Ciência, razão e sintoma em Memórias do Subsolo

Ana Carolina Huguenin Pereira

Resumo


Do mundo fechado ao universo infinito – a frase do filósofo russo Alexander Koyré, título de obra homônima, expressa o movimento histórico (re) definidor da modernidade ocidental. O “mundo fechado” seria aquele relacionado ao cosmos aristotélico, inatingido pelo impacto revolucionário dos métodos e linguagens científicos modernos, pelo longo esforço de redefinição intelectual genericamente denominado Revolução Científica. Em Memórias do Subsolo, um “homem doente” revela um mal-estar intratável pelos especialistas do discurso científico. Nesta obra, Dostoiévski apresenta questões diversas concernentes à modernidade e ao avanço do racionalismo oitocentista; ao fazê-lo, o autor antecipa e desenvolve (conferindo forte expressão literária a) questões discutidas ao longo do século XIX e XX, por exemplo pela psicanálise e pela filosofia da ciência. O objetivo do presente artigo é apontar, de forma breve, essas possíveis interlocuções, salientando as contradições, falhas e críticas, direcionadas por Dostoiévski, ao “universo infinito” que se expandia sobre a Rússia do século XIX. 


Palavras-chave


F.M. Dostoiévski; Memórias do subsolo; Modernidade; A. Koyré

Texto completo:

PDF


e-ISSN: 1984-4301 

 

Avaliação do Qualis CAPES - 2013/2016

ÁREA CAPES - Linguística / Literatura

CLASSIFICAÇÃO DE PERIÓDICO - B1



Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS