A dialética do ser-nada-devir: desdobramentos da ciência da lógica de Hegel

Lauro Ericksen

Resumo


O trabalho tem o escopo geral de mostrar os aspectos mais relevantes dos desdobramentos filosóficos contidos na “Ciência da Lógica” de Hegel, enfocando-se nos elementos dialéticos da sistemática do ser-nada-devir. Seus objetivos específicos são: identificar os conceitos de cada unidade lógica, descrevendo suas funções no entendimento onto-metafísico da realidade; expor a unidade e a oposição contidas nos conceitos mínimos de ser e de nada; e escrutinar as possibilidades do pensamento sobre a realidade extraídas das formas categoriais da dialética do ser, do nada e do devir. Metodologicamente, segue-se a assertiva hegeliana da busca pelo puro ser, como uma noção mínima de uma categoria lógica que possibilita a assunção de uma nova premissa básica de assentamento da filosofia em sua conceituação lógica. Como resultado, tem-se que a verdade desse sistema dialético pode ser compreendida como o trespasse lógico entre o ser e o nada em direção ao devir, a essência de qualquer posicionamento metafísico. Conclui-se que as contribuições de Hegel para a filosofia e para a construção de uma ciência da lógica moderna são bastante coesas e sólidas, de modo que estabelecem uma base importante para um novo implemento filosófico baseado na compreensão lógica da realidade metafísica.


Palavras-chave


Metafísica, Lógica, Ser, Nada, Devir.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBIZU, E. Hegel, Filósofo Del Presente. Buenos Aires: Almagesto, 2000.

BEISER, F. Hegel. New York: Routledge, 2005.

BONACCINI, Juan Adolfo. A Dialética em Kant e Hegel: Ensaio Sobre o Problema da Relação Entre Ser e Pensar. Natal: EdUFRN, 2000.

BRINKMANN, K. “The Dialetic of the Inverted World and The Meaning of Aufhebung”. In: LIMNATIS, N. The Dimensions of Hegel's Dialectic. New York: Continuum, 2010. pp.123-139.

BURBIDGE, J. W. The Logic of Hegel's Logic: An Introduction. Peterborough: Broadview Press, 2006.

BUTLER, C. Hegel's Logic: Between Dialectic and History. Chicago: Northwestern University Press, 1996.

DE VRIES, W. “Hegel's Logic and Philosophy of Mind”. In: SOLOMON, Robert C.; HIGGINS, Kathleen M. (Org.). The age of German idealism. New York: Routledge, 2003. pp.216-253.

FOSTER, M. N. Hegel’s Idea of Phenomenology of Spirit. Chicago: The University of Chicago Press, 1998.

GALLAGHER, S. Hegel, History, and Interpretation. Albany: SUNY Press, 1997.

HARTNACK, J. An Introduction to Hegel's Logic. Tradução de Lars Ågård-Mogensen. Indianapolis: Hackett, 1998.

HEGEL, G. W. F. Science of Logic. Tradução de W. H. Johnston e L. G. Struthers. London: George Allen & Unwin, 1951.

HEIDEGGER, M. Ser e Tempo. Tradução de Márcia Sá Cavalcante Schuback. 3. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2008.

HOFFMAN, P. Doubt, Time, Violence. Chicago: The University of Chicago Press, 1989.

HOULGATE, S. The Opening of Hegel’s Logic: From Being to Infinity. West Lafayette: Purdue University Press, 2006.

MARCUSE, H. Reason and Revolution: Hegel and The Rise of Social Theory. New York: Routledge, 1986.

SCHLITT, D. M. Hegel's Trinitarian Claim: A Critical Reflection. Leiden: E. J. Brill, 1984.

UCHIDA, H. Marx's Grundrisse and Hegel's Logic. New York: Routledge, 1988.

WARE, R. B. Hegel: The Logic of Self-Consciousness and The Legacy of Subjective Freedom. Edinburgh: Edinburgh University Press, 1999.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1983-4012.2017.1.25904

e-ISSN: 1983-4012


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.