Atos de comando em sala de aula: imperativo, perífrase, infinitivo e gerúndio em variação

Francisca Natália Sampaio Pinheiro-Monteiro, Márluce Coan

Resumo


Ato de comando é a função investigada nesta pesquisa. Das possíveis formas de codificação, analisamos quatro em variação: imperativo, perífrase ir + infinitivo, infinitivo e gerúndio, sob o aparato teórico da Sociolinguística variacionista (LABOV, 1972 e 1978) e do Funcionalismo (GIVÓN, 1993; PALMER, 1986; BYBEE; PERKINS; PAGLIUCA, 1994). Foram analisadas trinta horas de gravação em sala de aula, cem minutos de cada um dos dezoito professores considerados na amostra. Os fatores de análise recobrem traços de reforço ou enfraquecimento dos comandos: menção explícita do manipulado; marcas de futuridade e marcas de polidez. Submetidos ao programa Goldvarb, os dados demonstram que o imperativo é estatisticamente influenciado por vocativo ou pela ausência do manipulado e pela ausência de marcas de polidez; a perífrase é condicionada por menção do manipulado via pronomes; o infinitivo e o gerúndio, por sua vez, são motivados pela presença de marcas de polidez. Os resultados, alinhados ao proposto por Givón (1993), comprovam que há dispositivos linguísticos que reforçam ou enfraquecem a força manipulativa do comando.


Palavras-chave


Manipulação; Polidez; Futuridade; Modalidade.

Texto completo:

PDF

Referências


ALI, Manuel Said. Gramática Histórica da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica, 1964.

ALMEIDA, Napoleão Mendes de. Gramática Metódica da Língua Portuguesa. São Paulo: Saraiva, 1983.

BECHARA, Evanildo. Moderna Gramática Portuguesa. Rio de Janeiro: Lucerna, 2006.

BYBEE, Joan; PERKINS, Revere; PAGLIUCA, William. Mood and modality. In: The evolution of grammar: tense, aspect, and modality in the languages of the world. Chicago: Universiry of Chicago Press, 1994.

CARDOSO, Daisy Bárbara B. Variação no uso do modo imperativo: análise de dados em textos de José J. Veiga. 2004. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Universidade de Brasília, 2004.

CUNHA, Cunha; CINTRA, Lindley. Nova Gramática do Português Contemporâneo. 3. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001.

GIVÓN, Talmy. Non-declaratives speech acts. In: ______. English Grammar: a Functional Based Introduction. Vol. 2. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins, 1993. p. 239-283.

______. Markedness as meta-iconicity. In: ______. Functionalism and Grammar. Amsterdam/ Philadelphia: John Benjamins Publishing Company, 1995. p. 54-59.

______. Modal Prototypes of Truth and Action. In: ______. Functionalism and Grammar. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins Publishing Company, 1995. p. 112-170.

GOLDVARB 2001. Disponível em: . Acesso em 09 de nov. de 2009.

GUY, Gregory; ZILLES, Ana. Sociolingüística quantitativa. São Paulo: Parábola, 2007.

JESUS, Étel Teixeira de. O Nordeste na mídia e os estereótipos linguísticos: estudo do imperativo na novela Senhora do Destino. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade de Brasília, 2006.

LABOV, William. Where does the Linguistic variable stop? A response to Beatriz Lavandera. Sociolinguistic Working Paper, 44. Texas, 1978.

______. Padrões Sociolinguísticos. Tradução de Marcos Bagno, Maria Marta Pereira Scherre, Caroline Rodrigues Cardoso. São Paulo: Parábola, 2008 [1972].

LUFT, Celso Pedro. Gramática Resumida. Porto Alegre: Globo, 1976.

LYONS, John. Semantics. Cambridge: Cambridge University Press, 1977.

MENDONÇA, Jeane Maria Alves. de. A expressão de obrigação em Fortaleza/Ce: ter, dever e precisar em variação. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Universidade Federal do Ceará, 2010.

NARO, Anthony Julius. Modelos quantitativos e tratamento estatístico. In: MOLLICA, Maria Cecília; BRAGA, Maria Luiza (Org.). Introdução a Sociolinguística: o tratamento da variação. São Paulo: Contexto, 2007. p. 15-25.

PALMER, Frank R. Mood and modality. London: Cambrigde University Press, 1986.

PEREIRA, Eduardo Carlos. Gramática Histórica. São Paulo: Monteiro Lobato & Cia, 1924.

REIS, Mariléia Silva. S. 2003. Atos de fala não-declarativos de comando na expressão do imperativo: a dimensão estilística da variação sob um olhar funcionalista. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade Federal de Santa Catarina, 2003.

ROST, Cláudia Andrea. OLHA E VEJA: multifuncionalidade e variação. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Universidade Federal de Santa Catarina, 2002.

SCHERRE, Maria Marta Pereira et al. Phonic parallelism: evidence from the imperative form in Brazilian Portuguese. Papers in sociolinguistics. Newave-26. Quebec, Canadá: Éditions Nota bene, 1998.

______. Restrições sintáticas e fonológicas na expressão variável do imperativo no português do Brasil. ABRALIN, Florianópolis, 2000.

______. O imperativo gramatical no português brasileiro: reflexo de mudança Linguística na escrita de revistas em quadrinhos. Encontro Nacional da Associaç ão Portuguesa de Linguística , XX., 2004, Lisboa. Actas do ... Lisboa: APL, 2004. p. 699-771.

______. Doa-se lindos filhotes de poodle: variação Linguística, mídia e preconceito. São Paulo: Parábola, 2005.

WEINREICH, Uriel; LABOV, William; HERZOG, Marvin. I. Fundamentos empíricos para uma teoria da mudança linguística. Tradução de Marcos Bagno. São Paulo: Parábola Editorial, 2006 [1968].




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-4301.2017.1.23956

e-ISSN: 1984-4301 

 

Avaliação do Qualis CAPES - 2013/2016

ÁREA CAPES - Linguística / Literatura

CLASSIFICAÇÃO DE PERIÓDICO - B1



Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS