“O mal de Alzheimer nacional”: (in)justiça, história e literatura

Lua Gill da Cruz

Resumo


Cinquenta anos depois do golpe militar brasileiro, as artes ainda procuram refletir e representar o período. Um dos grandes exemplos da literatura brasileira contemporânea, e sobre o qual este texto pretende versar, é o livro K. (2011), de Bernardo Kucinski. A trama centra-se na busca de um pai, K., por sua filha, A., desaparecida política no período do regime militar, e para a qual exige justiça, através da construção de uma narrativa. A leitura da obra proposta buscará contrastar diferentes áreas do conhecimento, como História, Psicanálise, Política e Direito, em especial com o texto de Shoshana Felman, O inconsciente jurídico (2002). A perspectiva levantada pela autora é a de que os julgamentos e a lei, de maneira geral, reproduzem e repetem os traumas sociais e políticos, a partir do seu inconsciente jurídico (dotada dos conceitos de trauma e de inconsciente de Freud). Os julgamentos históricos são marcados pela sua impossibilidade de escuta da voz do testemunho, enquanto a literatura seria o espaço no qual a hipocrisia da violência é colocada à prova, garantindo a escuta daqueles que não tem voz garantida no ambiente jurídico.


Palavras-chave


K.; Ditadura; Julgamento; Inconsciente jurídico.

Texto completo:

PDF

Referências


BENJAMIN, Walter. Sobre o conceito da história. In: BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultural. Tradução de Sergio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1994. p. 222-232.

BRASIL. Relatório/Comissão Nacional da Verdade. Recurso eletrônico. Brasília: CNV, 2014. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2015.

CARUTH, Cathy. Unclaimed experience: trauma, narrative, and history. Baltimore; London: Johns Hopkins University Press, 1996.

FELMAN, Shoshana. Educação e crise, ou as vicissitudes do ensino. In: SELIGMANNSILVA, Márcio (org.). Catástrofe e representação. São Paulo: Escuta, 2000.

______. O inconsciente jurídico: julgamentos e traumas no século XX. Tradução de Ariani Bueno Sudatti. São Paulo: EDIPRO, 2014.

GINZBURG, Jaime. Linguagem e trauma na escrita do testemunho. In: SALGUEIRO, Wilberth (org.). O testemunho na literatura: representações de genocídios, ditaduras e outras violências. Vitória: EDUFES, 2011.

KUCINSKI, Bernardo. K. – relato de uma busca. São Paulo: Cosac Naify, 2014.

ENAN, Ernest. Qu’est-ce que c’est une nation? 1882. Disponível em: . Acesso em: 12 jun. 2015.

SANTOS, Cecilia MacDowell. A justiça ao serviço da memória: mobilização transjurídica nacional, direitos humanos e memória da ditadura. In: SANTOS, Cecilia MacDowell (org.);

TELES, Edson; TELES, Janaina de Almeida (coorg.). Desarquivando a ditadura: memória e justiça no Brasil. São Paulo: Hucitec, 2009.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. Anistia e (in)justiça no Brasil: o dever de justiça e a impunidade. In: SANTOS, Cecilia MacDowell (org.); TELES, Edson; TELES, Janaina de Almeida (coorg.). Desarquivando a ditadura: memória e justiça no Brasil. São Paulo: Hucitec, 2009.

TELES, Edson. Políticas do silêncio e interditos da memória na transição do consenso. In: SANTOS, Cecilia MacDowell (org.); TELES, Edson; TELES, Janaina de Almeida (coorg.). Desarquivando a ditadura: memória e justiça no Brasil. São Paulo: Hucitec, 2009.

TELES, Janaína de Almeida. Os trabalhos da memória: os testemunhos dos familiares mortos e desaparecidos políticos no Brasil. SELIGMANN-SILVA, Márcio; GINZBURG, Jaime; HARDMAN, Francisco Foot (org.). Escritas da violência. v. 2. Rio de Janeiro: 7Letras, 2012.

TOLSTÓI, Lev. A sonata a Kreutzer. Tradução de Boris Schnaiderman. São Paulo: Ed. 34, 2007.

ZUZU ANGEL. Direção de Sérgio Rezende. [Brasil]: DVD Vídeo, son., color., 4 3/4 pol., 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-4301.2016.s.22154

e-ISSN: 1984-4301 

 

Avaliação do Qualis CAPES - 2013/2016

ÁREA CAPES - Linguística / Literatura

CLASSIFICAÇÃO DE PERIÓDICO - B1



Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS