Teoria da Leitura como contato cultural: deslocamentos, viagens e alteridade no ato da leitura de ficções.

Luiz Antonio Silva

Resumo


O presente artigo consiste numa análise dos pressupostos e contribuições da Teoria da leitura como contato cultural, criada por Gabriel Schwab, professora da Universidade da Califórnia, nos anos 90. Essa teoria defende o principio de que a leitura de textos literários permite uma espécie de negociação entre os limites culturais dos leitores e dos textos, assim, ler representa uma espécie de contato cultural. Ao mesmo tempo, percebe se que essa teoria é configurada a partir de um diálogo interdisciplinar entre as Teorias da Recepção e os Estudos Culturais, aspecto também analisado no presente estudo.


Texto completo:

PDF

Referências


BHABHA, Homi. O local da cultura. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1998.

BATESON, Gregory. Culture Contact and Schismogenesis. Steps to an Ecology of mind. New York: Ballantine/Random, 1972.

BOHANNAN, Laura. Shakespeare in the bush. Disponível em: http://www.naturalhistorymag.com/picks-from-the-past/12476/shakespeare-in-the-bush?page=4. Acesso em: jun 2014.

ESCOSTEGUY, Ana Carolina D. Uma introdução aos estudos culturais. Revista FAMECOS, Porto Alegre, n. 9, dez. 1998.

FISH, Stanley. Is there a text in this class? The authority of interpretive communities. Cambridge: Harvard UP, 1980.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Organização e tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.

GADAMER, Hans-Georg. Verdade e método: traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica. Tradução de Flávio Paulo Meurer. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 1999.

ISER, Wolfgang. O ato da leitura: uma teoria do efeito estético. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1996.

______. O fictício e o imaginário: perspectivas de uma antropologia literária. Rio de Janeiro: Eduerj, 1996.

______. Teoria da recepção: reação a uma circunstância história. In: ROCHA, João Cezar de Castro (Org). Teorias da ficção: indagações obra de Wolfgang Iser. Rio de Janeiro: Eduerj, 1999.

JAUSS, Hans Robert. A história da literatura como provocação à teoria literária. Trad. de Sérgio Tellaroli. São Paulo: Ática, 1994.

______. O prazer estético e as Experiências Fundamentais da Poiesis, Aesthesis e Katharsis. In: LIMA, Luis (org.). A literatura e o leitor - textos de Estética da Recepção. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da percepção. 2.ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

SANTIAGO, Silviano. Uma literatura Anfíbia. In: O cosmopolitismo do pobre. Belo Horizonte: Ed UFMG, 2004, , p. 64-73.

_______. Poder e Alegria: A literatura Brasileira pós-64-reflexões. In: Nas Malhas da Letra. São Paulo. Companhia das Letras, 1988, p. 11-23.

SCHWAB, Gabriele. Se ao menos eu não tivesse de manifestar-me: a estética da negatividade de Wolgang Iser. In: ROCHA, João Cezar de Castro (Org). Teoria da ficção: indagações à obra de Wolfgang Iser. Rio de Janeiro: EdUERJ, 1999.

______. The mirror and the Killer-Queen: Otherness in literary language. Bloomington: Indiana University Press, 1996.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-4301.2014.2.17901

e-ISSN: 1984-4301 

 

Avaliação do Qualis CAPES - 2013/2016

ÁREA CAPES - Linguística / Literatura

CLASSIFICAÇÃO DE PERIÓDICO - B1



Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 

Copyright: © 2006-2020 EDIPUCRS