HABERMAS E ROUSSEAU: UMA RELAÇÃO DIFÍCIL

José Heck

Resumo


RESUMO: A ética do discurso tem a ver com uma implícita teoria da justiça. Ela tem condições para abandonar sua pretensa neutralidade e destacar de maneira positiva as condições sociais que, de um ponto de vista teórico, favoreçam o conceito de legitimidade da ética do discurso. A tese da limitação ético-discursiva deve ser revista e corrigida. O conteúdo normativo não se esgota com a formulação da regra de argumentação, ou seja, com o princípio discursivo da universalização. A doutrina habermasiana sobre moral e direito tem estofo normativo para abordar constelações sociais que ferem ostensivamente os princípios democráticos. O trabalho procura esclarecer se a proximidade que Habermas estabelece com o contrato social de Rousseau favorece ou impede uma inserção mais clara de seu patrimônio intelectual realidade social dos povos.

PALAVRAS-CHAVE: Habermas. Rousseau. Moral. Vontade geral. Ética do discurso. Filosofia do direito.

Texto completo:

PDF


Copyright: © 2014 EDIPUCRS

O conteúdo dos textos publicados pela intuitio é de inteira responsabilidade de seus respectivos autores e não expressa necessariamente as opiniões de seus editores.

Revista eletrônica dos discentes do Programa de Pós-Graduação em Filosofia da PUCRS.
ISSN 1983-4012

Indexação: LATINDEX

Programa de Pós-Graduação em Filosofia - PUCRS
Veritas

EDIPUCRS: Revistas Eletrônicas da PUCRS
PORTAL: www.pucrs.br

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons
Este trabalho foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição - NãoComercial - SemDerivados 3.0 Não Adaptada.