Cora Coralina: memória e representação do eu na construção da consciência social

Márcia Melo Araújo, André Cezar Moraes

Resumo


A partir de Poemas dos becos de Goiás e estórias mais, de Cora Coralina, este estudo propõe uma investigação da representação do eu e da emergência do memorialismo em poemas dessa poetisa goiana. Para tanto, pretende-se retomar a idéia de que a materialidade ou a aparente fixidez do espaço reforça uma relação de tensão entre forma física e relações sociais que, por sua vez, se expressam por representações imaginárias. Nessa medida, faremos o recorte do poema “Do beco da Vila Rica” e histórias contadas por Cora Coralina serão analisados, tendo como reflexão a memória coletiva e as representações da cidade através das suas imagens poéticas.

Palavras-chave


Cora Coralina; imaginário; memória; literatura goiana.

Texto completo:

PDF


e-ISSN: 1984-4301

Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional , que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.