Evidência e Significação nas Investigações Lógicas: o papel do conceito de evidência na semântica e na epistemologia de Husserl

Yuri José Victor Madalosso

Resumo


O objetivo deste artigo é analisar as relações entre a teoria semântica, a teoria psicológica e a teoria epistemológica das Investigações Lógicas (1900-1901); especificamente, iremos mostrar que, entre os vários problemas conceituais e terminológicos presentes no texto de Edmund Husserl (1859-1938), consideramos significativoo problema que pode ser enunciado na seguinte questão: como ato psíquico, significação ideal e objeto real conseguem entrar em uma relação de correspondência? Como atestar tal correspondência? Husserl responde a essa questão clarificando o conhecimento enquanto uma síntese constante de preenchimentos de significação, isto é, como síntese progressiva de correspondência e satisfação entre expressão, significação e objeto, que, por fim, culmina no ideal limite do conhecimento: a evidência, que é o ato psíquico que reconhece e afirma a correspondência completa e a mais total possível. Baseando-nos em vários comentadores voltados para os problemas semânticos, linguísticos e epistemológicos presentes nas Investigações Lógicas, mostraremos que se a) dissolvermos alguns equívocos terminológicos e conceituais, b) clarificarmos o papel do conceito de evidência tanto como critério semântico quanto epistemológico de verdade, dentro do contexto das I, V e VI Investigações Lógicas, e, por conseguinte, c) elucidarmos a diferença entre o caráter posicional e caráter ontológico na dinâmica da evidência, é possível sustentar uma semântica ideal, apreensível e objetiva.


Palavras-chave


Significação; Evidência; Conhecimento;

Texto completo:

PDF

Referências


HUSSERL, E. Investigações Lógicas – VI Investigação Lógica (Elementos de uma Elucidação Fenomenológica do Conhecimento). Tradução de Zeljko Loparic e Andreia Maria Altino de Campos Loparic. 2° Ed.São Paulo: Abril Cultural, 1979

_________________. Investigaciones Lógicas- I Tomo. Traducción del alemán por Manuel G. Morente y José Gaos. 2ª Ed. Madrid: Revista de Occidente, 1967(Selecta).

________________. Investigaciones Lógicas – II Tomo. Traducción del alemán Manuel G. Morente. 2ª Ed. Madrid: Revista de Occidente, 1967(Selecta).

KUSCH, M. Linguagem como cálculo e linguagem como meio universal – Um estudo sobre Husserl, Heidegger e Gadamer. Tradução de Dankwart Bernsmüller. São Leopoldo: 1° Edição, 2001.

LÉVINAS, E. The Theory of Intuition in Husserl’s Phenomenology.Translated by André Orianne. 2ª Ed. Evanston: Northwestern University Press, 1995.

MALDONADO, C. E. Introducción a la Fenomenología a partir de la Idea del Mundo: La Filosofía de Husserl. 1ª Ed. Santafé de Bogotá: Centro Editorial Javeriano (CEJA), 1995 (Colección Filosofía).

PETERSMA, H. Phenomenological Epistemology. 1ª Ed. New York: Oxford University Press, 2000.

WILLARD, D. Knowledge. In: Cambridge Companion to Husserl. Edited by Barry Smith and David Woodruff Smith. 1ª Ed. New York: Cambridge University Press, 1995, p. 138-167.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1983-4012.2016.1.20530

O conteúdo dos textos publicados pela intuitio é de inteira responsabilidade de seus respectivos autores e não expressa necessariamente as opiniões de seus editores.

Revista eletrônica dos discentes do Programa de Pós-Graduação em Filosofia da PUCRS.


e-ISSN: 1983-4012

 


Indexação: LATINDEX 

 


Programa de Pós-Graduação em Filosofia - PUCRS
Veritas

EDIPUCRS: Revistas Eletrônicas da PUCRS
PORTAL: www.pucrs.br

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS