A voz-práxis estético-literária indígena como ativismo e militância: algumas reflexões a partir da literatura indígena brasileira atual

Leno Francisco Danner, Julie Stéfane Dorrico Peres, Fernando Danner

Resumo


Defendemos que a voz-práxis estético-literária das minorias e, no caso, do/as intelectuais ou escritores/as indígenas é marcada por quatro características fundamentais que lhe definem a constituição, o sentido e a vinculação epistemológico-políticos: parte da condição política e politizante, carnal e vinculada das e como minorias, que são uma construção política, tanto em termos de singularidade antropológica quanto sob a forma de exclusão, silenciamento, marginalização e violência que sofrem; possui uma ligação e uma dependência inextricáveis entre comunidade grupo-tradição e indivíduo, fundando e dinamizando um eu-nós lírico-político que não dissocia pertença à comunidade e ao grupo relativamente à experiência individual, recusando, com isso, a perspectiva de uma subjetividade absoluta-desvinculada e voyeurista-apolítica; vai da afirmação da tradição comunitária e da singularidade antropológica à crítica do presente, a tradição e a pertença comunitárias e a singularidade antropológica como crítica do presente; e institui o ativismo e a militância como seu núcleo, sentido e direcionamento, de modo a afirmar-se como uma vozpráxis política comprometida com a defesa e a promoção do grupo de que faz parte. Em nossa proposta, que está embasada tanto na interpretação de escritores/as indígenas brasileiros/as quanto na apropriação do aparato teórico produzido em termos de estudos literários e culturais póscoloniais, e que tem por base uma análise bibliográfica desse arcabouço teórico, argumentaremos acerca da importância de se correlacionar a produção estético-literária das minorias (e, no caso, dos/as indígenas) com e como crítica do presente e politização radical, sob a forma de ativismo, de militância e de engajamento, seja como condição para o entendimento de suas especificidades e novidades, seja como forma de sua vinculação aos debates estéticos, epistemológicos e políticos em termos de esfera pública, uma vez que esses/as escritores/as de minorias (e, no caso, indígenas) objetivam exatamente politizar e publicizar a história, a situação e as reivindicações de suas comunidades e de seus grupos por meio da arte-literatura.


Palavras-chave


Literatura indígena; Literatura de minorias; Comunidade-Indivíduo; Ativismo; Militância.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Maria Inês de. Desocidentada: experiência literária em terra indígena. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009.

ALMEIDA, Maria Inês de; QUEIROZ, Sônia. Na captura da voz: as edições da narrativa oral no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

BANIWA, Gersem dos Santos Luciano. O índio brasileiro: o que você precisa saber sobre os povos indígenas no Brasil de hoje. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade; LACED/Museu Nacional, 2006.

BHABHA, Homi. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 1998.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense, 1987.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CHAKRABARTY, Dipesh. Provincializing Europe. Princeton: Princeton University Press, 2000.

CHAKRABARTY, Dipesh. Habitations of modernity: essays in the wake of subaltern studies. Chicago: University of Chicago Press, 2002.

DALCASTAGNÈ, Regina. Literatura brasileira contemporânea: um território contestado. Vinhedo: Horizonte, 2012.

DANNER, Leno Francisco; DORRICO PERES, Julie. A literatura indígena como crítica da modernidade: sobre xamanismo, normatividade e universalismo – notas desde ‘A queda do céu: palavras de um xamã yanomami’, de Davi Kopenawa e Bruce Albert, O Eixo e a Roda, UFMG, Belo Horizonte, v. 26, n. 03, 2017, p. 129-156.

DANNER, Leno Francisco; BAVARESCO, Agemir; DANNER, Fernando. A estética das minorias contra a correlação de institucionalismo forte, cientificismo e tecnicalidade: sobre a voz-práxis das minorias como arte-literatura, Clareira – Revista de Filosofia da Região Amazônica, Porto Velho (RO) v. 4, n. 1, 2017, p. 15-48.

DUSSEL, Enrique. 1492, o encobrimento do outro: a origem do mito da modernidade. Petrópolis: Vozes, 1993.

FANON, Franz. Os condenados da Terra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

GRAÚNA, Graça. Contrapontos de literatura indígena contemporânea no Brasil. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2013.

HABERMAS, Jürgen. A inclusão do outro: estudos de teoria política. São Paulo: Loyola, 2002.

HONNETH, Axel. Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. São Paulo: Editora 34, 2003.

HONNETH, Axel. Reificación: un estudio en la teoría del reconocimiento. Buenos Aires: Katz, 2007.

KOPENAWA, Davi; ALBERT, Bruce. A queda do céu: palavras de um xamã yanomami. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

KRENAK, Ailton. Encontros. Rio de Janeiro: Azougue, 2015.

MBEMBE, Achille. On the postcolony. Berkeley and Los Angeles: University of California Press, 2001.

MBEMBE, Achille. Crítica da razão negra. Lisboa: Antígona, 2014.

MIGNOLO, Walter D. La idea de América latina: la herida colonial y la opción decolonial. Barcelona: Editorial Gedisa, 2007.

MUNDURUKU, Daniel. O caráter educativo do movimento indígena brasileiro (1970-1990). São Paulo: Paulinas, 2012.

MUNDURUKU, Daniel. Memórias de índio: uma quase autobiografia. Porto Alegre: Edelbra, 2016.

MUNDURUKU, Daniel. Mundurukando II: roda de conversa com educadores. Lorena: UK’A Editorial, 2017.

MUNDURUKU, Daniel. Visões de ontem, hoje e amanhã: é hora de ler as palavras. In: POTIGUARA, Eliane. Metade cara, metade máscara. São Paulo: Global, 2004, p. 15-16.

POTIGUARA, Eliane. Metade cara, metade máscara. São Paulo: Global, 2004.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidad y modernidad/racionalidad, Perú Indig., Lima, v. 13, n. 29, p. 11-20, 1992.

SPIVAK, Gayatri C. Pode o Subalterno Falar? Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2010.

THIÉL, Janice. Pele silenciosa, pele sonora: a literatura indígena brasileira em destaque. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

Texto disponível na Internet:

GRAÚNA, Graça. “Escrevivência indígena”. In: Blog Graça Graúna, 28 set. 2017.

Disponível em: . Acesso em: 10 ago. 2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-4301.2018.3.30811

e-ISSN: 1984-4301 

 

Avaliação do Qualis CAPES - 2013/2016

ÁREA CAPES - Linguística / Literatura

CLASSIFICAÇÃO DE PERIÓDICO - B1



Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS