A viagem existencial em Antonio de Beatriz Bracher

Sílvia Barros

Resumo


O presente artigo faz uma exposição do tema da viagem que se desdobra espacial e existencialmente. O personagem Teo, narrado pelas vozes de três diferentes narradores, é o viajante que, em sua jornada, sofre transmutação física e psicológica, seguindo um destino trágico que o leva a loucura. A tripla narração se revela como forma narrativa original no romance Antonio e permite uma leitura que se descola do simples conhecimento dos acontecimentos e nos leva à interpretação dos sentidos da própria viagem. 

 


Palavras-chave


Literatura Contemporânea; Viagem; Trágico

Texto completo:

PDF

Referências


BRACHER, Beatriz. Antonio. São Paulo: Ed. 34, 2007.

ECO, Umberto. História da beleza. Tradução Eliana Aguiar. Rio de Janeiro: Record, 2004.

HELENA, Lucia. Náufragos da esperança. Rio de Janeiro: Oficina Raquel, 2012.

RESENDE, Beatriz. Contemporâneos: expressões da literatura brasileira no século XXI. Rio de Janeiro: Casa da Palavras: Biblioteca Nacional, 2008.

NUNES, Benedito. A Rosa o que é de Rosa: literatura e filosofia em Guimarães Rosa. Organização Vitor Sales Pinheiro. Rio de Janeiro: DIFEL, 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-4301.2014.2.17856

e-ISSN: 1984-4301 

 

Avaliação do Qualis CAPES - 2013/2016

ÁREA CAPES - Linguística / Literatura

CLASSIFICAÇÃO DE PERIÓDICO - B1



Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS