A arqueologia foucaultiana da hermenêutica renascentista

Richer Borges Souza (PUCRS/UFRGS)

Resumo


A filosofia contemporânea tem como uma de suas características a da bifurcação metodológica entre formalização e interpretação, isto é, a da possibilidade de optarmos entre a via analítica ou a via hermenêutica. Para Foucault, as técnicas interpretativas que utilizamos hodiernamente são derivadas daquelas utilizadas por Nietzsche, Marx e Freud. Porém, ao voltar sua atenção às condições de possibilidade históricas das distintas filosofias e das ciências humanas, Foucault revela que em determinados períodos de nossa cultura o emprego destas vias metodológicas não se dava a partir de uma tomada de decisão consciente do Sujeito. Neste trabalho, pretendemos apresentar a arqueologia foucaultiana dos saberes renascentistas, realizada na obra As palavras e as coisas, na qual o filósofo defende que a hermenêutica, para além de ser a via característica dos saberes deste período, foi, sobretudo, a única possível.

Palavras-chave


Linguagem; Arqueologia; Renascença; Semelhança; Saber; Hermenêutica

Texto completo:

PDF


e-ISSN: 1983-4012


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.