As múltiplas transformações em Pessach: a travessia de Carlos Heitor Cony

Zuzana Burianová

Resumo


O objetivo do artigo é explorar a transformação pessoal experimentada pelo protagonista-narrador do romance Pessach: a travessia, do escritor brasileiro Carlos Heitor Cony, cujo enredo decorre nos primeiros anos após o golpe militar de 1964. A análise parte da compreensão dessa obra como um romance de formação (Bildungsroman) e da sua inserção no quinto tipo deste gênero romanesco, distinguido por Bakhtin, que se caracteriza pela interligação da formação do protagonista com a evolução histórica. Logo a seguir, observamos três tipos de transformação pelos quais passa o protagonista do romance – rumo ao seu engajamento sócio-político, ao compromisso artístico e à busca das raízes judaicas –, que são analisados em estreita relação com o momento histórico pelo qual passava o País.


Palavras-chave


Ditadura militar. Romance de formação. Engajamento sociopolítico. Judaísmo.

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, Mikhail Mikhailovitch. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BAKHTIN, Mikhail Mikhailovitch. Questões de literatura e estética. São Paulo: Editora UNESP, 1993.

CONY, Carlos Heitor. A revolução dos caranguejos. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

CONY, Carlos Heitor. O ato e o fato. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1964.

DUARTE, Lélia Parreira. Pessach: a travessia – narrativa especular. Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 16, n. 1, p. 31-48, 1983.

ÊXODO. In: Bíblia Sagrada. Trad. João Ferreira de Almeida. Lisboa: Sociedades Bíblicas Unidas, 1993, p. 61-109.

FRANCO, Renato. Itinerário político do romance pós-64: A festa. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1998.

GASPARI, Elio. A ditadura envergonhada, v. 1. Coleção As ilusões armadas. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

LEVI, Joseph Abraham. Duas imagens do judaísmo brasileiro: O caso de Pessach: A Travessia de Carlos Heitor Cony e Hitler manda lembranças de Roberto Drummond. Cadernos de Estudos Sefarditas, Lisboa, n. 8, 103-128, 2008. Disponível em: http://www.catedra-alberto-benveniste.org/_fich/15/Joseph_Abraham_Levi.pdf. Acesso em: 15 fev. 2019. https://doi.org/10.5007/2175-7917.2018v23n2p182

NETTO, José Paulo. Pequena história da ditadura brasileira (1964-1985). São Paulo: Cortez, 2014.

REIMÃO, Sandra. Repressão e resistência: censura e livros na ditadura militar. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, Fapesp, 2011. https://doi.org/10.5212/uniletras.v.35i1.0012

ROSA, João Guimarães. Grande sertão: veredas. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1994.

SILVERMAN, Malcolm. Protesto e o novo romance brasileiro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

VENTURA, Zuenir. 1968: o ano que não terminou. Rio de Janeiro: Objetiva, 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1983-4276.2019.1.33548

ISSN-L: 1982-8527

e-ISSN: 1983-4276

 

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons

Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

  

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS