Entre a tradução e a escrita: reflexões sobre a domesticação, a visibilidade, a ética e a construção autoral do tradutor

Bianca de Lima Reys, Valéria Brisolara

Resumo


A tradução é uma atividade que envolve muitas complexidades, entre as quais a constituição da ética e da autoria do tradutor, que precisam ser mais discutidas. Assim, este trabalho busca refletir sobre como a invisibilidade oculta a constituição autoral do tradutor, impactando, também, na ética do tradutor, em traduções domesticadoras. Para demonstrar os pontos discutidos, são apresentados alguns exemplos retirados de uma tradução domesticada e adaptada do conto The Yellow Wallpaper (1892), da escritora Charlotte Perkins Gilman. Até que ponto o tradutor pode interferir na escrita do autor do original? Quais são os impactos da presença discursiva do tradutor para a obra e para o seu leitor? Sabe-se que o discurso do tradutor está sempre presente em seu trabalho, por meio de suas escolhas lexicais, estratégias e técnicas utilizadas em sua tradução. No entanto, a invisibilidade ilusória continua a ser praticada pelo mercado e instituições, apontando para a necessidade de se retomar a discussão. Além disso, é preciso considerar que tais questões têm implicações para a ética do tradutor. Assim, o referencial teórico da área dos estudos da tradução dá a base para as reflexões, tomando, como ponto de partida, as contribuições de Venuti (1995) para a área e o tema.


Palavras-chave


Tradução. (In)Visibilidade. Domesticação. Autoria. Ética.

Texto completo:

PDF

Referências


AMORIN, Lauro Maia. Tradução e adaptação: encruzilhadas da textualidade em Alice no País das Maravilhas, de Lewis Carrol, e Kim, de Rudyard Kipling. São Paulo: Editora UNESP, 2005.

ASLANOV, Cyril. A tradução como manipulação. Tradução de Casa Guilherme de Almeida. São Paulo: Perspectiva, 2015. 112 p. (Coleção Debates).

https://doi.org/10.18309/anp.v1i44.1152

BERMAN, Antoine. A tradução e a letra, ou, O albergue do longínquo. Tradução de Marie-Hélène Catherine Torres, Mauri Furlan, Andreia Guerini. Rio de Janeiro: 7Letras/PGET, 2007. 144 p.

https://doi.org/10.5007/2175-7968.2016v36n3p319

BRISOLARA, Valéria Silveira. The translator as an Author. Revista Nonada, Porto Alegre, v. 16, p. 107-125, set. 2011.

FOUCAULT, Michel. Estética: literatura e pintura, música e cinema. Tradução de Inês Autran Dourado Barbosa. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009. (Ditos e escritos III)

FOUCAULT, Michel. A Ordem do Discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. Tradução de Laura Fraga de Almeida Sampaio. 24. ed. São Paulo: Loyola, 2014.

GENETTE, Gérard. Paratextos Editoriais. Tradução de Álvaro Faleiros. São Paulo: Ateliê Editorial, 2009. 376 p.

GILMAN, Charlotte Perkins. The Yellow Wallpaper, Herland, and Selected writings. London: Penguin Books, 1999.

HUTCHEON, Linda. Uma teoria da adaptação. 2. ed. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2013. 280 p.

LEFEVERE, André. Tradução, reescrita e manipulação da fama literária. Tradução de Claudia Matos Seligmann. Bauru: Editora EDUSC, 2007. 263 p.

https://doi.org/10.5007/2175-7968.2011v1n27p321

MARQUES, Claudia Lima. SEMINÁRIO NACIONAL ARTES E DIREITOS AUTORAIS. 2017. Porto Alegre, RS. Ata. UFRGS – Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Disponível em: www.wipo.int/edocs/mdocs/.../en/.../wipo_cr_pgp_17_inf_1.pdf. Acesso em: set. 2018.

https://doi.org/10.19070/2572-7354-160006

NEWMARK, Peter. A textbook of translation: a textbook of translation. Hertfordshire: Prentice Hall, 1999.

NIDA, Eugene. Principles of correspondence (1964). In: VENUTI, L. (ed.). The Translation Studies Reader. 3. ed. New York: Routledge, 2012. p. 141-155.

OLIVEIRA, Paulo. Tradução e Ética. In: AMORIN, Lauro Maia; RODRIGUES, Cristina Carneiro; STUPIELLO, Érika Nogueira de Andrade. Tradução e Perspectivas Teóricas e Práticas. São Paulo: Editora Unesp Digital, 2015. p. 71-97.

https://doi.org/10.7476/9788568334614

QUERIDO, Alessandra Matias. O autor, o tradutor sempre visível e o poder simbólico. Belas Infiéis, Brasília, v. 1, n. 2, p. 105-116, 2012.

https://doi.org/10.26512/belasinfieis.v1.n2.2012.11206

RODRIGUES, Cristina Carneiro. A distinção entre adaptação e tradução relativizada: questões de poder e apropriação. In: CONGRESSO IBERO-AMERICANO DE TRADUÇÃO E INTERPRETAÇÃO (CIATI), 2., 2001, São Paulo. 2001 – Uma odisseia na tradução. São Paulo: Centro Universitário Ibero-Americano, 2002. p. 90-185.

https://doi.org/10.11606/issn.2318-8227.v2i0p179-183

SANTAELLA, Lucia. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus. 2005.

VENUTI, Lawrence. The translator’s invisibility. London/New York: Routledge, 1995.

VENUTI, Lawrence. The scandals of translation. London: Routledge, 1998.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-4301.2019.1.32103

e-ISSN: 1984-4301 

 

Avaliação do Qualis CAPES - 2013/2016

ÁREA CAPES - Linguística / Literatura

CLASSIFICAÇÃO DE PERIÓDICO - B1



Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS