Memórias de guerra na literatura brasileira contemporânea: dissolução de um passado concreto

Regina Célia dos Santos Alves, Willian André

Resumo


Este estudo tem por objetivo deitar olhos sobre certa vertente da literatura brasileira contemporânea que, em oposição à construção bem definida de um passado apreensível, opta por embrenhar-se pelas malhas da dissolução, tornando borrada/distorcida a memória da experiência vivida. Especificamente, pretendemos tratar, aqui, das memórias da guerra. Para tanto, serão analisados trechos de dois textos em prosa publicados na segunda metade do século XX, separados por certo intervalo temporal: o romance Vaca de nariz sutil (1961), de Campos de Carvalho, e a novela “O oco” (1973), de Hilda Hilst. Os narradores de ambos os textos pretendem construir memórias de uma guerra vivida, mas tais memórias prescindem de referências espaço-temporais precisas: sabemos apenas que houve a guerra, mas é impossível determinar quando ou onde ela ocorreu, e mesmo contra quem ou em razão de quê se lutava.

Palavras-chave


memórias da guerra; literatura brasileira contemporânea; dissolução da identidade

Texto completo:

PDF

Referências


CAMUS, Albert. O mito de Sísifo. Trad. Ari Roitman e Paulina Watch. 6 ed. Rio de Janeiro/São Paulo: Record, 2008.

CARVALHO, Campos de. Vaca de nariz sutil. 4 ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2008.

HILST, Hilda. O oco. In: ________. Kadosh. São Paulo: Globo, 2002, p. 125-200.

HUTCHEON, Linda. Poética do pós-modernismo. Trad. Ricardo Cruz. Rio de Janeiro: Imago, 1991.

JAMESON, Fredric. Pós-modernismo: a lógica cultural do capitalismo tardio. Trad. Maria Elisa Cevasco. 2 ed. São Paulo: Ática, 1997.

MAUROIS, André. De Proust a Camus. Trad. Fernando Py. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1965.

RICOEUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Trad. Alain François [et al.]. Campinas: Editora da Unicamp, 2012.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. Trauma, testemunho e literatura. In: ________. O local da diferença: ensaios sobre memória, arte, literatura e tradução. São Paulo: Ed. 34, 2005, p. 63-118.

VILLAÇA, Nízia. Paradoxos do pós-modernismo: sujeito e ficção. Rio de Janeiro: UFRJ, 1996.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-4301.2014.1.16686

e-ISSN: 1984-4301

Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional , que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.