A linguagem da bula: um estudo de estruturas linguísticas do gênero

Carmelita Minelio da Silva Amorim, Lúcia Helena Peyroton da Rocha, Maria José Costa

Resumo


Este artigo apresenta um estudo de construções de passiva presentes em bulas de medicamentos elaboradas no Brasil, considerando a complexidade sintática, semântica e pragmática da língua portuguesa em uso, especialmente os esforços de seus produtores para atenderem às novas exigências da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), regulamentação normatizada no ano de 2009, que demanda, dentre outros aspectos, o uso de uma linguagem maisclara e objetiva, visando garantir aos leitores o acesso à informação segura e adequada para uso racional dos medicamentos. O objetivo da pesquisa é analisar a língua em uso no gênero bula, procurando especificamente identificar e discutir: a) as diferentes estruturas linguísticas presentes no texto das bulas selecionadas; b) se e quando são adotadas estratégias de apagamento do agente. Considerouse como pressuposto que, em textos mais formais e não ficcionais, como é o caso do gênero bula, seria mais frequente a utilização de estruturas passivas, com apagamento do agente motivado pela facilidade de recuperação das informações com base no conhecimento pragmático geral das pessoas. Na fundamentação teórica, partiu-se de uma visão histórica, com reflexões sobre a abordagem tradicional, passando-se em seguida pela abordagem formalista da língua, e adotando-se como referencial o Funcionalismo Linguístico de Givón (1984, 1995), Shibatani (1985) e Furtado da Cunha (2000), além de contribuições da Linguística Textual para análise do gênero. O corpus para a pesquisa foi selecionado de textos de bulas coletadas digitalmente do bulário eletrônico disponibilizado para acesso no portal da ANVISA e também de meios físicos, em caixas de medicamentos encontrados em residências ou farmácias. Escolheu-se analisar o texto de bulas dos medicamentos de uso mais corrente no Brasil, tomando como referência aqueles citados no portal da saúde e relacionados para venda em farmácia popular, que foram selecionados, aleatoriamente, dentre os mais conhecidos e comumente encontrados nos lares brasileiros, dando-se prioridade, no presente estudo, às bulas elaboradas para serem lidas por pacientes, ou seja, o público leigo. 


Palavras-chave


Construções de Passiva; Gênero Textual Bula; Funcionalismo Linguístico.

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Antônio Suárez de. Gramática mínima: para o domínio da língua padrão. 2. ed. São Paulo: Ateliê, 2003.

AMORIM, Carmelita Minelio da Silva; COSTA, Maria José; ROCHA, Lúcia Helena Peyroton. Estratégias de apagamento do agente no gênero manchete: um olhar funcionalista. Revista Saberes Letras, v. 10, 2012. p. 27-47.

ANVISA DISPONIBILIZA NOVAS BULAS NO BULÁRIO ELETRÔNICO. Sala de imprensa, 18 de abril de 2012. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/wps/content/anvisa+portal/anvisa/sala+de+imprensa/menu+-+noticias+anos/2012+noticias/anvisa+disponibiliza+novas+bulas+no+bulario+eletronico. Acesso em 20 dez. 2012.

BECHARA, Evanildo. Moderna gramática portuguesa. 37. ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 1999.

CHOMSKY, Noam. Syntactic Structures. The Hague: Mouton. 1957.

______. Lectures on Government and Binding. Dordrecht: Foris Publications, 1981.

COSTA, S. R. Dicionário de gêneros textuais. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

FURTADO DA CUNHA, Maria Angélica. A complexidade da passiva e as implicações pedagógicas do seu uso. Linguagem & Ensino, vol. 3, n. 1, p. 107-116, 2000.

GIVÓN, Talmy. Serial verbs and the mental reality of “event”: grammatical vs. cognitive packaging. In: TRAUGOTT; HEINE. (Eds.). Approaches to grammaticalization, v. 1, Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins Publishing Company, 1991. p. 81-127.

______. Functionalism and grammar. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins, 1995.

______. Syntax: a functional typological introduction. v. 1. Amsterdam: John Benjamins, 2001[1984].

IGNÁCIO, Sebastião Expedito. Análise sintática em três dimensões: uma proposta pedagógica. Franca: Ribeirão Gráfica e Editora, 2002.

LANGACKER, Ronald. The english passive. Concept, image and symbol: The Cognitive Basis of Grammar. Mouton de Gruyter, 1990. Cap. 4.

MARCUSCHI, Luiz Antonio. A questão do suporte dos gêneros textuais. 2003 (mimeo).

_________. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. In: DIONÍSIO, A. P.; MACHADO, A. R.; BEZERRA, M. A. (Orgs.). Gêneros textuais e ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2002.

_________. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. 2005 (mimeo).

MEILLET, Antoine. Linguistique historique et linguistique générale. Paris. 1948.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Bulário eletrônico da Anvisa. Disponível em: http://www4.anvisa.gov.br/BularioEletronico/. Acesso em 15 nov. 2012.

SAID ALI, Manuel. Gramática histórica da língua portuguesa. 3. ed. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1964.

SHIBATANI, Masayoshi. Passives and related constructions: a prototype analysis. Language, 61.4, p. 821-848, 1985.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-4301.2015.2.20401

e-ISSN: 1984-4301 

 

Avaliação do Qualis CAPES - 2013/2016

ÁREA CAPES - Linguística / Literatura

CLASSIFICAÇÃO DE PERIÓDICO - B1



Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS