A memória na Literatura da Segunda Guerra Mundial: narrações como testemunho histórico e invenção

Milena Hoffmann Kunrath

Resumo


Este artigo reflete sobre a influência da memória na Literatura da Segunda Guerra Mundial. Focando principalmente na lembrança traumática de soldados alemães que se tornaram posteriormente escritores, o artigo coteja as possibilidades da narração, que compreendem ao mesmo tempo uma parte de relato histórico, ficção e de reorganização, ora intencional, ora não, de suas recordações mais marcantes. O relembrar destes atores, que não pretendem alcançar uma verdade histórica, percorre caminhos imaginados para liberta-se catarticamente do passado traumático. Busca-se aqui também apresentar exemplos de casos em que o testemunho, como realidade pessoal (e não histórica) inconsciente perpassa a narração de forma a construir uma realidade fiel ao autor e a muitos de seus leitores.


Palavras-chave


Literatura Alemã; Memória; Trauma; Günter Grass.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSMANN, Aleida. Geschichte im Gedächtnis: Von der individuellen Erfahrung zur öffentlichen Inszenierung. München: Beck, 2007.

GRASS, Günter. Nas peles da cebola. Tradução de Marcelo Backes. São Paulo: Record, 2007.

IZQUIERDO, Ivan. A arte de esquecer: cérebro e memória. Rio de Janeiro: Vieira & Lent, 2010.

KLÜGER, Ruth. Verdade, mentira e ficção em autobiografias e romances autobiográficos; In: GALLE, Helmut; OLMOS, Ana Cecilia; KANZEPOLSKY, Adriana; IZARR A, Laura Zuntini (Org.). Em primeira pessoa: abordagens de uma teoria da autobiografia. São Paulo: Annablume, 2009.

LE GOFF, Jacques. História e memória. Campinas: Editora Unicamp, 1992.

MONTERO, Rosa. A louca da casa. Tradução de Paulina Wacht e Ari Roitman. Rio de Janeiro: PocketOuro, 2003.

NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História, São Paulo, v. 10, p. 7-28, jul./dez. 1993.

POUILLON, Jean. O tempo no romance. Tradução de Heloysa de Lima Dantas. São Paulo: Cultrix, Ed. da Universidade de São Paulo, 1974.

RICOEUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Tradução de Alain François [et al.]. Campinas: Unicamp, 2007.

SARLO, Beatriz. Tempo passado: cultura da memória e guinada subjetiva. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. Reflexões sobre a memória, a história e esquecimento. In: SELIGMANN-SILVA, Márcio (Org.). História, memória, literatura: o testemunho na era das catástrofes. Campinas: Unicamp, 2003.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. O testemunho: entre a ficção e o ‘real’. In: SELIGMANNSILVA, Márcio (Org.). História, memória, literatura: o testemunho na era das catástrofes. Campinas: Unicamp, 2003.

TADIÉ, Jean-Yves; TADIÉ, Marc. Le sens de la mémoire. Paris: Éditions Gallimard, 1999.

UMBACH, Rosani Ketzer. Violência, memórias da repressão e escrita. In: SELIGMANNSILVA, Márcio; GINZBURG, Jaime; HARDMAN, Francisco Foot (Org.). Escritas da violência, vol. 1: o testemunho. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-4301.2018.s.30600

e-ISSN: 1984-4301 

 

Avaliação do Qualis CAPES - 2013/2016

ÁREA CAPES - Linguística / Literatura

CLASSIFICAÇÃO DE PERIÓDICO - B1



Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS