A Filosofia Política de Ronald Dworkin: Objetividade Moral, Liberalismo Político e Crítica Comunitarista ao Atomismo Liberal

Luã Nogueira Jung

Resumo


O presente artigo tem por objetivo realizar uma exposição introdutória ao liberalismo de Ronald Dworkin. Reconhecido como filósofo do direito, o autor procurou integrar a teoria do direito a uma concepção de moral política liberal. Os dois aspectos, entretanto, são apresentados a partir de uma base epistemológica que nega o ceticismo e aposta na objetividade da interpretação. Expor-se-á, portanto, de maneira introdutória, os argumentos dessa proposta interpretativa e como ela se relaciona com o liberalismo político. Será explorada a repercussão disso nas posições tradicionais do liberalismo, a saber, a atuação moral do Estado, o respeito desse às liberdades individuais, éticas, e, nesse sentido, a neutralidade dos princípios políticos liberais. Por último, será feita uma comparação entre o comunitarismo de Michael Sandel e sua proposta de obrigações de solidariedade e o liberalismo individualista de Dworkin, de maneira a exemplificar diferenças entre o liberalismo e o comunitarismo. 


Palavras-chave


Ronald Dworkin; Filosofia política; Liberalismo político.

Texto completo:

PDF

Referências


BERLIN, Isaiah. Estudos sobre a humanidade: uma antologia de ensaios. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

DWORKIN, Ronald. A raposa e o porco-espinho: justiça e valor. São Paulo: Editor WMF Martins Fontes, 2014.

_______________ A virtude soberana: a teoria e a prática sobre a igualdade. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

_______________ Levando os direitos a sério. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010.

_______________ Objectivity and Truth: You’d Better Believe it. Philosophy and Public Affairs, Vol. 25, No. 2. (Spring, 1996), pp. 87-139.

_______________ O império do direito. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

_______________ Religion without god. Cambridge, Massachussets and London: Harvard University Press, 2013.

_______________ Uma questão de princípio. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

FORST, Rainer. Contextos da justiça: filosofia política para além de liberalismo e comunitarismo. São Paulo: Boitempo, 2010.

HABERMAS, Jürgen. Direito e democracia: entre facticidade e validade. 2. ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2012.

HART, H. L. A. O conceito de direito. São Paulo: WMF Fontes, 2009.

HUME, D. HUME, D. Tratado da Natureza Humana. São Paulo: UNESP: Imprensa Oficial do Estado, 2000.

KELSEN, Hans. Teoria pura do direito. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

MACEDO JUNIOR, Ronaldo Porto. Do xadrez à cortesia: Dworkin e a teoria do direito contemporânea. São Paulo: Saraiva, 2013.

NAGEL, Thomas. Rawls and Liberalism. In: (Org.) FREEMAN, Samuel. The Cambridge Companion to John

SANDEL, Michael J. Justiça – O que é fazer a coisa certa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1983-4012.2016.1.20512

O conteúdo dos textos publicados pela intuitio é de inteira responsabilidade de seus respectivos autores e não expressa necessariamente as opiniões de seus editores.

Revista eletrônica dos discentes do Programa de Pós-Graduação em Filosofia da PUCRS.


e-ISSN: 1983-4012

 


Indexação: LATINDEX 

 


Programa de Pós-Graduação em Filosofia - PUCRS
Veritas

EDIPUCRS: Revistas Eletrônicas da PUCRS
PORTAL: www.pucrs.br

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS