Reminiscências do herói romanesco: o despertar dos sentidos na lembrança e a memória involuntária

Adriana Dusilek, Márcio Roberto Pereira

Resumo


O texto aborda a representação da memória em alguns narradores de romances brasileiros, de Recordações do Escrivão Isaías Caminha (1909), de Lima Barreto, a Diário da Queda (2011), de Michel Laub, focando duas importantes questões: a relação entre recordação e o despertar dos sentidos e o surgimento da memória involuntária. Tais matérias permeiam várias áreas do conhecimento, como a filosofia, a antropologia e a psicologia. Por isso, paralelamente ao modo como é elaborado o discurso do narrador, que reflete sobre a reminiscência, serão discutidos alguns pressupostos teóricos, recorrendo a intelectuais como Platão, Aristóteles, Paul Ricoeur, Henri Bergson, Marcel Proust, Walter Benjamin, entre outros.

Texto completo:

PDF


e-ISSN: 1984-4301


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.