A intolerância religiosa na literatura de Jorge Amado

Paula Sperb

Resumo


A partir da proposta do eixo temático “Expressão de Conflitos”, do evento Duo VII – Dialogue Under Ocuupation, nos dispomos a fazer uma reflexão sobre a intolerância religiosa enquanto temática da literatura de Jorge Amado. A intolerância religiosa aparece especialmente na obra Tenda dos Milagres (1968), em cenas de perseguição aos pais-de-santo e terreiros de candomblé. Entendemos o fenômeno da intolerância racial como uma consequência das teorias raciais que vigoraram no Brasil como paradigma científico no final do século XIX e início do século XX. Essas teorias viam a raça como explicação para o primitivismo/atraso ou civilização/avanço. O candomblé, segundo essa perspectiva científica, por estar ligado à cultura africana (ou seja, negra), representava o suposto atraso do Brasil, que precisava ser combatido e solucionado. Quando foi deputado federal pelo partido comunista, Jorge Amado criou e aprovou a emenda que estabelecia a liberdade religiosa e de culto no Brasil, em 1946. Para realizar este trabalho utilizamos principalmente o suporte teórico de Leite (1976), Schwarcz (2001) e Skidmore (1989).


Palavras-chave


Jorge Amado; teorias raciais; intolerância religiosa; literatura

Texto completo:

PDF

Referências


AMADO, Jorge. Navegação de Cabotagem. Rio de Janeiro: Record, 1992.

______. Tenda dos Milagres. Rio de Janeiro: Record, 2001. BASTIDE, Roger. O Candomblé na Bahia. Rio de Janeiro: Companhia das Letras, 2001.

BRAGA, Sérgio Soares. Quem foi quem na Assembleia Constituinte de 1946. Brasília: Biblioteca Digital da Câmara dos Deputados, 1998. In: . Acesso em: 10 set. 2008.

CÜCHE, Denys. A noção de cultura nas ciências sociais. Lisboa: Fim de Século, 1999.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: LTC Livros Técnicos e Científicos, 1989.

EAGLETON, Terry. A ideia de cultura. São Paulo: Ed. da Unesp, 2005.

GUIMARÃES, Antonio Sérgio Alfredo. Raças e os estudos de relações raciais no Brasil. Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, n. 54, p. 147-156, 1999.

LEITE, Dante Moreira. O caráter Nacional Brasileiro. 6. ed. São Paulo: Ed. da Unesp, 2002.

OLIVEN, Ruben George. A parte e o todo. A diversidade cultural no Brasil-nação. 2. ed. Petropólis: Vozes, 2006.

ORTIZ, Renato. Cultura Brasileira e Identidade Nacional. 4ª reimpressão. São Paulo: Brasiliense, 2003.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. Visões do Cárcere. Porto Alegre: Zouk, 2009.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, Silêncio. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 7-29, 1989.

QUERINO, Manuel. O colono preto como fator da civilização brasileira. Salvador, 1918. Disponível em:

resource/content/1/O%20colono%20preto%20como%20fator%20da%20civiliza%C3%A7%C3%A3o%20brasileira.pdf>. Acesso em: 10 set. 2008.

RAMOS, Ana Rosa Neves. Ética e política na Constituinte de 1946: os discursos de Jorge Amado. In: Cadernos de Pesquisas Literárias da PUCRS, Porto Alegre: PUCRS, 1998.

REIS, José Carlos. As identidades do Brasil. De Varnhagen a FHC. 6. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2003.

REIS, José Carlos Antonio. Do convívio e colaboração das raças: elogio da mestiçagem e reabilitação do negro em Manuel Querino. Dissertação (Mestrado) – Unesp, Franca, 2009.

ROMERO, Silvio. História da Literatura Brasileira. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2008.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. O Espetáculo das Raças – cientistas, instituições e questão racial no Brasil 1870-1930. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

SILVA, Vagner Gonçalves. Candomblé e Umbanda: caminhos da devoção brasileira. São Paulo: Summus Editorial, 2005.

SKIDMORE, Thomas E. Preto no Branco: raça e nacionalidade no pensamento brasileiro. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-4301.2016.s.22381

e-ISSN: 1984-4301 

 

Avaliação do Qualis CAPES - 2013/2016

ÁREA CAPES - Linguística / Literatura

CLASSIFICAÇÃO DE PERIÓDICO - B1



Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS