Rakushisha: Heterotopias, não-lugares e silêncio

Ana Amélia Gonçalves da Costa

Resumo


Resumo: “Essa história começa ao rés do chão, com passos”. Assim Michel de Certeau inicia o capítulo “A fala dos passos perdidos”, contido no livro A Invenção do Cotidiano. No citado capítulo, de Certeau aproxima o ato de caminhar ao processo enunciativo. Diz ele: “Existe uma retórica da caminhada. A arte de moldar frases tem como equivalente uma arte de moldar percursos” (DE CERTEAU, 2000, 179). Entretanto, ainda segundo de Certeau, uma figuração mais onírica da prática do espaço nos leva a definir que “caminhar é ter falta de lugar. É o processo indefinido de estar ausente e à procura de um próprio” (DE CERTEAU, 2000, 183). “Para andar, basta colocar um pé depois do outro. Um pé depois do outro” (LISBOA, 2007, p. 9). Com esta frase, a escritora carioca Adriana Lisboa inicia seu romance Rakushisha. Quem caminha, escreve e nasce é Celina, a protagonista de Lisboa. Três ações sobrepostas, tal como a estrutura narrativa do romance em questão.  Do Rio de Janeiro ao Japão, a personagem Celina transita pelos não-lugares da supermodernidade, termos conceituados por Marc Augé. Para ser anônima, entretanto, e ganhar o direito de tornar-se similar, Celina precisa recuperar sua identidade, precisa “assinar o contrato” com os outros usuários do não-lugar. E é assim que o Diário de Saga, escrito pelo poeta japonês Matsuo Bashô no século XVII, fará com que a protagonista de Rakushisha se olhe no espelho e se reconheça ‘um’. Espelho que, segundo Michel Foucault, é a “experiência mista, mediana” entre a utopia (modelo ideal) e a heterotopia (modelo real).

Palavras-chave


identidade; anonimato; não-lugar; heterotopia

Texto completo:

PDF

Referências


AUGÉ, Marc. Não-lugares: introdução a uma antropologia da supermodernidade. Tradução de Maria Lúcia Pereira. 7. ed. São Paulo: Papirus, 1994.

BARTHES, Roland. O Império dos Signos. Tradução de Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

CAMPOS, Haroldo de. A Arte no horizonte do provável. São Paulo: Perspectiva, coleção Debates, n. 16, 1977.

DE CERTEAU, Michel. A Invenção do Cotidiano. 1. Artes de fazer. Tradução de Ephraim Ferreira Alves. 5. ed. Petrópolis: Editora Vozes, 2000.

FOUCAULT, Michel. “Outros Espaços”. In: Ditos e Escritos III: Estética: Literatura e Pintura, Música e Cinema. Tradução de Manoel Barros da Motta. São Paulo: Forense, 2006.

LISBOA, Adriana. Rakushisha. Rio de Janeiro: Editora Rocco, 2007.

MAINGUENEAU, Dominique. O contexto da obra literária: enunciação, escritor, sociedade. Tradução de Marina Appenzeller. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

MIRANDA, Wander Melo. Corpos escritos. São Paulo: Edusp; Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1992.

TODOROV, Tzvetan. A literatura em perigo. Tradução de Caio Meira. Rio de Janeiro: DIFEL, 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-4301.2014.1.16656

e-ISSN: 1984-4301 

 

Avaliação do Qualis CAPES - 2013/2016

ÁREA CAPES - Linguística / Literatura

CLASSIFICAÇÃO DE PERIÓDICO - B1



Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS