The Program of Post-Graduate Studies in Gerontology/PUC-SP: Why Social Gerontology?

Suzana Carielo da Fonseca, Elisabeth Frohlich Mercadante

Abstract


This article aims to revisit the history of almost 20 years of activity of the Post Graduate Studies in Gerontology, the Pontifical Catholic University of São Paulo (PEPGG/PUC-SP), as well as from such an undertaking, envision your prospects future. The methodological approach underlying the reflection here is the Documental Analysis. The results of the survey indicate that the adoption of the tripod Family-Community-State as a guideline for the realization of program activities (teaching, research, extension) has been an effective means to address the complexity involved in the chosen object in the field of the Gerontology namely: the aging process and old age. Among the conclusions that can be drawn to this study, we should note the commitment of the Program with the issues relevant to the field of Social Gerontology, their concentration area, and the unfolding of knowledge built beyond the university walls.


Keywords


age; Aging; Social Gerontology; State; Family; Community.

References


Lodovici FMM, Côrte B, Lopes RGC et al. Gerontologia: Estado da Arte. Revista Kairós. 2009; 5: 100-126.

Morin E. Os Sete Saberes necessários à Educação do Futuro. São Paulo: Editora Cortez. 2000; p. 38; p. 57.

Didier-Weill A. Nota Azul. Freud, Lacan e a Arte. Rio de Janeiro: Editora Contra-Capa. 1997; p. 19.

Neves, SAH. Velhice Complexa Idade. O Paradigma da Complexidade e sua importância para o campo da Gerontologia [dissertação]. São Paulo(SP): Pontifícia Universidade Católica de S. Paulo; 2013.

Mercadante EF. A construção da identidade e da subjetividade do idoso [tese]. São Paulo(SP): Pontifícia Universidade Católica de S. Paulo; 1997.

Wilmoth JM, Ferraro KF. Gerontology. Perspectives and Issues. New York: Springer Publishing Company; 2007.

Bernard M, Scharf T. Critical Perspectives on Aging Societies. Bristol: The Policy Press; 2007.

Mercadante EF, Lodovici FMM, Fonseca SC. Graduação em Gerontologia na PUC-SP: o desafio da longevidade. Revista Kairós (Online). 2009, 4: 105-130.

Sousa ACSN, Silveira NDR, Lodovici FMM et al. Alguns apontamentos sobre o Idadismo: a posição de pessoas idosas diante desse agravo à sua subjetividade. Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento. 2014, 9: 853-877.

Fonseca SC. Desafios teórico-metodológicos que se impõem à investigação do processo de envelhecimento e da velhice. Anais da 28ª Reunião Brasileira de Antropologia. Desafios Antropológicos Contemporâneos; 2012.

Cellard A. A análise documental. In: Poupart J. et al. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis: Editora Vozes; 2008: 295-316.

Nações Unidas. Plano Internacional para o Envelhecimento, Viena, Áustria. 1982 (Resolução 37/51).

Fundação SEADE.O Idoso na Grande São Paulo. 1990

Ministério da Saúde. Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa. Portaria nº 2.528, de 19 de outubro de 2006. Aprova a Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa e dá outras Providências. Diário Oficial da União, Brasília, 20 out. 2006. Seção 1, p. 142.

Anais do I Seminário Internacional de envelhecimento populacional: uma agenda para o final do século; 1996. julho 1-3; Brasília; Brasil; 1996

Ministério da Saúde. Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa. Portaria nº 2.528, de 19 de outubro de 2006. Aprova a Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 20 out. 2006. Seção 1, p. 142.

Nações Unidas. Plano de Ação Internacional para o Envelhecimento, Madrid, Espanha. 2002 (Resolução 57/167).

Ministério da Saúde. Estatuto do Idoso. 1º edição. Brasília. 2003

Organização Pan-Americana da Saúde. Envelhecimento ativo: uma política de saúde / World Health Organization; tradução Suzana Gontijo. – Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2005.60p.: il.

Envelhecimento no Século XXI. Celebração e Desafio, Fundo de População das Nações Unidas e Help Age International, de 2012

Camarano AA, Pasinato MT. O envelhecimento populacional na agenda das políticas públicas. In: Camarano AA, org. Os novos idosos brasileiros. Muito além dos 60? Rio de Janeiro: IPEA; 2004: 253-292.

Beauvoir S. A Velhice. 6ª edição. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira. 1970/1990.

Oliveira B, Concone MHVB, Lodovici FMM et al. Idoso: Políticas Públicas e 'Saber Local'. Argumentum (Vitória). 2014, 6: 190-207.

Lopes RGC, Oliveira B, Concone MHVB et al. Como gostaria de ser cuidado na velhice? Opiniões dos Conselheiros Municipais de Saúde da Região Metropolitana de São Paulo. Tempus: Actas de Saúde Coletiva. 2014, 8: 109-123.

Fuentes SAMPS, Figueiredo D, Mercadante EF et al. A importância de capacitar, e formar pessoas que trabalham com idosos em Centros-Dia. Revista Kairós (Online). 2014, 17: 233-251.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/2357-9641.2014.2.21069

e-ISSN: 2357-9641

 

 This journal is a member of, and subscribes to the principles of, the Committee on Publication Ethics (COPE) http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons

Except where otherwise noted, content of this journal is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.

 

Editorial Policies of Brazilian Scientific Journals. Deposit availability: Blue .

 

Copyright: © 2006-2020 EDIPUCRS