Roteiros do sertanejo na literatura

Raul Azevedo de Andrade Ferreira, Cássia da Silva

Resumo


Em um país continental como o Brasil, o território contribui na formação de variadas identidades ligadas aos diferentes espaços que compõem a realidade nacional. A tradição literária, ao conferir tratamento estético a tais formações identitárias, elaboram mitos que estruturam o imaginário social referente à noção de brasilidade. Dentre os mitos assim produzidos, o do sertanejo é central tanto para questão da identidade nacional como para o desenvolvimento da tradição literária. Este trabalho aborda a evolução desse signo a partir da análise de obras características de diferentes momentos do sistema literário brasileiro: Os Sertões, de Euclides da Cunha; Vidas Secas, de Graciliano Ramos; Grande Sertão: Veredas, de Guimarães Rosa; O rio e Morte e Vida Severina, de João Cabral de Melo Neto e Essa Terra, de Antônio Torres. A pesquisa revelou que a representação literária fratura a categoria sertanejo em dois gêneros segundo os diferentes roteiros migratórios que eles realizam: o “sertanejo errante” e o “sertanejo retirante”.


Palavras-chave


Discurso literário. Identidade nacional. Sertanejo. Os Sertões. Vidas Secas.

Texto completo:

PDF

Referências


ALONSO, Angela. Idéias em movimento: a geração de 1870 na crise do Brasil-Império. São Paulo: Paz e Terra, 2002. https://doi.org/10.11606/issn.1808-8139.v0i2p123-127

ANDERSON, Benedict. Comunidades imaginadas: reflexões sobre a origem e a difusão do nacionalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

CANDIDO, Antonio. Formação da literatura brasileira: momentos decisivos. Belo Horizonte: Itatiaia, 1981.

CAMPOS, Luciene Lemos de; RODRIGUES, Luciano. Migrantes e migrações: entre a história e a literatura. Albuquerque: revista de História, Campo Grande, v. 3 n. 5 p. 33-49, jan./jun. 2011.

CASTRO, Iná Elias de. Natureza, imaginário e a reinvenção do Nordeste. In: ROZENDAHL, Z.; CORRÊA, R. L. (org.). Paisagem, imaginário e espaço. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2001. p. 103-133.

CUNHA, Euclides da. Os sertões. São Paulo: Ubu editora/ Edições Sesc São Paulo, 2016.

FAZITO, Dimitri. Análise de Redes Sociais e Migração: dois aspectos fundamentais do “retor-no”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 25, n. 72, fev., 2010. https://doi.org/10.1590/s0102-69092010000100007

GNISCI, Armando. Migração e literatura. Revista Eletrônica do Instituto de Humanidades, Duque de Caxias, v. II, n. VII, p. 1-8, out./dez., 2003.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Visão do paraíso. São Paulo, Brasiliense, 1992.

MELO NETO, João Cabral de. O rio. In: MELO NETO, João Cabral de. Obra completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2006. https://doi.org/10.11606/t.8.2017.tde-02062017-101821

MELO NETO, João Cabral de. Morte e Vida Severina. In: MELO NETO, João Cabral de. Obra completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2006. https://doi.org/10.5216/lep.v13i1.11920

ORTIZ, Renato. Cultura brasileira e identidade nacional. São Paulo: Brasiliense, 2003.

RIBEIRO, Darcy. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. São Paulo: Global, 2015.

ROMERO, Sílvio. Cantos populares do Brasil. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, 1897.

ROMERO, Sílvio. Compêndio de história da literatura brasileira. Rio de Janeiro: Imago Ed., Universidade Federal de Sergipe, 2001.

RAMOS, Graciliano. Vidas Secas. 98. ed. Rio de Janeiro: Record, 2005.

ROSA, João Guimarães. Grande sertão: veredas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2006.

SCHWARCZ, Lília Moritz. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil – 1870 – 1930. São Paulo: Companhia das Letras, 1993. https://doi.org/10.5585/eccos.n46.8915

TELES, Gilberto Mendonça. O lu(g)ar dos sertões. Juiz de Fora, v. 8, n. 16, jul/dez. 2009.

TORRES, Antônio. Essa terra. 26. ed. Rio de Janeiro: Record, 2014.

VENTURA, Roberto. Estilo tropical: história cultural e polêmicas literárias no Brasil 1870-1914. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1983-4276.2019.1.31735

ISSN-L: 1982-8527

e-ISSN: 1983-4276

 

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons

Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

  

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS