Alumbramento e Pensamento Originário

André Vinícius Pessôa

Resumo


RESUMO: Destaca-se neste artigo a possível relação do poema “Alumbramento”, de Manuel Bandeira, com o mito da caverna de Platão e com a alétheia dos antigos gregos. A partir da contribuição dos pensadores originários, ou pré-filosóficos, no resgate de suas questões essenciais, acresce-se a crítica da metafísica nos destinos do pensamento ocidental e na relação do homem com o poético. O olhar alumbrado do poema de Bandeira é transvisto pelo pensamento de Martin Heidegger, pelo qual se retoma a questão da alétheia como a antiga experiência da verdade, conjugada à phýsis e ao lógos, na dimensão do Ser, a partir do mito platônico, do poema de Parmênides, “Da natureza”, ou “Acerca da Nascitividade”, e de alguns fragmentos de Heráclito. 


Palavras-chave


alumbramento; pensamento originário; Manuel Bandeira; poesia

Texto completo:

PDF


e-ISSN: 1984-4301 

 

Avaliação do Qualis CAPES - 2013/2016

ÁREA CAPES - Linguística / Literatura

CLASSIFICAÇÃO DE PERIÓDICO - B1



Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS