Pressuposição e a variação no presente do modo subjuntivo

Tatiana Schwochow Pimpão

Resumo


Nesta pesquisa, investiga-se a pressuposição em três contextos de variação entre o presente do modo subjuntivo e o presente do modo indicativo (orações concessivas introduzidas por embora, apesar de que e se bem que; orações causais introduzidas por não; e orações parentéticas) obtidos a partir de uma amostra de dados de fala: 24 entrevistas da cidade de Florianópolis/SC e 24 entrevistas da cidade de Lages (Banco de Dados do Projeto VARSUL). São dois os objetivos gerais: (i) reunir contextos linguísticos específicos por manifestarem, na interação comunicativa, um viés pragmático na medida em que são usados como estratégias de correção de pressuposição e (ii) oferecer um tratamento funcionalista para o uso variável do presente do modo subjuntivo e do modo indicativo nos contextos em análise. Defende-se que a propriedade de corrigir pressuposição manifesta-se nos três tipos de orações em análise, principalmente com verbos no presente do indicativo. O presente do subjuntivo é retido no contexto de modo subordinante (embora) e em algumas orações causais (não (é) que).


Palavras-chave


Pressuposição; Subjuntivo; Indicativo.

Texto completo:

PDF

Referências


AZEREDO, José Carlos de. Gramática Houaiss da língua portuguesa. 2ed. São Paulo: Publifolha, 2008.

BECHARA, Evanildo. Moderna gramática portuguesa. 37ed. (revista e ampliada). Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2006.

BORGES NETO, José. A incomensurabilidade e a “compatibilização” de teorias. Letras, Curitiba, 38, p. 43-66. 1989.

BURGO, Vanessa Hagemeyer; FERREIRA, Eduardo Francisco. Procedimentos que indicam menor grau de envolvimento do falante em entrevistas. In: Veredas. Juiz de Fora. 1/2011 (p. 367-382).

BYBEE, Joan.; PERKINS, Revere; PAGLIUCA, William. The evolution of grammar: tense, aspect, and modality in the languages of the world. Chicago: The University of Chicago press, 1994.

CALVET, Louis-Jean. Sociolinguística: uma introdução crítica. São Paulo: Parábola, 2002.

CUNHA, Celso. Gramática da língua portuguesa. Rio de Janeiro: FAE, 1992.

CUNHA, Celso; CINTRA, Lindley. Nova gramática do português contemporâneo. 4ed. Rio de Janeiro: Lexikon Editora Digital, 2007.

DELAHUNTY, Gerald P. A relevance theoretical analysis of not that sentences: “Not that there is anything wrong with that”. Pragmatics, 16, 2/3, p. 213-245. 2006.

DILLINGER, Mike. Forma e função na linguística. D.E.L.T.A., v. 7, n. 1, p. 395-407. 1991.

GALEMBECK, Paulo de Tarso; CARVALHO, Kelly Alessandra. Marcadores de preservação da face na fala culta de São Paulo e do Rio de Janeiro. In: Intercâmbio, vol. II, 1998 (p. 155-165).

GARCIA, Cintia Bartolomeu. As construções com mas e com embora sob a perspectiva funcionalista. In: Estudos Linguísticos XXXIII. Campinas: UNICAMP, 2004. p. 449-454.

GIVÓN, Talmy. Context as other minds: the pragmatics of sociality, cognition and communication. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins, 2005.

______. Functionalism and grammar. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins, 1995.

______. Syntax: an introduction. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins, vols. I e II, 2001.

GOUVÊA, Lúcia Helena Martins. Conectores concessivos e adversativos: uma visão discursiva. Scripta, Belo Horizonte, v.5, n.9, p. 234-240, 2º sem. 2001.

LABOV, William. Sociolinguistic patterns. Philadelphia: University of Pennsylvania Press, 1972.

______. Where does the linguistic variable stop? A response to Beatriz Lavandera. Working Papers in Sociolinguistics, 44, p. 1-17. 1978.

LAVANDERA, Beatriz. Where does the sociolinguistic variable stop? Paper presented at Linguistic Society of America Meeting, Chicago, p. 1-18.1977.

MAY, Guilherme. Discutindo o papel do funcional no sociofuncionalismo. Working Papers em Linguística, Florianópolis, v. 10, n. 2, p. 69-79, jul. dez. 2009.

MENDES DE ALMEIDA, Napoleão. Gramática metódica da língua portuguesa. 45ed. São Paulo: Saraiva, 2005.

MOURA NEVES, Maria Helena de. Gramática de usos do português. São Paulo: Editora da UNESP, 2000

NASCIMENTO, Milton do. Teoria gramatical e ‘Mecanismos funcionais do uso da língua’. D.E.L.T.A., v. 6, n. 1, p. 83-98. 1990.

PIMPÃO, Tatiana Schwochow Pimpão. O escopo da negação e o modo subjuntivo. In: Estudos Linguísticos. Bauru, 1999a. p. 719-724.

______. Uso variável do presente do modo subjuntivo: uma análise de amostras de fala e escrita das cidades de Florianópolis e Lages nos séculos XIX e XX. 2012. 350 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Centro de Comunicação e Expressão, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2012.

______. Variação no presente do modo subjuntivo: uma abordagem discursivo-pragmática. 1999b. 129f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Centro de Comunicação e Expressão, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 1999b.

RAJAGOPALAN, Kanavillil. Por uma linguística crítica: linguagem, identidade e a questão ética. São Paulo: Parábola, 2003.

REIS, Mariléia Silva dos. Atos de fala não-declarativos de comando na expressão do imperativo: a dimensão estilística da variação sob um olhar funcionalista. 2003. 212f. Tese (Doutorado em Linguística) – Centro de Comunicação e Expressão, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2003.

ROSA, Margaret. Marcadores de atenuação. São Paulo: Contexto, 1992.

ROST SNICHELOTTO, Cláudia. Olha e vê: caminhos que se entrecruzam. 2009. 411f. Tese (Doutorado em Linguística)  Centro de Comunicação e Expressão, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2009.

SAID ALI, Manuel. Gramática histórica da língua portuguêsa. 7ed. São Paulo: Melhoramentos, 1971.

SALGADO, Erica. Alguns aspectos da concessão com se bem que. Revista Letra Magna, n. 4, p. 449-454, set. 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-4301.2015.2.20376

e-ISSN: 1984-4301 

 

Avaliação do Qualis CAPES - 2013/2016

ÁREA CAPES - Linguística / Literatura

CLASSIFICAÇÃO DE PERIÓDICO - B1



Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS