Formação docente e protagonismo estudantil de acadêmicos de Medicina: desafios e perspectivas

Adan Renê Pereira da Silva, Anne Karina Pereira de Andrade, Nilza Oliveira dos Santos

Resumo


A docência no campo médico tem se constituído em desafio para a formação e exigido a reflexão em torno de perspectivas. O objetivo é discutir alguns desses desafios apontados pela literatura, privilegiando o protagonismo estudantil. Para isso, empreendeu-se pesquisa de revisão bibliográfica, focando autores que tratam da temática. Os resultados mostraram que a formação inicial e continuada de professores na área é urgente, principalmente quando se considera a ausência dela, a falta de percepção do aluno como sujeito da aprendizagem e silenciamentos de questões que potencializam a evasão escolar discente, como excesso de cobrança e pouco protagonismo estudantil. Concluiu-se que, por ser o campo da formação de professores incipiente, necessita ser revisitado: o professormédico precisa se perceber mais professor, o que o levará a pensar o campo pedagógico, e menos médico, para relativizar paradigmas de sua própria formação e enxergar o aluno em uma perspectiva biopsicossocial, mais como sujeito e menos como paciente.


Palavras-chave


Formação docente; Protagonismo estudantil; Formação médica.

Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL, G. F. et al. Sintomas depressivos em acadêmicos de medicina da Universidade Federal de Goiás: um estudo de prevalência. Rev. psiquiatr. Rio Gd. Sul, Porto Alegre, v. 30, n. 2, p. 124-130, ago. 2008. Disponível em:

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-81082008000300008&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 12 jul. 2018.

ARRUDA, P. V. Conceito de medicina psicossomática. In: Gastroenterologia Clínica. São Paulo: Manode, 1990, p. 11-38.

BATISTA, N.A., VILELA, R.Q.B., BATISTA, S.H.S.S. Educação Médica no Brasil. São Paulo: Cortez, 2015. 398p.

BELLODI, P.L. Tutoria: mentoring na formação médica. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2005.

BRANDTNER, M.; BARDAGI, M.. Sintomatologia de depressão e ansiedade em estudantes de uma universidade privada do Rio Grande do Sul. Gerais, Rev. Interinst. Psicol. [online], v. 2, n. 2, p. 81-91, 2010. ISSN 1983-8220.

CHEHUEN NETO et al. Estudantes de Medicina sabem cuidar da própria saúde? HU Revista, v. 39, n. 1-2, p. 45-53, jan-jun, 2013. Disponível em:

https://hurevista.ufjf.emnuvens.com.br/hurevista/article/view/1931. Acesso em: 01 jul. 2018.

COSTA, N. M. da S. C.; CARDOSO, C. G. L. V.; COSTA, D. C.. Concepções sobre o bom professor de Medicina. Revista Brasileira de Educação Médica, Rio de Janeiro, 36(4):499-505; 2012. Disponível em:

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-55022012000600008&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 01 jul. 2018.

FREIRE, P. À sombra desta mangueira. São Paulo: Olho D’àgua, 1995.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia:saberes necessários à prática educativa. 33ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

MEDEIROS, J. G. M.; ALMEIDA, J. C.; RIBEIRO, P. C. A relação estudante-paciente. In: BRASIL, M. A. A. et al. (Ed.). Psicologia médica: a dimensão psicossocial da prática médica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2012. p. 72-78.

MELEIRO, A. M. A. A. S. O médico como paciente. São Paulo: Lemos-editorial, 2005.

MELEIRO, A. M. A. A. S. Suicídio entre médicos e estudantes de medicina. Rev. Assoc. Med. Bras., São Paulo, v. 44, n. 2, p. 135-140, jun. 1998. Disponível em:

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-42301998000200012&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 12 jul. 2018.

MILLAN, L. R., DE MARCO, O. L. N. A procura espontânea de assistência psicológica pelo estudante de medicina. Rev ABP-APAL, v. 17,n. 1, p. 11-6, 1995.

MILLAN, L.R. et al. O universo psicológico do futuro médico: vocação, vicissitudes e perspectivas. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1999.

PERIM, G. L. et al. Desenvolvimento docente e a formação de médicos. Rev. bras. educ. med. [online], v. 33, suppl. 1, p. 70-82, 2009. ISSN 0100-5502. Disponível em:

http://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022009000500008>. Acesso em: 02 jul. 2018.

RAMOS-CERQUEIRA, A. T. A.. A prática pedagógica como processo de comunicação – a relação professor-aluno como eixo: o ponto de vista psicológico. Interface (Botucatu) [online], v. 1, n. 1, p. 187-192, 1997. ISSN 1807-5762. Disponível em:

http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32831997000200015. Acesso em: 12 jul. 2018.

RIOS, I. C.; SCHRAIBER, L. B. A relação professor-aluno em medicina – um estudo sobre o encontro pedagógico. Rev. bras. educ. med. [online], v. 36, n. 3, p.308-316, 2012. ISSN 0100-5502. Disponível em:

http://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022012000500004. Acesso em: 12 jul. 2018.

VERAS, R. S.; FERREIRA, S. P. A. A afetividade na relação professor-aluno e suas implicações na aprendizagem, em contexto niversitário. Educ. rev. [online], n. 38, p. 219-235. 2010. ISSN 0104-4060. Disponível em:

http://dx.doi.org/10.1590/S0104-40602010000300015. Acesso em: 12 jul. 2018.

VOSGERAU, D. S. R.; ROMANOWSKI, J. P. Estudos de revisão: implicações conceituais e metodológicas. Rev. Diálogo Educ., Curitiba, v. 14, n. 41, p. 165-189, jan./abr. 2014. Disponível em:

https://periodicos.pucpr.br/index.php/dialogoeducacional/article/

view/2317/2233. Acesso em: 4 fev. 2018.

XAVIER, L. N. A construção social e histórica da profissão docente: uma síntese necessária. Revista Brasileira de Educação, v. 19, n. 59, p. 827-849, out.-dez. 2014. Disponível em:

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-24782014000900002&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 10 jul. 2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/2179-8435.2018.2.31449

>

e-ISSN: 2179-8435

*********************************

Avaliação do Qualis CAPES - 2016

ÁREA CAPES - Educação

CLASSIFICAÇÃO - B2

ÁREA CAPES – Ensino

CLASSIFICAÇÃO – B1


Indexado em:
 

REDIB 

 *********************************

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons

Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS