Os ratos: uma trama de ponteiros, pontuações e negócios

Tiago Lopes Schiffner

Resumo


O objetivo desse ensaio é analisar o uso dos sinais de pontuação e o da dimensão gráfica de Os ratos (1935), de Dyonelio Machado, como forma de esclarecimento das relações sociais entre narrador e personagem (a diferença de classe), dos personagens entre si (as trocas de favor) e segundo a expressão da subjetividade de Naziazeno (as consequências psicológicas da mecânica do dinheiro). O foco é a pesquisa das nuances de sentidos do texto, a partir do emprego da pontuação e dos seus efeitos em uma determinada cena ou frase – sem perder de vista o resultado geral da obra e os impasses histórico-sociais aos quais o estético responde. Para tanto, é examinado principalmente o aproveitamento das aspas, dos itálicos, das reticências e das exclamações. Nesse sentido, a formalização do romance e a maneira que ela internaliza e reflete os dilemas retratados são fundamentais para este estudo.


Palavras-chave


Os ratos. Dyonelio Machado. Sinais de pontuação. Forma literária. Processo social.

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, Theodor W. Sinais de Pontuação. In: ADORNO, Theodor W. Notas de literatura I. São Paulo: Ed. 34, 2012. p. 141-149.

ARAÚJO, Homero Vizeu; REIS, Octávio Linhares. Favor, dívida impagável e forma literária em Os ratos. Cerrados: revista do Programa de Pós-Graduação em Literatura, Brasília, v. 24, n. 40, p. 39-53, 2015. https://doi.org/10.12957/matraga.2017.29035

ARRIGUCCI JÚNIOR, Davi. O cerco dos ratos. In: ARRIGUCCI JÚNIOR, Davi. (org.). O guardador de segredos. Rio de Janeiro: Companhia das letras, 2010. p. 100-112. https://doi.org/10.1590/s0103-40142010000300018

BUENO, Luís. Uma história do romance de 30. São Paulo: Edusp, 2006. 712 p.

DOSTOIÉVSKI, Fiódor M. Memórias do subsolo. São Paulo: Ed. 34, 2009. 147 p.

ELIOT, T. S. Poesia. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1981. 313 p.

GIL, Fernando Cerisara. O romance da urbanização. Porto Alegre: EDIPUCRS, 1999. 148 p.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1995, 220 p.

LODGE, David. A arte da ficção. São Paulo: L&PM Pocket, 2012. 245 p.

MACHADO, Dyonélio. Os ratos. São Paulo: Ática, 1999. 144 p.

RAMOS, Graciliano. Angústia. Rio de Janeiro: Record, 2011. 382 p.

SIMMEL, Georg. O conflito da cultura moderna e outros escritos. São Paulo: Senac, 2013, 188 p.

WOOD, James. Como funciona a ficção. São Paulo: Cosac Naify, 2012, 194 p.

ZAGURY, Eliane. A novela clássica do modernismo brasileiro. In: ZAGURY, Eliane. A palavra e os ecos. Petrópolis: Vozes, 1971. p. 11-19.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1983-4276.2019.1.27216

ISSN-L: 1982-8527

e-ISSN: 1983-4276

 

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons

Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

  

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS