Afinal, para que servem a história e a filosofia da biologia?

Pâmela Ziliotto Sant'Anna Flach, José Claudio del Pino

Resumo


O presente trabalho pretende discutir a seguinte questão: afinal, para que serve a história e a filosofia da biologia, levando em conta a aprendizagem e o ensino da ciência biológica na escola básica. Para isso, apresentamos uma revisão teórica acerca dos elementos da história da ciência, como o reducionismo, que influenciaram a constituição da biologia enquanto ciência e também elementos históricos da construção da teoria da evolução biológica. Tal discussão justifica-se tendo em vista que a biologia, campo florescente de investigação, de pesquisas e descobertas, não raro, é ensinada e aprendida na escola como uma ciência a-histórica, estática e descontextualizada. Argumentamos que a teoria da evolução, ao estabelecer uma relação entre os diversos campos da biologia, representa a possibilidade de promover o ensino menos fragmentado dessa ciência juntamente com uma visão integrada dos processos que constituem a vida. A história e a filosofia contribuem para que se reconheça a biologia como uma ciência autônoma, com métodos e princípios diferentes das outras ciências naturais e para que os alunos consolidem uma compreensão sistêmica dos fenômenos biológicos, possibilitando que o conhecimento construído seja mobilizado de maneira significativa na proposição de soluções, ideias, explicações para os fenômenos do cotidiano.


Palavras-chave


história da ciência e da biologia, filosofia da ciência e da biologia, ensino.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRANTES, Paulo Cesar Coelho. Introdução: o que é filosofia da biologia? In: ABRANTES, Paulo Cesar Coelho (Org). Filosofia da Biologia. Porto Alegre: Artmed, 2011. p. 11-36.

BENSON, Garth. Teachers' and students' understandings of biology. Doctoral thesis. 1984. Theses (Doctor of Philosophy) – Faculty of Graduate Studies and Research, University of Alberta, Alberta, 1984. Disponível em: http://files.eric.ed.gov/fulltext/ED280683. pdf. Acesso em: 18 de junho de 2015.

BIZZO, Nélio Marco Vincenzo. Ensino de Evolução e História do darwinismo. 1991. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1991.

BIZZO, Nelio Marco Vincenzo. História da ciência e ensino: onde terminam os parelelos possíveis? Em Aberto, v. 11, n. 2, p. 29-35, 1992.

BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: Ciências Naturais/Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.

CAPRA, Fritjof; LUISI, Pier Luigi. A visão sistêmica da vida: uma concepção unificada e suas implicações filosóficas, políticas, sociais e econômicas. São Paulo: Cultrix, 2014.

CARNEIRO, Maria Helena da Silva Carneiro; GASTAL, Maria Luiza Gastal. História e filosofia das ciências no ensino de biologia. Ciência & Educação, v. 11, n. 1, p. 33-39, 2005.

CHIARAVIGLIO, Lucio. Reductionistic inferences in modern biology. 1969. Disponível em: http://search.proquest.com/docview/64354153?accountid=26641. Acesso em: 18 de junho de 2015.

CHALMERS, Alan. O que é ciência afinal? São Paulo: Brasiliense, 1993.

CHAMANY, Katayoun; ALLEN, Deborah; TANNER, Kimberly. Making Biology Learning Relevant to Students: Integrating People, History, and Context into College Biology Teaching. CBE - Life Sciences Education, v. 7, n. 3, p. 267-278, 2008.

CORRÊA, André Luis; ARAÚJO, Elaine Nicolini Nabuco; MEGLHIORATTI, Fernanda Aparecida; CALDEIRA, Ana Maria de Andrade Caldeira. História e Filosofia da Biologia como ferramenta no Ensino de Evolução na formação inicial de professores de Biologia. Filosofia e História da Biologia, v. 5, n. 2, p. 217-237, 2010.

DAGGETT, Melissa. A role for history and philosophy of biology in exploring new questions in biology. Bioscene: Journal of College Biology Teaching, v. 38, n. 2, p. 43-47, 2012.

DEMO, Pedro. 2011. Praticar ciência: metodologia do conhecimento científico. São Paulo: Saraiva, 2011.

DOBZHANSKY, Theodosius. Nothing in Biology makes sense except in the light of evolution. American Biology Teacher, v. 35, n. 3, p. 125-129, 1973.

EL-HANI, Charbel Niño. Níveis da ciência, níveis da realidade: evitando o dilema holismo/reducionismo no ensino de ciências e biologia. 2000. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de São Paulo, 2000.

EMMECHE, Claus; EL-HANI, Charbel Niño. Definindo vida. In: EL-HANI, Charbel Niño; VIDEIRA, Antonio Augusto Passos (Org.). O que é vida? Para entender a Biologia do século XXI. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2000. p. 31-56.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GALLENI, Lodovico. Biodiversity, biotechnologies and the philosophy of biology. Rivista di Biologia, v. 97, n. 2, p. 205-222, 2004.

GIL PÉREZ, Daniel. Contribución de la historia y de la filosofía de las ciencias al desarrollo de un modelo de enseñanza/aprendizaje como investigación. Enseñanza de las Ciencias, v. 11, n. 2, p. 197-212, 1992.

GRAZIANO, Mario. Philosophy of biology. Is there still a need for philosophy? Theoretical Biology Forum, v. 106, n. 1-2, p. 147-156, 2013.

GRIFFITHS, Paul. David Hull’s Natural Philosophy of Science. Biology and Philosophy, v. 15, p. 301–310, 2000.

JIMÉNEZ-ALEIXANDRE, María Pilar. Determinism and underdetermination in genetics: implications for students' engagement in argumentation and epistemic practices. Science & Education, v. 23, n. 2, p. 465-484, 2014.

LOGUERCIO, Rochele de Quadros; DEL PINO, José Cláudio. Contribuições da História e da Filosofia da Ciência para a construção do conhecimento científico em contextos de formação profissional da química. Acta Scientiae, v. 8, n. 1, p. 67-77, 2006.

MARTINEZ, Sergio, Fernando. Reducionismo em biologia: uma tomografia da relação biologia-sociedade. In: ABRANTES, Paulo Cesar Coelho (Org.). Filosofia da Biologia. Porto Alegre: Artmed, 2011. p. 37-52.

MARTINS, Lilian Al-Chueyr Pereira. A história da ciência e o ensino da biologia. Ciência e Ensino, v. 5, p. 18-21, 1998.

MATTHEWS, Michael. História, Filosofia e Ensino de Ciências: a tendência atual de reaproximação. Caderno Catarinense do Ensino de Física, v. 12, n. 3, p. 164-214, 1995.

MAYR, Ernst. Desenvolvimento do pensamento biológico: diversidade, evolução e herança. Brasília, DF: Editora Universidade de Brasília, 1998.

MAYR, Ernst. Biologia, ciência única: reflexões sobre a autonomia de uma disciplina científica. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

MAYR, Ernst. Isto é biologia: a ciência do mundo vivo. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

MEGLHIORATTI, Fernanda Aparecida. História da construção do conceito de evolução biológica: possibilidades de uma percepção dinâmica da ciência pelos professores de Biologia. 2004. Dissertação (Mestrado em Educação para a Ciência) – Faculdade de Ciências, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Bauru, 2004.

MARTINS, Lilian Al-Chueyr Pereira. A história da ciência e o ensino de biologia. Ciência & Ensino, v. 5, p. 18-21, 1998.

MEYER, Diogo; EL-HANI, Charbel Niño. Evolução. In: EL-HANI, Charbel Niño; VIDEIRA, Antonio Augusto Passos. O que é vida? Para entender a Biologia do século XXI. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2000. p. 153-185.

MEYER, Diogo; EL-HANI, Charbel Niño. Evolução: o sentido da biologia. São Paulo: Editora Unesp, 2005.

MORIN, Edgar. A cabeça-bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

MORIN, Edgar. Da necessidade de um pensamento complexo. In: MARTINS, Francisco Menezes; SILVA, Juremir Machado. Para navegar no século 21: tecnologias do imaginário e cibercultura. Porto Alegre: Sulina/Edipucrs, 2003. p. 13-36.

MORIN, Edgar. Introdução ao pensamento complexo. Porto Alegre: Sulina, 2011.

PRESTES, Maria Elice Brzezinski; CALDEIRA, Ana Maria de Andrade. Introdução. A importância da história da ciência na educação científica. Filosofia e História da Biologia, v. 4, p. 1-16, 2009.

ORZACK, Steven Hecht. The philosophy of modelling or does the philosophy of biology have any use? Philosophical Transactions of the Royal Society Biological Sciences, v. 367, n. 1586, p. 170-180, 2012.

SANTOS, Boaventura Sousa. Um discurso sobre as Ciências. Porto: Edições Afrontamento, 2010.

SMOCOVITIS, Vassiliki Betty. Unifying Biology: The Evolutionary Synthesis and Evolutionary Biology. Journal of the History of Biology, v. 25, n. 1, p. 1-65, 1992.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/2179-8435.2016.2.23151

>

e-ISSN: 2179-8435

*********************************

Avaliação do Qualis CAPES - 2016

ÁREA CAPES - Educação

CLASSIFICAÇÃO - B2

ÁREA CAPES – Ensino

CLASSIFICAÇÃO – B1


Indexado em:
 

REDIB 

 *********************************

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons

Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS