridas: estrategias para entrar y salir de la modernidad. Buenos Aires: Sudamericana, 1992.

CASTELLS, Manuel. A era da informação: economia, sociedade e cultura. 10. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2007.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

KERN, Daniela. O conceito de hibridismo ontem e hoje: ruptura e contato. MÉTIS: história & cultura, v. 3, n. 6, p. 53-70, jul./dez. 2004. Disponível em:

http://www.ucs.br/etc/revistas/index.php/metis/article/view/1158/797. Acesso em: 19 jul. 2018.

LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. Tradução Carlos Irineu da Costa. Rio de Janeiro. Ed. 34, 1994.

LEGO, Mindstorms Education. Manual do NXT 2.0. 2008. [PDF].

MARJI, Majed. Aprenda a programar com Scratch. São Paulo: Novatec, 2014.

NORONHA, Fabrícia P T. A construção do conhecimento de algoritmos no contexto do hibridismo tecnológico: análise da prática pedagógica aplicada no IFRS. Dissertação (Mestrado em Educação) – Centro Universitário La Salle, Canoas, 2016.

PIAGET, Jean. Estudos sociológicos. Rio de Janeiro: Forense, 1973.

PIAGET, Jean. A equilibração das estruturas cognitivas: problema central do desenvolvimento. Rio de Janeiro: Zahar, 1976.

PIAGET, Jean. A tomada de consciência. São Paulo: Melhoramentos, 1977.

PIAGET, Jean. Epistemologia genética. Tradução Álvaro Cabral. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

PIAGET, Jean. Seis estudos de Piaget. Tradução Maria Alice Magalhães D’Amorim e Paulo Sérgio Lima Silva. 25. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2011.

SANTAELLA, Lucia. A ecologia pluralista das mídias locativas. Revista Famecos, Porto Alegre, n. 37, 2008. Disponível em:

http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistafamecos/article/view/4795. Acesso em: 22 jul. 2018.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 4. ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2006. Disponível em:

http://bibliodigital.unijui.edu.br:8080/xmlui/bitstream/handle/123456789/1799/A%20natureza%20do%20Espa%C3%A7o.pdf?seq%3E.%20Acesso%20em:%2020%20fev.%202017. Acesso em: 20 jul. 2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/2179-8435.2018.2.31507

>

e-ISSN: 2179-8435

*********************************

Avaliação do Qualis CAPES - 2016

ÁREA CAPES - Educação

CLASSIFICAÇÃO - B2

ÁREA CAPES – Ensino

CLASSIFICAÇÃO – B1


Indexado em:
 

REDIB 

 *********************************

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons

Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS