Comprou, levou? Justaposição: procedimento sintático comum em propagandas

Violeta Virginia Rodrigues, Adriana Cristina Lopes Gonçalves

Resumo


Neste artigo, pretende-se defender a hipótese de que a justaposição pode ser vista como um procedimento sintático, que não se restringe ao âmbito do período composto por coordenação e, ainda, não simplesmente como um subtipo de uma das orações coordenadas – as assindéticas. Para tanto, recorre-se à noção de interdependência semântica e também aos aspectos prosódicos contorno entoacional e pausa, para diferenciar os casos de coordenação dos de justaposição. O aporte teórico utilizado envolve autores funcionalistas como Mann & Thompson (1987), Decat (2001) e ainda da área da publicidade como Sandmann (2010), só para citar alguns. Os (65) sessenta e cinco dados analisados são provenientes de portfólios de agências publicitárias vinculadas à Associação Brasileira das Agências de Publicidade (ABAP).


Palavras-chave


Língua Portuguesa, Sintaxe, Funcionalismo

Texto completo:

PDF

Referências


AZEREDO, José Carlos de. Iniciação à Sintaxe do Português. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1990.

BECHARA, Evanildo. Moderna gramática portuguesa. Rio de Janeiro: Editora Lucerna, 2000.

CUNHA, Celso e CINTRA, Lindley. Nova gramática do português contemporâneo. Rio de Janeiro: Lexikon Editora Digital, 2007.

CHAFE, Wallace L. The Pear Stories: cognitive, cultural, and linguistic aspects of narrative production. Norwood: Ablex, 1980.

DECAT, Maria Beatriz N. Estruturas desgarradas em Língua Portuguesa. Campinas: Pontes, 2001.

______. Aspectos da gramática do português: uma abordagem funcionalista. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2001.

______. "Leite com manga, morre!": Da hipotaxe adverbial no português em uso. Tese de doutorado: LAEL: PUC-SP, 1993.

Dias, M. e Rodrigues, V. Justaposição: processo sintático distinto da coordenação e da subordinação? In: RODRIGUES, Violeta Virginia (org.). Articulação de orações: pesquisa e ensino. Rio de Janeiro: UFRJ. 2010. p. 11-29.

DIAS, Maria de Lourdes Vaz Sppezapria. A articulação hipotática em construções proverbiais justapostas. 2009. fls. Dissertação de Mestrado. Univerisadade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009.

FERREIRA, Michelli Bastos. Cláusulas condicionais: uma abordagem funcional – dicursiva. 2007. fls. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2007.

FORD, Cecilia E. Variation in the intonation and punctuation of different adverbial clause types in spoken and written English. In: Santa Barbara Papers, volume 2: Discourse and grammar. California, 1992. p. 73-96

FOX, Anthony. Intonation, accent and rhythm: studies in discourse phonology. Berlim; New York: De Gruyter, 1984.

GARCIA, Othon Moacir. Comunicação em prosa moderna. 3ª. ed., Rio de Janeiro: FGV, 1975.

HALLIDAY, Mak. Fuctional Grammar. New York: Oxford University Press, 1994.

KURY, Adriano Gama. Novas lições de Análise Sintática. Rio de Janeiro: Ática, 2002.

LUFT, Celso Pedro. Gramática resumida. Porto Alegre: Globo, 1978.

Mann, W. C., Thompson, S. A. Relational propositions in discourse. Discourse Processes. v. 9, p. 57-90, 1986. http://dx.doi.org/10.1080/01638538609544632

NEY, João Luiz. Guia de análise sintática. Rio de Janeiro, s. ed., 1955.

OITICICA, J. Manual de análise léxica e sintática. 6ª ed., Rio de Janeiro, Francisco Alves, 1942.

RODRIGUES, Violeta Virginia. Articulação de orações pesquisa e ensino. Rio de Janeiro, UFRJ, 2010.

Rocha LIMA, Carlos Henrique da. Gramática Normativa da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: José Olympio, 1972.

Said Ali, M. Gramática secundária da língua portuguesa. São Paulo, Edições Melhoramentos, 1969.

SANDMANN, Antônio. A linguagem da propaganda. São Paulo. Contexto, 2010.

SOARES, Magda Becker e CAMPOS, Edson Nascimento. Técnica de redação. Rio de Janeiro: Imperial Novo Milênio, 1978.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-4301.2015.2.20348

e-ISSN: 1984-4301 

 

Avaliação do Qualis CAPES - 2013/2016

ÁREA CAPES - Linguística / Literatura

CLASSIFICAÇÃO DE PERIÓDICO - B1



Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS