Uma discussão teórica acerca da autoficção: a ficcionalização de si em O filho eterno , de Cristovão Tezza

Anna Faedrich Martins

Resumo


Este ensaio pretende analisar a guinada subjetiva na literatura a partir anos 70 (pós-a"morte do autor"), bem como as razões da revalorização da primeira pessoa do discurso, tendo em vista as reflexões de Beatriz Sarlo. Dessa forma, verifica-se a escrita do eu em O filho eterno, de Cristovão Tezza, a fim de explorar o conceito de autoficção como uma variante pós-moderna da autobiografia, conforme Serge Doubrovsky, levando em consideração que O filho eterno é uma autoficção, na qual o autor ficcionaliza uma experiência pessoal, publicamente revelada, mas quer que o livro seja lido como romance. Para isso, Tezza abre mão do uso singular da primeira pessoa e adota, como estratégia literária, a terceira pessoa do Romance, como quer Barthes. Trata-se, então, de uma escrita do eu, em que o eu do discurso referencial se projeta no ele, máscara da ficção.

Palavras-chave


autoficção; Cristovão Tezza; O filho eterno.

Texto completo:

PDF


e-ISSN: 1984-4301 

 

Avaliação do Qualis CAPES - 2013/2016

ÁREA CAPES - Linguística / Literatura

CLASSIFICAÇÃO DE PERIÓDICO - B1



Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS