O problema da teoria das espécies e a origem do conhecimento humano em Tomás de Aquino

Lucas Nogueira Borges

Resumo


As discussões sobre a teoria das espécies em Aquino estão situadas em três interpretações que discorrem acerca das relações dos atos do intelecto humano com o objeto externo. A primeira interpretação refere-se à espécie como um modo de acesso direto ao objeto, em que o intelecto seria capaz de acessá-lo por sua própria natureza. A teoria das espécies de Tomás, nessa interpretação, é classificada como um realismo direto ingênuo. A segunda interpretação estabelece, ao contrário, um representacionalismo. As espécies não seriam o primeiro objeto da apreensão. No processo do conhecimento, o objeto exterior seria conhecido secundariamente. Uma terceira interpretação sobre as espécies é a de um realismo direto modificado. Essa interpretação sustenta que as espécies são recursos cognitivos necessários, não implicando diferenças com o objeto externo. O intelecto visa o objeto externo. Por isso, o objeto externo é apreendido primariamente, enquanto a espécie, secundariamente, por um ato reflexivo. A proposta deste trabalho consiste em rever o debate entre Tomás e o platonismo acerca da origem do conhecimento humano, partindo dessas três interpretações descritas acerca das espécies inteligíveis. Num segundo momento, mostrar como as espécies inteligíveis podem ser tanto o id quod quanto o id quo, pois, no primeiro caso, a forma do objeto externo enquanto presente no intelecto é idêntica à forma do objeto externo no modo natural. No segundo caso, como a intelecção de algo material no modo imaterial necessita de um intermediário, mas não de um intermediário que seja o primeiro objeto de conhecimento intelectivo.


Palavras-chave


Teoria das espécies; Realismo; Representacionalismo; via Platonica; Tomás de Aquino

Texto completo:

PDF

Referências


AMATUCCI, Marcos. A refutação do idealismo. Synesis, Petrópolis, v. 7, n. 2, 2015, p. 116-188, jul./dez. 2015. Tradução de MOORE, G. E. The refutation of idealism.

Disponível em: http://seer.ucp.br/seer/index.php/synesis/article/view/908/432. Acesso em: 20 set. 2018.

AQUINO, Tomás de. Suma Teológica, Primeira Parte, questão 15: sobre as ideias. Tradução: Carlos Eduardo de Oliveira. Discurso, São Paulo, n. 40, p.309-328, 2012.

Disponível em: https://doi.org/10.11606/issn.2318-8863.discurso.2010.68302. Acesso em: 15 set. 2018.

https://doi.org/10.11606/issn.2318-8863.discurso.2010.68302

AQUINO, Tomás de. Suma de Teologia: primeira parte - questões 84-89. Tradução: Carlos Arthur Ribeiro Nascimento. 2. ed. Uberlândia: Edufu, 2010.

https://doi.org/10.14393/edufu-978-85-7078-441-4

CÍCERO, M. T. Discussões tusculanas. Tradução: Bruno Fregni Bassetto. Uberlândia: Edufu, 2014.

https://doi.org/10.14393/EDUFU-978-85-7078-308-0

ADRIAENSSEN, Han Thomas. Representation and scepticism from Aquinas to Descartes. Cambridge: Cambridge University Press, 2017.

https://doi.org/10.1017/9781316855102

BALTUTA, Elena. Aquinas on intellectual cognition: the case of intelligible species. Philosophia, [s. l.], v. 41, n. 3, p. 589-602, Sept. 2013.

Disponível em: http://dx.doi.org/10.1007/s11406-013-9481-y. Acesso em: 20 set. 2018.

https://doi.org/10.1007/s11406-013-9481-y

HENLE, R. J. Saint Thomas and platonism: a study of the plato and platonici texts in the writings of Saint Thomas. The Hague: Martinus Nijhoff, 1970.

https://doi.org/10.1007/978-94-010-3167-7_1

KRETZMANN, Norman. Philosophy of mind. In: KRETZMANN, Norman; STUMP, Eleonore (org.). The Cambdridge companion to Aquinas. 5th ed. Cambridge: Cambridge University Press, 1998. p. 128-160.

https://doi.org/10.1017/ccol0521431956.006

PASNAU, Robert. Theories of cognition in the later middle ages. Cambridge: Cambridge University Press, 1997.

PANACCIO, Claude. Aquinas on Intellectual Representation. Cahiers d’Épistémologie, Montréal, n. 265, p. 03-21, 2000.

Disponível em: https://www.yumpu.com/en/document/read/27600278/cahiers-dapistamologie-uqam. Acesso em: 03 jan. 2019.

PERLER, Dominik. Essentialism and direct realism: some late medieval perspectives. Topoi, Amsterdan, v. 19, n. 2, p. 111-122, Dec. 2000.

Disponível em: http://dx.doi.org/10.1023/a:1006425008627. Acesso em: 13 set. 2018.

PERLER, Dominik. Theorien der Intentionalität im Mittelalter. 2nd ed. Frankfurt Am Main: Vittorio Klostermann, 2004.

https://doi.org/10.1163/18756735-90000834

THOMAS, & ALARCÓN, E. S. Thomae de Aquino Opera omnia. Pamplona: Ad Universitatis Studiorum Navarrensis, 2001.

Disponível em: https://www.corpusthomisticum.org/iopera.html. Acesso em: 20 set. 2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1983-4012.2019.1.32251

O conteúdo dos textos publicados pela intuitio é de inteira responsabilidade de seus respectivos autores e não expressa necessariamente as opiniões de seus editores.

Revista eletrônica dos discentes do Programa de Pós-Graduação em Filosofia da PUCRS.


e-ISSN: 1983-4012

 


Indexação: LATINDEX 

 


Programa de Pós-Graduação em Filosofia - PUCRS
Veritas

EDIPUCRS: Revistas Eletrônicas da PUCRS
PORTAL: www.pucrs.br

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS