Clíticos dativos em cartas pessoais do Ceará do século XX

Francisco Jardes Nobre de Araújo, Hebe Macedo de Carvalho

Resumo


O artigo analisa a alternância dos pronomes ‘te’ e ‘lhe’ como oblíquos dativos de 2ª pessoa em cartas pessoais cearenses, escritas durante o século XX, tendo como pressupostos teórico-metodológicos a Sociolinguística Variacionista (LABOV, 1972, 1994) e os princípios gerais da Sociolinguística Histórica (CONDE SILVESTRE, 2007). A amostra analisada compõe-se de 186 cartas pessoais escritas por cearenses. Na análise da variação, considera-se a atuação dos grupos de fatores tipo semântico do verbo; estrutura do verbo da oração; posição do clítico na oração e as variáveis extralinguísticas década em que as cartas foram escritas e sexo do remetente. Como ferramenta para mensuração dos dados, utilizou-se o programa computacional GoldVarb X (SANKOFF; TAGLIAMONTE; SMITH, 2005). Concluiu-se que, nas cartas da amostra, a forma mais frequente foi ‘lhe’, que a posição do pronome tem forte influência sobre a escolha do clítico e que a variação ‘te’~‘lhe’ se mostra estável ao longo do século XX na variedade do português usada na escrita de cearenses, não sinalizando, portanto, para uma futura mudança com predomínio de uma das duas formas.


Palavras-chave


Variação pronominal; Clíticos ‘te’ e ‘lhe’; Cartas pessoais; Sociolinguística Histórica; Sociolinguística Variacionista.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, G. de S. Quem te viu quem lhe vê: a expressão do objeto acusativo de referência à segunda pessoa na fala de Salvador. 2009. 193 l. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Instituto de Letras, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2009.

AMARAL, A. O dialeto caipira. São Paulo: Hucitec, 1955.

ANDRADE, M. L. da C. V. de O. Gênero social e norma linguística: estudo de formas de tratamento em cartas pessoais. In: PRETI, D. (Org.). ariações na fala e na escrita. São Paulo: Humanitas, 2011. p. 111-131.

ARAÚJO, F. J. N. A variação te/lhe em cartas pessoais de cearenses no século XX. 2014. 151 fl. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Centro de Humanidades, Departamento de Letras Vernáculas, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2014.

ARAÚJO, F. J. N. ; CARVALHO, H. M. Te e lhe como clíticos acusativos de 2ª pessoa em cartas pessoais cearenses. LaborHistórico, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 62-80, jan.-jun. 2015.

BAGNO, M. Gramática pedagógica do português brasileiro. São Paulo: Parábola Editorial, 2011.

BIAZOLLI, C. C. Posição de clíticos pronominais em duas variedades do português: interrelações de estilo, gênero, modalidade e norma. 2016. 381 fl. Tese (Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista. Araraquara, 2016.

BROWN, R.; GILMAN, A. The Pronouns of Power and Solidarity. American Anthropologist, v. 4, n. 6, p. 24-39, 1960.

CAVALCANTE, C. R., O.; DUARTE, M. E. L.; PAGOTTO, E. G. Clíticos no século 19: uma questão de posição social? 2011 [no prelo]. Disponível em:

MDJkMzRjNmU3MTVkZjg1>

COELHO, T. M. S. A sínclise dos substantivos pessoais átonos no português oral culto de Fortaleza: aspectos sociolinguísticos. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Departamento de Ciências Humanas, Universidade Federal do Ceará, 2003.

CONDE SILVESTRE, J. C. Sociolingüística histórica. Madrid: Editorial Gredos, 2007.

DUARTE, M. E. L. Do pronome nulo ao pronome pleno: a trajetória do sujeito no português do Brasil. In: ROBERTS, A.; KATO, M. A. (Org.). Português brasileiro: uma viagem diacrônica. Campinas: UNICAMP, 1993.

FISCHER, J. L. Social influences on the choice of linguistic variant. Word, n. 14, p. 47-56, 1958.

GUIMARÃES, T. A. A. S. Tu é doido, macho! – A variação das formas de tratamento no falar de Fortaleza. 2014. 237 fl. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Centro de Humanidades, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, 2014.

LABOV, W. Language in the Inner City: Studies in the Black English Vernacular. Philadelphia: University of Alabama Press, 1972.

______. The intersection of sex and social class in the course of linguistic change. In: Language, Variation and Change, Cambridge, v. 2, n. 02, p. 205-254, 1990. Publishers, 1994.

______. Principles of Linguistic change. Vol. II: Social Factors. Oxford: Blackwell, 2001.

LOPES, C. R. S. Tradição e inovação: o sincretismo entre P2 e P3 em cartas do século XIX. In: LOBO, T. (Org.). VI Seminário do Projeto para a História do Português Brasileiro. Salvador: UFBA, 2004.

______. Pronomes pessoais. In: VIEIRA, S. R.; BRANDÃO, S. F. (Org.). Ensino de gramática – descrição e uso. São Paulo: Contexto, 2007, p. 103-119.

LOPES, C. R. S.; CAVALCANTE, S. A cronologia do ‘voceamento’ no português brasileiro: expansão de você sujeito e retenção do clítico te. Linguística. Rio de Janeiro, v. 25, p. 30-65, jun. 2011.

LOPES, C. R. S.; MACHADO, A. C. M. Tradição e inovação: indícios do sincretismo entre a segunda e a terceira pessoas nas cartas dos avós. In: LOPES, C. R. S. (Org.). A Norma Brasileira em Construção. Fatos linguísticos em cartas pessoais do século 19. Rio de Janeiro: Faculdade de Letras, UFRJ, FAPERJ. 2005, p. 45-66.

MACHADO, A. C. M. A implementação de “Você” no quadro pronominal: as estratégias de referência ao interlocutor em peças teatrais no século XX. Dissertação (Mestrado em Língua Portuguesa) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006, 108 p.

MARCUSCHI, L. A. Da fala para a escrita: atividades de retextualização. São Paulo: Cortez, 2001.

MENON, O. P. S. O sistema pronominal do português do Brasil. Letras, Curitiba, n. 44, p. 91-106, 1995.

MONTEIRO, J. L. Pronomes pessoais: subsídios para uma gramática do português do Brasil. Fortaleza: Edições UFC, 1994.

MOTA, M. A. A variação dos pronomes ‘tu’ e ‘você’ no português oral de São João da Ponte (MG). 2008. 125 fl. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Universidade Federal de Minas Gerais, Uberlândia, 2008.

NASCENTES, A. Estudos filológicos. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Letras, 2003.

OLIVEIRA, R.; LOPES, C. Retratos da mudança no sistema pronominal: Usos tratamentais cariocas na diacronia e sincronia. Edital Jovem Cientista da FAPERJ, Programa de Pós-Graduação em Letras – Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2007. Disponível em:

OLIVEIRA, T. L. de. Os pronomes dativos de 2ª pessoa na escrita epistolar carioca. LaborHistórico, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 81-98, jan. jun. 2015.

PAGOTTO, E. A posição dos clíticos em português: um estudo diacrônico. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Universidade de Campinas (UNICAMP), 1992.

RAMOS, J. O uso das formas você, ocê e cê no dialeto mineiro. In: HORA, D. (Org.). Diversidade linguística no Brasil. João Pessoa: Ideia, 1997. p. 43-59.

RUMEU, M. C. de B. Para uma história do português do Brasil: formas pronominais e nominais de tratamento em cartas setecentistas e oitocentistas. Dissertação (Mestrado em Língua Portuguesa) – Programa de Pós-Graduação em Letras Vernáculas, Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2004.

______. As relações de poder e de solidariedade na sociedade carioca os séculos XVIII e XIX. Revista Todas as Letras R (Mackenzie. online), v. 13, p. 115-126, 2011.

______. Língua e sociedade: a história do pronome “Você” no português brasileiro. Rio de Janeiro: Ítaca, 2013.

SALES, I. A. Aspectos linguísticos e sociais no uso de pronomes em cartas pessoais baianas. 2007. 385f. Dissertação (Mestrado em Língua Portuguesa) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2007.

SANKOFF, D.; TAGLIAMONTE, S. A.; SMITH, E. Goldvarb X – A multivariate analysis application. Toronto: Department of Linguistics; Ottawa: Department of Mathematics. 2005.

SCHEI, A. A colocação pronominal do português brasileiro: a língua literária contemporânea. São Paulo: Humanitas FFLCH/USP. São Paulo, 2003.

SCHEIBMAN, J. Local patterns of subjectivity. In: BYBEE, J.; HOPPER, P. (Ed.). Frequency and the emergence of linguistic structure. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins Publishing Company, 2000. p. 61-90.

SERAFIM, R. L. Do Gerúndio ao Gerundismo: Mudança e Preconceito Linguístico. 81 fl. Monografia (Bacharelado em Letras) – Universidade Federal de Brasília, Salvador, 2008.

SILVA, E. N. A., A variação entre as formas pronominais da segunda pessoa “tu” e “você” em cartas de 1930. In: SILEI, 2., 2011, Uberlândia. Anais... Uberlândia: EDUFU, 2011, p. 132-153.

SOTO, E. U. M. S. Variação/Mudança do pronome de tratamento alocutivo: uma análise enunciativa em cartas brasileiras. Tese (Doutorado em Linguística) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2001.

SOUZA, C. D. Eu te amo, eu lhe adoro, eu quero você: a variação das formas de acusativo de 2ª pessoa em cartas pessoais (1880-1980). 2014. 156 fl. Dissertação (Mestrado em Letras) – Programa de Pós-Graduação em Letras Vernáculas, Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2014.

TANNEN, D. You just don’t understand: women and men in conversation. New York: William Morrow and Company Inc., 1990.

WEINREICH, U.; LABOV, W.; HERZOG, M. I. Fundamentos empíricos para uma teoria da mudança linguística. São Paulo: Parábola Editorial, 2006 [1996].




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-4301.2017.1.25085

e-ISSN: 1984-4301 

 

Avaliação do Qualis CAPES - 2013/2016

ÁREA CAPES - Linguística / Literatura

CLASSIFICAÇÃO DE PERIÓDICO - B1



Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS