Anthropometric profile and self esteem of a physical activity group on Health Unit

Claudine Lamanna Schirmer, Natan Biuara Estivallet, Maria Rita Macedo Cuervo, Angelo José Gonçalves Bós

Abstract


Aims: to compare, socio-demographic and anthropometric profile, presence of chronic diseases, and self-esteem index of a Physical Activity Group (PAG) and a sedentary group (Control Group – CG) linked to a Family Health Unit (FHU) in Porto Alegre, Brazil. Methods: The study consisted of 15 participants from the PAG and 15 from the CG, using a convenience sample, since all PAG available were included. Both groups were matched by sex and age. Both groups consisted of only women.
Results: The mean age of PAG was 62±8 years and CG was 61±10 years, not been statistically different. Anthropometrically both evaluated groups were similar. Most commonly found diseases were Hypertension (66%) and Diabetes (25%). The level of self-esteem was high in 67% of participants in both groups, with no difference between groups.
Conclusions: Current evidence indicates that physically active people have better self-esteem and a lower risk of developing Coronary Heart Disease, Type 2 Diabetes Mellitus, and Hypertension. Several protocols recommend the expansion of health actions, motivating physical activity in primary care. Based on the data, we emphasize the importance of studies that characterize the real life of group participants in FHU users, especially in physical activity, since the population has a high prevalence of chronic degenerative diseases. We emphasize the importance of Public Policies that offer users exercise programs within the community and encourage them to this practice, with the activeness of the healthcare team.


Keywords


Self esteem; Physical activity; Primary care.

References


Annamaria Moura Lôpez. Perfil antropométrico e condicionamento físico de mulheres residentes em comunidade carente do Distrito Federal [Dissertação]. Brasília (DF): Universidade de Brasília; 2007.

Agência Nacional de Saúde Suplementar. Manual Técnico de Promoção da Saúde e Prevenção de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar. 4ª Ed. Rio de Janeiro: Ministério da Saúde; 2007. p 244.

Ministério da Saúde. Obesidade. Cadernos de Atenção Básica - nº 12. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. p 110.

Ministério da Saúde. Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa. Cadernos de Atenção Básica – nº 19. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. p 192.

Tamayo A et al. A influência da atividade física regular sobre o autoconceito. Estudos de Psicologia. 2001; 6(2): 157-165.

Vieira JLL, Porcu M, Rocha PGM. A prática de exercícios físicos regulares como terapia complementar ao tratamento de mulheres com depressão. J Bras Psiquiatr. 2007; 56(1): 23-28.

Monteiro Hl, Rolim LMC, Squinca DA, et al. Efetividade de um programa de exercícios no condicionamento físico, perfil metabólico e pressão arterial de pacientes hipertensos. Rev Bras Med Esporte. 2007; 13(2): 107-112.

Costa PRF, Assis AMO, Silva MCM, et al. Mudança nos parâmetros antropométricos: a influência de um programa de intervenção nutricional e exercício físico em mulheres adultas. Cad. Saúde Pública. 2009; 25(8):1763-1773.

Vancea DMM, Vancea JN, Pires MIF, et al. Efeito da Freqüência do Exercício Físico no Controle Glicêmico e Composição Corporal de diabéticos tipo 2. Arq Bras Cardiol. 2009; 92(1): 23-33.

Vitolo MR. Nutrição da Gestação ao Envelhecimento. Rio de Janeiro: Rubio; 2008. p 648.

Organização Mundial da Saúde. Obesidade: prevenindo e controlando a epidemia global. São Paulo: Editora Roca; 2004. p 276.

Lipschitz DA. Screening for nutritional status in the elderly. Prim Care. 1994; 21(1): 55-67.

NCEP-ATP III (National Cholesterol Education Program - NCEP. Executive Summary of the Third Report of the National Cholesterol Education Program. Expert panel on detection, evaluation, treatment of high blood cholesterol in adults (Adult Treatment Panel III). JAMA. 2001; 285: 2486-2497.

Ben-Noun L, Laor A. Relationship of neck circumference to cardiovascular risk factors. Obes. Res. 2003; 11(2): 226-231.

Dini GM, Quaresma MR, Ferreira LM. Adaptação cultural e validação da versão brasileira da escala de auto-estima de Rosenberg. Rev. Soc. Bras. Cir. Plást. 2004; 19(1): 41-52.

Assis SG, Avanci JQ, Silva CMFP et al. A representação social do ser adolescente: um passo decisivo na promoção da saúde. Ciênc. Saúde Coletiva. 2003; 8(3): 669-680.

VIGITEL: Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico. Brasília: 2012. p 238.

Souza AC, Colomé ICS, Costa LED, Oliveira DLLC. A educação em saúde com grupos na comunidade: uma estratégia facilitadora da promoção da saúde. Rev. Gaúcha Enferm. 2005; 26(2): 147-53.

Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Política nacional de promoção da saúde. Brasília: Secretaria de Atenção à Saúde; 2006. p 62.

I Diretriz Brasileira de Diagnóstico e Tratamento da Síndrome Metabólica. Arq. Bras. de Cardiol. 2005; 84: 1- 28.

Vargas TVP, Dantas RAS, Gois CFL. A auto-estima de indivíduos que foram submetidos à cirurgia de revascularização do miocárdio. Rev. Esc. Enfer. 2005; 3(1): 20-27.

Lee G, Shehan CL. Social relations and the self-esteem of older persons. Res. Aging. 1989; 11(4): 427-42.

Schieman S, Campbell JE. Age variations in personal agency and self= esteem: the context of physical disability. J. Aging Health. 2001; 13(2): 155-85.

Kokubun E, Luciano E, Sibuya CY, et al. Programa de atividade física em Unidades Básicas de Saúde: relato de experiência no município de Rio Claro-SP. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde. 2007; 12(1): 45-53.

Guimaraes AC, Rocha CAQC, Gomes ALM, et al. Efeitos de um Programa de Atividade Física sobre o Nível de Autonomia de Idosos Participantes do Programa de Saúde da Família. Fit Perf. 2008; 1: 5-9.

Mendonça BCA, Oliveira JJ, Oliveira TACC. Do diagnóstico à ação: experiências em promoção da atividade física programa academia da cidade Aracaju: promovendo saúde por meio da atividade física. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde. 2009; 14(3): 211-216.

Callegari-Jaccque SM. Bioestatística, princípios e aplicações. Porto Alegre: Artmed; 2004. p 144-152.

Ross C, Mirowsky J. Explaining the social patterns of depression: control and problem solving – or support and talking? J. Health Soc. Behav. 1989; 30(2): 206-19.

Avison WR, Gotlib, IH. Stress and mental health: contemporary issues and prospects for the future. New York: Plenum; 1994. p 344.

Allen SM, Ciambrone D, Welch LC. Stage of life and social support as a mediator of mood state among persons with disability. J. Aging Health. 2000; 12(3): 318-41.

Egito M, Matsudo S, Matsudo V. Auto-estima e satisfação com a vida de mulheres adultas praticantes de atividade física de acordo com a idade cronológica. R. Bras. Ci e Mov. 2005; 13(2):7-15.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/2357-9641.2015.1.21903

e-ISSN: 2357-9641

 

 This journal is a member of, and subscribes to the principles of, the Committee on Publication Ethics (COPE) http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons

Except where otherwise noted, content of this journal is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.

 

Editorial Policies of Brazilian Scientific Journals. Deposit availability: Blue .

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS