Tom Zé, a “Grande liquidação” e a perspectiva do migrante na tradição narrativa da canção paulistana

Gabriel Caio Correa Borges

Resumo


Aqui será proposta uma leitura à luz das ciências da literatura sobre as líricas do disco “Grande Liquidação”, álbum de estreia do cantor e compositor Tom Zé. Interpretado conforme uma tendência quase conceitual, o disco será contemplado na proposta de trabalhar na canção certas narrativas sobre a cidade de São Paulo. Esse contexto é representado por Tom Zé ocupando um entrelugar, onde a vivência remete a formação como baiano que migra para a metrópole, porém reivindicando para si a tradição narrativa da canção paulistana. Essa tradição existe como rasto que alude às formações culturais paulistanas anteriores à modernização e que tem na narrativa cantada um de seus legados. Logo, iremos proceder na análise das canções do disco considerando essa conjuntura, que assim será compreendida através das teorias formuladas por Walter Benjamin sobre tradição narrativa.


Palavras-chave


Narrativa; São Paulo; Tradição; Migração; Tom Zé.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Mario de. Aspectos da música brasileira. 2. ed. São Paulo: Martins; Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1975.

BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas. Volume I – Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Tradução Sérgio Paulo Rouanet. 7. ed. São Paulo: Brasiliense, 2012.

BENJAMIN, Walter. Obras Escolhidas. Volume III – Charles Baudelaire: um lírico no auge do capitalismo. Tradução José Martins Barbosa, Hemerson Alves Batista. São Paulo: Brasiliense, 1989.

BERMAN, Marshall. Tudo que é sólido desmancha no ar: a aventura da modernidade. Tradução Carlos Felipe Moisés e Ana Maria L. Ioríatti. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.

CAMPOS JUNIOR, Celso de. Adoniran: uma biografia. São Paulo: Globo, 2004.

CANDIDO, Antônio. O discurso e a cidade. 4. ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre o Azul, 2010.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: 1. Artes de Fazer. Tradução Ephraim Ferreira Alvez. Petrópolis: Vozes, 1994.

DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. Tradução Estela dos Santos Abreu. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. História e narração em Walter Benjamin. São Paulo: Perspectiva, 2013.

LE GOFF. Jacques. História e memória. Tradução Bernardo Leitão. 7. ed. Campinas: Editora Unicamp, 2013.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Tristes trópicos. Tradução Rosa Freire d’ Aguiar. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

LUKÁCS, Georg. A teoria do romance: um ensaio histórico-filosófico sobre as formas da grande épica. Tradução, posfácio e notas de José Marcus Mariani de Macedo. 2. ed. São Paulo: Duas Cidades; Editora 34, 2009.

NAVES, Santuza Cambraia. Canção popular no Brasil: a canção crítica. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

NIETZSCHE, Friedrich. Genealogia da moral. Tradução, nota e prefácio de Paulo César Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

MACHADO, Antonio Alcantara. Lira Paulistana. Revista do Arquivo Municipal, São Paulo, Departamento de Cultura, v. XVII, 1935.

ROCHA, Francisco. Adoniran Barbosa: o poeta da cidade. São Paulo: Ateliê Editorial, 2002.

SARLO, Beatriz. Modernidade periférica: Buenos Aires 1920 e 1930. Tradução Júlio Pimentel Pinto. São Paulo: Cosac Naify, 2010.

TOM ZÉ. Grande liquidação. Recife: Rozenblit. 1968.

WISNIK, José Miguel. Sem receita. São Paulo: Publifolha, 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-4301.2018.3.31248

e-ISSN: 1984-4301

Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional , que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.