A realização dos pronomes nós e a gente na função de sujeito e nas funções de complemento e adjunto na cidade de Maceió/AL

Elyne Giselle de Santana Lima Aguiar Vitório

Resumo


A presente pesquisa focaliza a variação nós e a gente na função de sujeito e nasF funções de complemento e adjunto na fala maceioense. Para tanto, recorremos à Sociolinguística Variacionista (LABOV, 1972) e utilizamos o programa GoldVarb X para a análise estatística dos dados. De acordo com os resultados obtidos, verificamos que, na posição de sujeito, a gente é a variante selecionada, sendo favorecida nos seguintes contextos, a saber, morfema zero, a gente antecedido por a gente, sujeito preenchido, falantes menos escolarizados e falantes mais novos, revelando um processo de mudança em curso. Nas posições de complemento e adjunto, nós é a variante selecionada, com o pronome a gente sendo favorecido nos seguintes contextos, a saber, núcleo verbal, função sintática de (oblíquo) complemento, a gente antecedido por a gente em outras funções, falantes do sexo/
gênero feminino e menos escolarizados.


Palavras-chave


Variação; Pronomes; Sujeito; Complemento; Adjunto.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, Silvana; ALMEIDA, Rosiane. A forma possessiva da gente em comunidades rurais do semiárido baiano. In: ALMEIDA, Norma; CARNEIRO, Zenaide (Org.). Variação linguística no semiárido baiano. Feira de Santana: UEFS Editora, 2014. p. 137- 173.

CHAMBERS, Jack. Patterns of variation including change. In: CHAMBERS Jack; TRUGDILL, Peter; SCHILLING-ESTES, Natalie (Org.). The handbook of language variation and change. Oxford UK: Blackwell Publishing, 2002. p. 349-372.

DUARTE, Eugênia. Termos da oração. In: VIEIRA, Silvia; BRANDÃO, Silvia (Org.). Ensino de gramática: descrição e uso. São Paulo: Contexto, 2011. p. 185xx-203.

FERNANDES, Eliene. Fenômeno variável: nós e a gente. In: HORA, Dermeval (Org.). Estudos sociolinguísticos: perfil de uma comunidade. João Pessoa, 2004. p. 149-162.

FRANCESCHINI, Lucelene. Variação pronominal nós/a gente e tu/você em Concórdia-SC. Tese (Doutorado em Letras) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2011.

LABOV, William. Sociolinguistics patterns. Philadelphia: University of Pennsylvania Press, 1972.

______. Principles of linguistic change: internal factors. Oxford, Blakwell Publishers, 1994. Vol. 1.

LOPES, Célia. Nós e a gente no português falado culto do Brasil. DELTA, v. 14, n. 2, p. 1-15, 1998.

______. De gente para a gente: o século XIX como fase de transição. In: ALKIMIM, Tânia (Org.). Para a história do português brasileiro: novos estudos. São Paulo: Humanitas, 2002. p. 25-46.

______. A gramaticalização de a gente em português em tempos real de longa e curta duração: retenção e mudança na especificação dos traços intrínsecos. Fórum Linguístico, Florianópolis, v. 4, n. 1, p. 47-80, 2004.

______. Pronomes pessoais. In: VIEIRA, Silvia; BRANDÃO, Silvia (Org.). Ensino de gramática: descrição e uso. São Paulo: Contexto, 2011. p. 103 119.

______. O quadro dos pronomes pessoais: descompasso entre pesquisa e ensino. Matraga, Rio de Janeiro, v. 19, n. 30, p. 116-141, 2012.

MAIA, Francisca. A variação nós / a gente no dialeto mineiro: investigando a transição. Revista da ABRALIN, v. 8, n. 2, p. 45-70, 2009.

MARCOTULIO, Leonardo; PINHEIRO, Igor; ASSIS, Dalila. A relação entre pesquisa e ensino: o quadro de possessivos do português. Cadernos de Letras da UFF, n. 51, p. 239-260, 2015.

MATEUS, Maria; BRITO, Ana; DUARTE, Inês; FARIA, Isabel. Gramática da língua portuguesa. Lisboa: Caminho, 2003.

MENDONÇA, Josilene. Variação na expressão da 1ª pessoa do plural: indeterminação do sujeito e polidez. Dissertação (Mestrado em Letras) – Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de Sergipe, 2016.

NEVES, Maria. Possessivos. In: CASTILHO, Ataliba (Org.). Gramática do português falado. Vol. III: As abordagens. Campinas: Editora da Unicamp, 2002. p. 149-211.

OMENA, Nelise. Projeto subsidies sociolinguísticos do projeto censo à educação. Vol. II. Relatório final apresentado ao FINEP, out. 1986.

______. A referencia à primeira pessoa do discurso no plural. In: OLIVEIRA E SILVA, Giselle; SCHERRE, Marta (Org.). Padrões sociolinguísticos: estudos de fenômenos variáveis do português falado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: UFRJ Editora, 1996. p. 286-319.

______. A referência à primeira pessoa do discurso no plural. In: PAIVA, Maria; DUARTE, Eugênia (Org.). Mudança linguística em tempo real. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2003. p. 63-80.

RAFAEL, Noelma. Variação, mudança e ensino: o caso dos pronomes possessivos ‘da gente’ e nosso(a)(s) em uma abordagem sociofuncionalista. Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2010.

RAMOS, Conceição; BEZERRA, José; ROCHA, Maria. Do nosso cotidiano ou do cotidiano da gente? Um estudo da alternância nós/a gente no português do Maranhão. Revista Signum. Londrina, v. 12, n. 1, p. 279-292, jul. 2009.

RUBIO, Cássio. Decisões metodológicas no estudo de fenômenos variáveis de primeira pessoa do plural. Anais do XVII Congreso Internacional de Linguística y Filologia de América Latina (ALFAL). João Pessoa: Paraíba, 2014.

SANKOFF, David; TAGLIAMONTE, Sali; SMITH, Eric. Goldvarb X: a variable rule application for Macintosh and Windows. Department of Linguistics, University of Toronto, 2005.

SANTOS, Kelly. Estratégias de polidez e a variação nós vs. a gente na fala de discentes da Universidade Federal de Sergipe. Dissertação (Mestrado em Letras) – Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de Sergipe, 2014.

SEARA, Izabel. A variação do sujeito nós e a gente na fala florianopolitana. Organon. Porto Alegre, v. 14, n. 28/29, p. 179-194, 2002.

TAMANINE, Andréa. Curitiba da gente: um estudo sobre a variação pronominal nós/a gente e a gramaticalização de a gente na cidade de Curitiba – PR. Tese (Doutorado em Letras) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2010.

VIANNA, Juliana; LOPES, Célia. A competição entre nós e a gente nas funções de complemento e adjunto: desvendando outras portas de entrada para o pronome inovador. Caligrama, Belo Horizonte, v. 17, n. 2, p. 137-161, 2012.

______. Implementação de a gente nas funções de acusativo, dativo e obliquo: reflexões, propostas e primeiros resultados. Linguística, v. 29, p. 11-36, 2013.

______. Variação dos pronomes “nós” e “a gente”. In: MARTINS, Marco; ABRAÇADO, Jussara. Mapeamento sociolinguístico do português brasileiro. São Paulo: Contexto, 2015. p. 109-131.

VITÓRIO, Elyne. A variação nós e a gente na posição de sujeito na fala de crianças da cidade de Maceió/AL. Revista (Con)Textos Linguísticos, v. 9, n.14, p. 126-141, 2015.

VOTRE, Sebastião. Relevância da variável escolaridade. In: MOLLICA, Maria; BRAGA, Maria (Org.). Introdução à Sociolinguística: o tratamento da variação. São Paulo: Contexto, 2003. p. 51-57.

ZILLES, Ana. O que a fala e a escrita nos dizem sobre a avaliação social do uso de a gente? Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 42, n. 2, p. 27-44, jun. 2007.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-4301.2017.1.24756

e-ISSN: 1984-4301 

 

Avaliação do Qualis CAPES - 2013/2016

ÁREA CAPES - Linguística / Literatura

CLASSIFICAÇÃO DE PERIÓDICO - B1



Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS