Aquisição das categorias lexicais e gramaticais do aspecto da língua brasileira de sinais: criança surda com e sem implante coclear

Lidia da Silva

Resumo


O objeto de estudo desta pesquisa é aquisição da categoria aspectual por duas crianças surdas, sendo que uma delas passou pelo procedimento cirúrgico de implante coclear (IC). Nossa pergunta norteadora é se as hipóteses que se ocupam em explicar o processo de aquisição da categoria aspectual por uma criança surda apontadas em Silva (2010) se aplicam também à criança surda que tem IC. Para refletir sobre isso, tomamos Comrie (1976) e Finau (2004) e, em ambos, as considerações linguísticas recaíram sobre o enfoque lexical e gramatical do aspecto e sobre a oposição entre perfectivo e imperfectivo. Nossa pesquisa é de natureza espontânea e os sujeitos investigados são crianças com pseudônimos de ANA e BRUNO. Ambos são surdos, filhos de pais surdos e estavam adquirindo a Libras como sua primeira língua. ANA e BRUNO foram filmados por mais de três anos e todos estes dados são do corpus do grupo de pesquisa sobre aquisição de língua brasileira de sinais da UFSC, dirigido por Ronice Muller de Quadros. Para transcrição, adotamos Sistema de Notação por Palavras (Felipe, 1998). Em análise, percebemos que tanto ANA quanto BRUNO produzem predominantemente aspecto lexical perfectivo e que as produções de aspecto gramatical ocorrem via flexão. Essas flexões ocorrem por meio de alteração morfológica (movimento), e são de ordem perfectiva, majoritariamente. Com isso, identificamos que uma criança surda que tem estimulação da língua oral, por meio da presença do IC e, por consequência, uma orientação bilíngue/bimodal, apresenta as mesmas produções linguísticas da categoria aspectual em Libras de um usuário monolíngue desta língua. Ou seja, identificamos que as mesmas hipóteses que explicam o processo aquisicional da categoria aspecto por uma criança surda apontadas em Silva (2010) se aplicam também à criança surda que tem pais surdos e que tem IC.

 


Palavras-chave


Aspecto; Aquisição da linguagem; Libras; Implante coclear.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDERSEN, R. The acquisition and use of Spanish and English as first and second languages. Washington DC: TESOL, 1986.

ANTINUCCI, F.; MILLER, R. How children talk about what happened. Journal of Child Language, v. 3, p. 167–189, 1976.

BENVENISTE, E. Problemas de linguística geral II. Trad; Eduardo Guimarães ET. All. Campinas: Pontes, 1989.

BRONCKART, J-P.; SINCLAIR, H. Time, tense and aspect. Cognition, v. 2, p. 107-130, 1973.

COMRIE, B. Aspect: an introduction to the study of verbal aspect and related problems. Londres: Cambridge University Press, 1976.

FELIPE, T. A relação sintático-semântica dos verbos na Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS). Curso de Pós-Graduação em Linguística e Filologia (Doutorado em Linguística e Filologia), Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1998.

FINAU, R. A. Os sinais de tempo e aspecto na LIBRAS. 2004. 238 f. Tese (Doutorado em Letras) – Curso de Pós-Graduaçao em Letras, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2004.

JACOBSON, J. L. et al. Paralinguistic features of adult speech to infants and small children. Child Development, v. 54, n. 2, p. 436-442, 1986.

JOHNSON, B.; FEY, M. Interaction of lexical and grammatical aspect in toddlers’ language. Journal of Child Language, v. 33, p. 419-435, 2006.

LI, P.; BOWERMAN, M. The acquisition of lexical and grammatical aspect in Chinese. First Language, v. 18, p. 311-350, 1998.

LOPES, R.; QUADROS, R. Traços semânticos na aquisição da linguagem: há efeitos de modalidade de língua? Revista da ABRALIN, v. 4, n. 1 e 2, p. 75-108, 2005.

OSAWA, F. The relation between Tense and Aspect: The Emergence of the Tsystem. UCL Working Papers in Linguistics, v. 11, p. 521-543, 1999.

QUADROS, R. M. de; CRUZ, C. R.; PIZZIO, A. L. Memória fonológica em crianças bilíngues bimodais e crianças com implante coclear. ReVEL, v. 10, n. 19, 2012.

REICHENBACH, H. ELEMENTS OF SYMBOLIC LOGIC. NEW YORK: MACMILLAN COMPANY, 1947.

REIS, F. E. B; LOPES, R. E. V. Tempo e aspecto na linguagem de uma criança brasileira. Língua, literatura e ensino, v. 3, p. 473-481, Maio 2008.

SILVA, L. Investigando a categoria aspectual na aquisição da língua brasileira de sinais. 2010. 154 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Curso de Pós-Graduação em Linguística, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2010.

STUMPF, M. R.; QUADROS, R. M.; LEITE, T. A. Estudos da Língua Brasileira de Sinais. Volume II. Insular, 2014.

VENDLER, Z. Verbs and times. Philosophical Review, v. 66, n. 2. p. 143-160, 1957.

VERKUYL, H. J. A theory of aspectuality: the interaction between temporal and atemporal structure. New York: University of Cambridge, 1993.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-4301.2014.1.16777

e-ISSN: 1984-4301 

 

Avaliação do Qualis CAPES - 2013/2016

ÁREA CAPES - Linguística / Literatura

CLASSIFICAÇÃO DE PERIÓDICO - B1



Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS