A construção do discurso de pobreza em relatórios oficiais: a província do Espiríto Santo na primeira metade dos oitocentos

Solange Faria Prado

Resumo


Partindo de análise de relatórios presidenciais da província do Espírito Santo na primeira metade dos oitocentos e dos resultados de pesquisas desenvolvidas no programa de pós-graduação de História da Universidade Federal do Espírito Santo – UFES, este artigo tem por objetivo discutir a construção do discurso de pobreza tão usado nos relatórios presidenciais provinciais buscando as razões para sua sedimentação e trazendo evidências que possam nos permitir compreender sua economia para além da teoria dos “Ciclos Econômicos” tão em voga até a primeira metade do século XX. No entanto, ao proceder as análises, o que se depreende dos relatórios provinciais, tal qual as demais províncias é que a província do Espírito Santo não era tão pobre quanto se alegava, mas como qualquer outra província, dependia da força política do presidente do momento. Fundamentado na História Regional, este artigo buscará mostrar que é possível desconstruir o discurso de pobreza por tanto tempo sustentado na História capixaba.

Palavras-chave


Economia. Província do Espírito Santo. Pobreza.

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, João Capistrano de. Capítulos de História Colonial. Belo Horizonte: Itatiaia, 1988.

BARROS, José D’Assunção. História, região e espacialidade. Revista de História Regional, Ponta Grossa, PR, v. 10, n. 1, p. 95-125, 2005.

BITTENCOURT, Gabriel. Café e modernização: o Espírito Santo no século XIX. Rio de Janeiro: Livraria Editora Cátedra, 1987.

CAMPOS, Adriana Pereira. Escravidão, reprodução endógena e crioulização: o caso do Espírito Santo no Oitocentos. Topoi, Rio de Janeiro, v. 12, n. 23, p. 84-96, jul./dez. 2011. Disponível em . Acesso em 30 mar. 2016.

CARVALHO, Enaile Flauzina. Política e economia mercantil nas terras do Espírito Santo (1790 a 1821). 2008. 160 f. Dissertação (Mestrado em História Social das Relações políticas)–Centro de Ciências Humanas e Naturais, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2008.

CODES, Ana Luiza Machado de. Modelagem de equações estruturais: uma contribuição metodológica para o estudo da pobreza. 2005. 297 f. Tese (Doutorado em Ciência Sociais)– Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2005. Disponível em . Acesso em: 23 abr. 2017.

CROCE, Marcus Antônio. A economia do Brasil no século XIX. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE HISTÓRIA ECONÔMICA, 11, 2015, Vitória – ES: Anais eletrônicos.

DAEMON, Basílio. Província do Espírito Santo: sua descoberta, história cronológica, sinopse e estatística. 2. ed. Vitória: Secretaria de Estado da Cultura; Arquivo Público do Estado do Espírito Santo, 2010.

ESPÍRITO SANTO. Assembleia Legislativa Provincial. Relatório do Presidente da Província do Espírito Santo, o doutor Luiz Pedreira do Coutto Ferraz na abertura da assembléa legislativa provincial no dia 23 de maio de 1847. Rio de Janeiro, Typ. do Diario, de N. L. Vianna. 1848a.

ESPÍRITO SANTO. Assembleia Legislativa Provincial. Relatório do Presidente da Província do Espírito Santo, o doutor Luiz Pedreira do Coutto Ferraz na abertura da assembléa legislativa provincial no dia 1º de março de 1848. Rio de Janeiro, Typ. do Diario, de N. L. Vianna. 1848b.

ESPÍRITO SANTO. Assembleia Legislativa Provincial. Relatório do Presidente da Província do Espírito Santo, o Exm Sr. Filippe José Pereira Leal abriu a sessão ordinária da respectiva assembléa legislativa, no dia 25 de julho do corrente ano. Victoria, Typ. Capitaniense de P.A. D’Azeredo. 1850.

FAORO, Raymundo. Os donos do poder: formação do patronato político brasileiro. Porto Alegre: Globo, 1958.

FARIA, Sheila de Castro. A colônia em movimento: fortuna e família no cotidiano colonial. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1998.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro Passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Tradução: Wilma Patrícia Maas e Carlos Almeida Pereira. Rio de Janeiro: Contraponto: Ed. PUC-Rio, 2006.

LEAL, João Eurípedes Franklin. Economia colonial capixaba. Revista Cuca Cultura Capixaba, Vitória, ES, n. 0, fev. 1977.

MATTEI, Lauro. A persistência da pobreza no Brasil. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL POLÍTICAS TERRITORIAIS E POBREZA NO CAMPO E NA CIDADE. 2014, Rio de Janeiro. Mesa 3 - Territorialização, pobreza e exclusão a persistência da pobreza no Brasil. Rio de Janeiro, 2014.

MERGÁR, Eucélia Maria Agrizzi. Repartição da competência tributária no Império e seus efeitos na Província do Espírito Santo (1836-1850). 117 f. Dissertação (Mestrado em História)–Universidade Federal do Espírito Santo, Centro de Ciências Humanas e Naturais, 2011.

NARDOTO, Eliezer; LIMA, Herineia. História de São Mateus. São Mateus: EDAL, 1999.

OLIVEIRA, Francisco. A questão regional: a hegemonia inacabada. Estudos Avançados, São Paulo, v. 7, n. 18, 1983.

____________________. Crítica à razão dualista/O ornitorrinco. São Paulo: Boitempo, 2003.

OLIVEIRA, José Teixeira. História do Espírito Santo. 3.ed. Vitória: Arquivo Público do Estado do Espírito Santo/Secretaria de Estado da Cultura, 2008.

PRADO JUNIOR, Caio. Formação do Brasil contemporâneo (colônia). 6. ed. São Paulo: Brasiliense, 1961.

_____________________. Evolução política do Brasil: Colônia e Império. 20. ed. São Paulo: Brasiliense, 1993.

RUBIM, Francisco Alberto. Memorias para servir à historia até ao anno de 1817, e breve noticia estatistica da capitania do Espírito Santo, porção integrante do reino do Brasil, escriptas em 1818, e publicadas em 1840 por um capixaba. Lisboa: Nevesiana, 1840.

SAINT-HILAIRE, Auguste de. Segunda viagem ao interior do Brasil – Espírito Santo. Tradução: Carlos Madeira. São Paulo: Cia Editora Nacional, [1936]. p. 29

VASCONCELOS, Accioli de. Memoria Statistica da Província do Espírito Santo escrita no ano de 1828. Transcrição do manuscrito original realizada por Fernando Achiamé. Vitória: Arquivo Público do Estado do Espírito Santo, 1978.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/21778-3748.2018.2.27523

e-ISSN: 2178-3748

 

Avaliação do Qualis CAPES 
ÁREA CAPES - História
CLASSIFICAÇÃO - B3


Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

 

 


Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul

 

 

Copyright: © 2006-2020 EDIPUCRS