A ordem VS em sentenças imperativas do português brasileiro

Rerisson Cavalcante de Araújo, Leonor Simioni

Resumo


Discutimos aspectos da ordem verbo-sujeito no português brasileiro (PB), a partir de dados de sentenças imperativas. Autores como Rivero (1994), Han (2001), Zeijlstra (2006) entre outros argumentam que VS em imperativas é derivada pelo movimento do verbo para C° para checar um traço [+imperativo], cruzando o sujeito em Spec,TP. A literatura sobre a posição dos constituintes no português considera que a ordem VS em declarativas e interrogativas se tornou restrita no PB devido à perda do movimento do verbo para C°. Nas imperativas, entretanto, VS continua produtiva mesmo com predicados multi-argumentais, o que sugere a hipótese de que o PB tenha mantido o movimento V-para-C em imperativas, apesar de tê-lo perdido em declarativas e interrogativas. Através da descrição e análise de vários contextos pragmáticos de uso de sentenças imperativas, demonstramos, contrariamente a tal hipótese, que: (i) o verbo imperativo permanece em T° no PB; (ii) a ordem VS corresponde, na verdade, a casos de VOS, mesmo quando a ordem é, aparentemente, VSO; (iii) a posição do sujeito não deriva do movimento do verbo, mas de processos de focalização que atuam em contextos pragmáticos distintos.


Palavras-chave


ordem VS; sentenças imperativas; interface sintaxe e pragmática; movimento

Texto completo:

PDF

Referências


BELLETTI, Adriana. Aspects of lower IP area. Università di Siena. 2001. Ms. Publicado posteriormente como Belletti (2004).

BELLETTI, Adriana. Aspects of lower IP area. In: RIZZI, Luigi. The Structure of IP and CP. V. 2. The Cartography of Syntactic Structures. Oxford: Oxford University Press, 2004.

CARDOSO, Daniela. A expressão do modo imperativo no dialeto gaúcho: uma regra variável. Revista Virtual de Estudos da Linguagem – ReVEL. Vol. 5, n. 9, agosto de 2007.

CAVALCANTE, Rerisson. Interação entre imperativo e negação. Revista de Estudos da Lingua(gem), dezembro de 2010. v. 8, n. 2, p. 9-36, 2010.

CAVALCANTE, Rerisson. (2011). Negative Imperatives in Portuguese and Other Romance Languages. In: HERSCHENSOHN, Julia (Org.). Romance Linguistics 2010: Selected papers from the 40th Linguistic Symposium on Romance Linguistics (LSRL), Seattle, Washington, março de 2010. 2011. p. 205–220.

CARDINALETTI, Anna. (2001). A second thought on emarginazione: destressing vs. ‘Right Dislocation’. In: CINQUE, G.; SALVI, G. P. (Eds.). Current Studies in Italian Syntax: essays offered to Lorenzo Renzi. Amsterdam: North Holland. p 117-135.

DUARTE, Eugênia. A perda do princípio “evite pronome” no português brasileiro. Tese de doutorado, UNICAMP, 1995.

HAN, Chung-Hye. Cross-linguistic variation in the compatibility of negation and imperatives. Proceedings of the 17th West Coast Conference on Formal Linguistics. CSLI, Stanford, 1999. p. 265-279.

HAN, Chung-Hye. Force, negation and imperatives. The Linguistic Review 18, p. 289-325, 2001.

KATO, Mary A. Strong and weak pronominals and the null subject parameter. PROBUS, v. 11, n. 1, p. 1-38, 1999.

KATO, Mary A. A restrição de monoargumentalidade da ordem VS no Português do Brasil. Fórum Lingüístico, Florianópolis, 2000.

KATO, Mary A.; MIOTO, Carlos. As interrogativas-Q do Português Brasiliero. Revista da ABRALIN, Belo Horizonte, MG, v. 4, n. 1 e 2, p. 171-196, 2005.

KATO, Mary A.; TARALLO, Fernando. Restrictive VS syntax in Brazilian Portuguese. 1988. Trabalho apresentado no GURT 1988, Washington.

KAYNE, Richard. The Antisymmetry of Syntax. Cambridge, MA: MIT Press, 1994.

LOPES ROSSI, Maria Aparecida Garcia. (1993). Estudo diacrônico sobre as interrogativas do português do Brasil. In: ROBERTS, Ian; KATO, Mary A. Português Brasileiro: uma viagem diacrônica. Campinas: Unicamp, 1993. p. 307-342.

LUCCHESI, Dante; LOBO, Tania. Aspectos da sintaxe do português brasileiro. In: In: FARIA, Isabel Hub; PADRO, Emília Ribeiro; DUARTE, Inês; GOUVEIA, Carlos A. M. (Org.). Introdução à Lingüística Geral e Portuguesa. Lisboa: Caminho, 1996. p. 303-312.

PILATI, Eloisa Nascimento Silva. Aspectos sintáticos e semânticos das orações com ordem Verbo-Sujeito no português do Brasil. Brasília: UNB. Tese de Doutorado, 2006.

POSTMA, Gertjam; WURFF, Wim van der. How to say no and don't: negative imperative in Romance and Germanic. In: WURFF, Wim van der. (Org.). Imperative Clauses in Generative Grammar: Studies Offered to Frits Beukema. Amsterdam: John Benjamins, 2007. p. 205-249.

POTSDAM, Eric. Analysing Word Order in the English Imperative. In: WURFF, Wim van der. (Org.). Imperative Clauses in Generative Grammar: Studies Offered to Frits Beukema. Amsterdam: John Benjamins, 2007. p. 251-271.

RIVERO, Maria-Luisa. Negation, imperatives and wackernagel effects. Rivista di Linguistica. v. 6, p. 39–66, 1994.

RIZZI, Luigi. The fine structure of the left periphery. In.: HAEGEMAN, Liliane (ed.) Elements of grammar: handbook in generative syntax. Dordrecht / Boston / London: Kluwer Academic Press, 1997.

SCHERRE, Maria Marta Pereira; CARDOSO, Daisy Bárbara Borges; LUNGUINHO, Marcus Vinicius da Silva; SALLES, Heloísa Maria Moreira Lima. Reflexões sobre o imperativo em Português. DELTA. v. 23, n. especial, p. 193-241, 2007.

SCHERRE, Maria Marta Pereira. Aspectos sincrônicos e diacrônicos do imperativo gramatical no português brasileiro. Alfa. São Paulo, v.51 (1).. p. 189-222, 2007.

SEARA, Izabel C.; FIGUEIREDO SILVA, Maria Cristina. Uma nota sobre o padrão entoacional das sentenças VS em português brasileiro. Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 42, n. 3, p. 114-128, 2007.

SIMIONI, Leonor; CAVALCANTE, Rerisson. Dois tipos de pronome “tu”. 2013. Não publicado.

TORRES MORAIS, Maria Aparecida C.R. Aspectos Diacrônicos do Movimento do Verbo, Estrutura da Frase e Caso Nominativo no Português do Brasil. In: ROBERTS, Ian; KATO, Mary A. (Orgs.). Português Brasileiro: uma viagem diacrônica. Campinas: Unicamp, 1993. p. 263-303.

WURFF, Wim van der. Imperative clauses in generative grammar: an introduction. In: WURFF, Wim van der. (Org.). Imperative Clauses in Generative Grammar: Studies Offered to Frits Beukema. Amsterdam: John Benjamins, 2007. p. 205-249.

ZANUTTINI, Raffaella. Syntactic properties of sentential negation: a comparative study of Romance languages. 1991. Tese (Doutorado) - University of Pennsylvania.

ZEIJLSTRA, Hedde H. The Ban on True Negative Imperatives. In: Empirical Issues in Syntax and Semantics. V. 6, p. 405-424, 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-4301.2015.2.20392

e-ISSN: 1984-4301 

 

Avaliação do Qualis CAPES - 2013/2016

ÁREA CAPES - Letras/Linguística 

CLASSIFICAÇÃO DE PERIÓDICOS NO QUADRIÊNIO 2013/2016 - B1



Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS