Functionality and risk of falls of elderly participants of a companionship group of Flores da Cunha, RS

Gabriela Oliboni Fiorio, Gisele Oltramari Meneghini

Abstract


Introduction: The natural aging process generates several physical, psychological and social consequences, which can affect the functionality and increase the incidence of falls. These have several impacts on the life of an elderly person, such as functional deterioration, hospitalization and institutionalization.
Objective: To evaluate the functionality and risk of falls of elderly participants in a companionship group. Methods: This was a cross-sectional study, in which the participants were elderly belonging to a companionship group from Flores da Cunha, RS. Data collection was done through the application of four evaluation instruments, including an initial evaluation card, Lawton Scale, Previous Functional Reach Test (TA F) and Timed Up and Go Test (TUG).
Results: Even though the elderly were active, most interviewees said they did not perform physical activity. 86.8% of the studied sample was independent to perform instrumental activities of daily living, according to the Lawton Scale score. On the Functional Reach Test (TA F) and Timed Up and Go Test (TUG), 99.1% of the study participants moved within the normal limit of previous stability and presented a low risk for falls.
Conclusion: When correlated with each other, the Lawton Scale, TA F, TUG and age, it is shown that the advancement of age, functional capacity, balance, mobility and risk of falls are directly associated with others. Therefore, it is concluded that the majority of the elderly participants of companionship group present good performance in the functional tests.


Keywords


elderly; disability and health; accidents by falls.

References


Camarano AA. (Org.). Muito além dos 60: os novos idosos brasileiros. Rio de Janeiro: Ipea; 2004.

Organização Pan-Americana de Saúde. Envelhecimento ativo: uma política de saúde. Brasília (DF); 2005.

Wichmann FMA, Couto AN, Areosa SVC, et al. Grupos de convivência como suporte ao idoso na melhoria da saúde. Rev Bras Geriat Gerontol. 2013;16(4):821-32.

Andrade TP, Mendonça BPCK, Lima DC, et al. Projeto Conviver: Estímulo à Convivência entre Idosos do Catete, Ouro Preto, MG. Rev Bras Educ Méd. 2012;36(1):81-5.

Rizzolli D, Surdi AC. Percepção dos idosos sobre grupos de terceira idade. Rev. Bras. Geriatr Gerontol. 2010;13(2): 225-33.

Del Duca GF, Silva MC, Hallal PC. Incapacidade funcional para atividades básicas e instrumentais da vida diária em idosos. Rev Saúde Públ. 2009;43(5):796-805.

Barbosa BR, Almeida JM, Barbosa MR, et al. Avaliação da capacidade funcional dos idosos e fatores associados à incapacidade. Ciênc Saúde Colet. 2014;19(8)3317-25.

Gonçalves CMM. A qualidade de vida em idosos institucionalizados. Tese de Doutorado; 2015.

Gonçalves R, Gurjão ALD, Gobbi S. Efeitos de oito semanas do treinamento de força na flexibilidade de idosos. Rev Bras Cineantropom Hum. 2007; 9(2):145-53.

Ribeiro AP, Souza ER, Atie S, et al. A influência das quedas na qualidade de vida de idosos. Ciênc Saúde Colet. 2008; 13(4):1265-73.

Celich KLS, Souza SMS, Zenevics L, et al. Fatores que predispõem às quedas em idosos. RBCEH. 2010;7(3): 419-26.

Lawton, M P, Brody, MH. Assessment of older people: Selfmaintaining and instrumental activities of daily living. The Gerontologist. 1969;9(3):179-86.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Envelhecimento e saúde da pessoa idosa. Brasília (DF); 2006.

Karuka AH, Silva JAMG, Navega MT. Análise da concordância entre instrumentos de avaliação do equilíbrio corporal em idosos. Rev Bras Fisioter. 2011;15(6):460-6.

Gomes GS. Tradução, adaptação transcultural e exame das propriedades de medida da escala “Performance-Orientes Mobility Assessment”(POMA) para uma amostra de idosos brasileiros institucionalizados [Dissertação]. Campinas (SP): Universidade Estadual de Campinas; 2003.

Podsiadlo D, Richardon S. The timed “Up & Go”: a test of basic functional mobility for frail elderly pearsons. J Am Geriatr Soc. 1991;39(2):142-8.

Bischoff HA, Stähelin HB, Monsch AU, et al. Identifying a cut-off point for normal mobility: A comparison of the timed ‘up and go’ test in community-dwelling and institutionalised elderly women. Age Ageing. 2003;32(3):315-20.

Brasil. Ministério da Saúde (MS). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Atenção à saúde da pessoa idosa e envelhecimento. Brasília (DF); 2010.

Miranda LCV, Soares SM, Silva PAB. Qualidade de vida e fatores associados em idosos de um Centro de Referência à Pessoa Idosa. Ciênc Saúde Colet. 2016;21(11):3533-44.

Costa LSV, Sousa NM, Alves AG, et al. Análise comparativa da qualidade de vida, equilíbrio e força muscular em idosos praticantes de exercício físico e sedentários. Rev Facul Montes Belos. 2015;8(3):61-179.

Celich KLS, Galon C. Dor crônica em idosos e sua influência nas atividades da vida diária e convivência social. Rev Bras Geriat Gerontol. 2009;12(3):345-59.

Gomercindo MCH, Garcez EMS. Avaliação da capacidade funcional de idosos de uma comunidade do município de Porto União em Santa Catarina. Rev. Saúde Públ. Santa Catarina 2012; 5(2):30- 45.

Barbosa MH, Bolina AF, Tavares JL, et al. Sociodemographic and health factors associated with chronic pain in institutionalized elderly. Rev Latinoam Enfermagem. 2014; 22(6):1009-16.

Campos MPS, Vianna LG, Campos AR. Os testes de equilíbrio Alcance Funcional e “Timed Up and Go” e o risco de quedas em idosos. Revista Kairós Gerontologia. 2013; 16(4):125-38.

Maciel ACC, Araújo LM. Fatores associados como alterações na velocidade de marcha e força de preensão manual de em idosos institucionalizados. Rev Bras Geriat Gerontol. 2010; 13(2):179-89.

Lustosa LP, Marra TA, Pessanha FPAS, et al. Fragilidade e funcionalidade entre idosos frequentadores de grupos de convivência em Belo Horizonte, MG. Rev Bras Geriat Gerontol. 2013; 16(2):347-54.

Guerra HS, Bernardes DCF, Santana JA, et al. Avaliação do risco de quedas em idosos da comunidade. Rev Saúde Com. 2017; 13(2):879-86.

Souza CC, Valmorbida LA, Oliveira JP, et al. Mobilidade funcional em idosos institucionalizados e não institucionalizados. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2013;16(2):285-93.

Ferratin AC, Borges CF, Morelli JGS, et al. A execução de AVDS e mobilidade funcional em idosos institucionalizados e não-institucionalizados. Fisioter Mov. 2007;20(3): 115-21.

Almeida ST, Soldera CLC, Carli GA, et al. Análise de fatores extrínsecos e intrínsecos que predispõem a quedas em idosos. Rev Assoc Med Bras. 2012; 58(4):427-33.

Álvares LM, Lima RC, Silva RA. Ocorrência de quedas em idosos residentes em instituições de longa permanência em Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. Cad Saúde Pública. 2010; 26(1):31-40.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/2357-9641.2018.2.31375

e-ISSN: 2357-9641

 

 This journal is a member of, and subscribes to the principles of, the Committee on Publication Ethics (COPE) http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons

Except where otherwise noted, content of this journal is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.

 

Editorial Policies of Brazilian Scientific Journals. Deposit availability: Blue .

 

Copyright: © 2006-2018 EDIPUCRS