A influência dos antecedentes disponíveis e não-disponíveis da anáfora “ele(a) mesmo(a)” em português brasileiro (PB)

Rosana Costa de Oliveira, José Ferrari Neto, Janaína Barros Castor

Resumo


Nesta pesquisa, investigamos o processamento das relações correferenciais do português brasileiro (PB) com o objetivo de compreender como esse processo se desenvolve na mente dos falantes dessa língua. Buscamos compreender como os Princípios A e B da Teoria da Ligação (Binding Theory, CHOMSKY, 1986) atuam na interpretação das anáforas correferenciais em sentenças com pronome reflexivo. Utilizando a técnica de leitura automonitorada, replicamos o trabalho aplicado por Oliveira et al. (2012), que investiga a influência dos antecedentes disponíveis e não disponíveis no processamento da anáfora “a si mesmo(a)”, substituindo apenas seu termo anafórico, “a si mesmo(a)”, por “ele(a) mesmo(a)”. Neste caso, dividimos “ele(a) mesmo(a)” em dois segmentos, com o intuito de verificar se o processamento do primeiro segmento será afetado pelo Princípio B, ou seja, se “ele(a)” irá se vincular ao antecedente fora do domínio de escopo da anáfora, ou, ao chegar ao segmento seguinte “mesmo(a)” haveria uma reanálise de sua decisão inicial a partir de um processo interpretativo que forçaria a aplicação do Princípio A. Os resultados encontrados corroboram o estudo feito em inglês por Nicol e Swinney (1989), assim como vão na mesma direção dos resultados obtidos por Oliveira, Leitão e Henrique (2012) para o português. Em ambos os trabalhos, a anáfora estabelece relação com o antecedente disponível, ou seja, o mais próximo em termos da Teoria da Ligação. 


Palavras-chave


Teoria da Ligação; Processamento Correferencial; Anáforas.

Texto completo:

PDF

Referências


BADECKER, W.; STRAUB, K. The processing role of structural constraints on the interpretation of pronouns and anaphors. Journal of Experimental Psychology: Learning, Memory, and Cognition, v. 28, n. 4, p. 748-769, 2002.

CHOMSKY, N. Lectures on government and binding. Dordrecht: Foris, 1981.

CLIFTON, C.; KENNISON, S. M.; ALBRECHT, J. E. Reading the Words Her, His, Him: Implications for Parsing Principles Based on Frequency and on Structure. Journal of Memory and language, v. 36, n. 17, p. 246-292, 1997.

KENNISON, S. Comprehending the pronouns her, him, and his: implications for theories of referential processing. Journal of Memory and Language, 2003.

LEITÃO, M.; PEIXOTO, P.; SANTOS, S. Processamento da correferência intra-sentencial em português brasileiro. Veredas on-line, n. 2, p. 50- 61, 2008.

MIOTO, C.; SILVA, M. C.; VASCONCELLOS, R. Novo Manual de Sintaxe. Florianópolis: Insular, 4. ed., 2010.

NICOL, J.; SWINNEY, D. The role of structure in coreference assignment during sentence comprehension. Journal of Psycholinguistic Research, v. 18, n. 1, p. 5-20, 1989.

OLIVEIRA, R.; LEITÃO, M. M.; HENRIQUE, J. A Influência dos Antecedentes Vinculados e não vinculados no processamento da anáfora “a si mesmo(a)”. Linguística, v. 8, n. 2, 2012, p. 115-134. ISSN Versão Digital: 2238-975-X | ISSN Versão Impressa: 1808-835-X.

OLIVEIRA, R.; LEITÃO, M. M.; ARAÚJO, E. A Influência dos Antecedentes Vinculados e não vinculados no processamento da anáfora “ele(a) mesmo(a)”. Revista do GELNE, Grupo de Estudos Linguísticos do Nordeste, v. 5, n. 1 e 2, Natal: UFRN, 2013, p. 115-134. ISSN Versão Digital: 2236-0883 | ISSN Versão Impressa: 1517-7874.

RAPOSO, E. P. Teoria da Gramática. A Faculdade da Linguagem. Editorial Caminho, SA, Lisboa, 1992.

STURT, P. The time-course of the application of binding constraints in reference resolution. Journal of Memory and Language, v. 48, p. 542-562, 2003.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-4301.2014.1.16710

e-ISSN: 1984-4301 

 

Avaliação do Qualis CAPES - 2013/2016

ÁREA CAPES - Linguística / Literatura

CLASSIFICAÇÃO DE PERIÓDICO - B1



Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS