A febre tifoide no Rio Grande do Sul da Primeira República: uma doença com história

Fabiano Quadros Ruckert, Leonor Baptista Schwartsmann

Resumo


O objetivo deste texto consiste em abordar a história da febre tifóide no Rio Grande do Sul da Primeira República. Partindo da premissa de que a febre tifóide era considerada como um importante indicativo das condições sanitárias da população, pretendemos explorar as relações entre a doença, a higiene pública e as políticas de saneamento implantadas pelo governo estadual sul rio-grandense no período entre 1889 e 1930. Na introdução do artigo, abordamos o quadro sanitário do Rio Grande do Sul e destacamos a presença da febre tifóide nos documentos da Diretoria de Higiene do Estado; posteriormente, analisamos quatro casos epidêmicos da doença e exploramos os procedimentos adotados pelo poder público para reduzir os índices provocados pela Salmonella Typhi. Finalizando o artigo, abordamos a expansão das ações do Estado na área do saneamento – expansão materializada na criação de sistemas modernos de abastecimento de água e na implantação de redes de esgoto em cidades sul rio-grandenses.


Palavras-chave


febre tifóide - Rio Grande do Sul - Primeira República

Texto completo:

PDF

Referências


ALLENDY, René. Essai sur la guérison. Paris: Denöel et Steele, 1934.

BURGUIÉRE, André. A antropologia histórica. In: Le Goff, Jacques (org.) A História Nova. São Paulo: Martin Fontes, 1998.

GILL, Lorena. O mal do século: tuberculose, tuberculosos e políticas de saúde pública em Pelotas (RS) 1890-1930. Pelotas: EDUCAT, 2007.

KORNDÖRFER, Ana Paula. “Melhor prevenir do que curar”: a higiene e a saúde nas escolas públicas gaúchas (1893-1928). Dissertação de Mestrado em História, São Leopoldo: UNISINOS, 2007. Disponível em: Acesso em: junho de 2013.

KORNDÖRFER, Ana Paula. “An international problem of serious proportions.” A cooperação entre e a Fundação Rockefeller e o governo do Estado do Rio Grande do Sul no combate à Ancilostomíase e seus desdobramentos (1919-1929). Tese de Doutorado em História, Porto Alegre: PUCRS, 2013. Disponível em: Acesso em: setembro de 2014.

KUMMER, Lizete Oliveira. A medicina social e a liberdade profissional: os médicos gaúchos na Primeira República. Dissertação de Mestrado em História, Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS 2002.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Departamento de vigilância epidemiológica. Manual integrado de vigilância e controle. Febre tifóide. Série A. Normas e Manuais técnicos. Brasília. 2008. Disponível em: Acesso em: maio de 2016.

NESELLO, Norberto Luiz. La Salle: 100 anos de presença em Canoas/RS. Canoas: La Salle, 2011.

PENNA, Rejane (coord.). Canoas - para lembrar quem somos. Centro. 2 ed. Canoas: La Salle, 2004.

QUARESMA, Paulo Sérgio Andrade. Urbe em tempos de varíola: a cidade do Rio Grande (RS) durante a epidemia de 1904-1905. Dissertação de Mestrado em História, Pelotas: UFPEL, 2012. Disponível em: Acesso em: abril de 2016.

RÜCKERT, Fabiano Quadros. O saneamento e a politização da higiene no Rio Grande do Sul (1828-1930). Tese de Doutorado em História, São Leopoldo: UNISINOS, 2016.

SCHWARTSMANN, Leonor B. Olhares do médico viajante Giovanni Palombini no Rio Grande do Sul (1901-19014). Porto Alegre: EDIPUCRS, 2008.

SERRES, Juliane C. Primon; SCHWARTSMANN, Leonor. (Orgs.) História da Medicina: instituições e práticas de saúde no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2009.

SILVA, Raquel Padilha da. A Cidade de Papel: a epidemia de peste bubônica e as críticas em torno da saúde pública na cidade do Rio Grande (1903-1904). Tese de Doutorado em História, Porto Alegre: PUCRS, 2009.

SILVEIRA, Aline Montagna da. De fontes e aguadeiros à penas d’água. Reflexões sobre o sistema de abastecimento de água e as transformações da arquitetura residencial no final do século XIX em Pelotas, RS. Tese de Doutorado em Arquitetura, São Paulo: USP, 2009.

XAVIER, Janaina Silva. O saneamento em Pelotas (1871-1915): o patrimônio sob o signo de modernidade e progresso. Dissertação de Mestrado em Memória Social e Patrimônio Cultural, Pelotas: Universidade Federal de Pelotas, 2010. Disponível em: Acesso em: outubro de 2015.

WEBER, Beatriz Teixeira. As artes de curar: Medicina, Religião, Magia e Positivismo na República Rio-Grandense, 1889/1928. Santa Maria: Ed. da UFSM; Bauru: EDUSC – Editora da Universidade do Sagrado Coração, 1999.

WEIMER, Günter. A Política Sanitarista como Diretriz de Planejamento na República Velha Gaúcha. In: WEIMER, Günter (Org.). Urbanismo no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: UFRGS, p. 93-109, 1992.

FONTES DOCUMENTAIS

COLÉGIO SÃO JOSÉ. Histórico, Livro 1 [manuscrito], 1927.

BRASIL. Relatório do Colégio Militar de Porto Alegre apresentado ao Exmo. Sr. General Nestor Sezefredo dos Passos, Ministro de Estado dos Negócios de Guerra. Porto Alegre: 1927.

RIO GRANDE DO SUL. Relatório apresentado ao Presidente do Estado do Rio Grande do Sul, em 15 de setembro de 1893, pelo Secretário de Estado Interino dos Negócios do Interior e Exterior, Possidonio M. da Cunha Junior”. Porto Alegre: Officinas graphicas d’A Federação, 1893.

RIO GRANDE DO SUL. Relatório apresentado ao Dr. A. A. Borges de Medeiros Presidente do Rio Grande do Sul pelo Engenheiro Ildefonso Soares Pinto – Secretário do Estado dos Negócios das Obras Públicas em 06 de Agosto de 1920. Porto Alegre: Officinas Graphicas d’A Federação, 1920.

RIO GRANDE DO SUL. Relatório apresentado ao Sr. A. A. Borges de Medeiros pelo Dr. Protásio Alves em 30 de agosto de 1921. Porto Alegre: Officinas Graphicas d’ A Federação, 1921.

RIO GRANDE DO SUL. Relatório apresentado ao Exmo Sr. Dr. A. A. Borges de Medeiros presidente do Estado do Rio Grande do Sul pelo Dr. Protásio A. Alves. Secretário de Estado dos Negócios do Interior e Exterior. Porto Alegre: Officinas Graphicas d’ A Federação. 1925.

RIO GRANDE DO SUL. Secretaria do Interior e Exterior. AHRS, Caixa 4 – maço 3. Ofício, s/nº, 1928.

RIO GRANDE DO SUL. Secretaria do Interior e Exterior, Relatório do Dr. Mário Correa Staedter. AHRS, Caixa 4, maço 3. Ofício Nº 162, 1928.

RIO GRANDE DO SUL. Secretaria do Interior e Exterior. AHRS, Caixa 4, maço 3. Ofício Nº 333, 1928.

RIO GRANDE DO SUL. Secretaria do Interior e Exterior, Telegrama enviado pelo Dr. Piaguaçú ao Diretor de Higiene. AHRS, Caixa 4, maço 3, 1928.

PORTO, Marques. Aspectos clínicos e profiláticos de uma epidemia de febre tifoide. Archivos Rio-Grandenses de Medicina. Porto Alegre, ano V, nº1, 15 set 1926.

WOLLFENBÜTELL, Percy. Contribuição ao estudo das febres typhicas e para-typhicas em Porto Alegre. These apresentada a Faculdade de Medicina de Porto Alegre em 30 de Novembro de1930, Porto Alegre: Officinas Graphicas da Livraria do Globo, 1930.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/21778-3748.2018.2.26913

e-ISSN: 2178-3748

 

Avaliação do Qualis CAPES 
ÁREA CAPES - História
CLASSIFICAÇÃO - B3


Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

 

 


Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul

 

 

Copyright: © 2006-2020 EDIPUCRS